Que vivas em tempos interessantes

Ninguém conhece a origem da frase “que vivas em tempos interessantes!”, popularmente conhecida como a “maldição chinesa”.

Ninguém conhece a origem da frase “que vivas em tempos interessantes!”, popularmente conhecida como a “maldição chinesa”. Mas dizer isto a alguém é o mesmo que lhe desejar uma existência repleta de acontecimentos tumultuosos e reviravoltas. Não por acaso, Eric Hobsbawm, historiador britânico que estudou o conturbado século XX, escolheu a expressão para a sua própria autobiografia (“Interesting Times: A Twentieth Century Life”).

O triunfo do capitalismo liberal e da democracia parlamentar, nos anos 90, parecia ter-nos condenado a todos a uma existência próspera e monótona. Alguns acreditavam mesmo que as guerras e revoluções pertenciam ao passado e que os extremismos de esquerda e de direita, o nacionalismo e o fundamentalismo religioso estavam destinados aos rodapés dos livros de História.

Mas entretanto o mundo deu muitas voltas. A crise de 2007/2008 abalou o sistema financeiro global e provocou ondas de choque que ainda hoje se fazem sentir. Em 2018, a realidade é diferente de há 20 anos. O país mais poderoso do mundo está nas mãos de um populista instável e narcisista, a União Europeia corre o risco de se desfazer, um fascista foi eleito presidente do Brasil e um psicopata governa as Filipinas. A Rússia voltou a viver sob o domínio de um autocrata, a Turquia é agora uma democracia meramente formal e ditaduras como a China, Cuba, o Irão ou a Venezuela continuam de pé, apesar das previsões otimistas avançadas nos últimos 20 anos. Isto demonstra que a vaga de democratização que teve início há 44 anos, com o nosso 25 de Abril, não só foi interrompida como em alguns casos foi revertida. Estamos a assistir à ascensão dos brutos a nível global, graças às redes sociais, que deram a todos o direito à palavra. E não tenhamos ilusões: se os brutos triunfarem, a sociedade aberta de que falava Popper arrisca-se a ser apenas um breve interlúdio luminoso por entre séculos de opressão e obscurantismo. Vivemos, pois, em tempos interessantes.

O que nos deve fazer pensar sobre o que podem as democracias fazer para sobreviver a esta turbulência.

Em primeiro lugar, é necessário ter em conta que estamos habituados a pensar em termos de esquerda versus direita, mas nos tempos em que vivemos a dicotomia mais relevante será entre liberais (no sentido mais vasto do termo) e autoritários. É uma divisão entre quem preza a liberdade individual e outros direitos fundamentais e quem não preza.

Os liberais têm de trabalhar juntos na defesa das instituições democráticas e dos seus mecanismos de checks and balances, o que implica construir um ambiente que torne possível a cooperação, quando necessário, entre democratas de esquerda e de direita, pondo fim ao excesso de virulência, moralismo e azedume a que temos assistido no debate político, devido à sua crescente “futebolização”.

Os partidos democráticos têm também de se distanciar, sem quaisquer reservas, dos corruptos e da corrupção. Não é por acaso que, historicamente, todos os candidatos a ditadores se servem do combate à corrupção como promessa para conquistar o apoio das massas.

Os democratas têm ainda de estar atentos aos anseios dos cidadãos e de defender o Estado social, que  nos últimos 70 anos e até prova em contrário, tem sido o melhor antídoto contra os extremismos. Os democratas não podem abrir a porta aos populistas, justificando-os. Como aquela nossa esquerda que não resiste a justificar Maduro, ou aquela direita que, disfarçadamente, apoia Bolsonaro. Ambas dão tiros nos pés.

Recomendadas

Dança da chuva

Salvini reclama plenos poderes, ou seja, temos um novo ditador em potência, que promete governar contra a Europa se for preciso, e se há país que precisa da Europa é a Itália.

A greve que permite a Costa seduzir a direita com ajuda da esquerda

Ao neutralizar a greve dos motoristas, António Costa conquista votos entre aquele eleitorado de centro direita que, tendo sido deixado órfão pelo PSD e CDS, não gosta de greves e aprecia governantes de pulso firme. E está a conseguir fazer isto com a preciosa ajuda dos sindicatos ligados ao PCP.

A deriva italiana

A Itália europeísta deixou de existir. Mais do que isso, essa nova e perturbadora Itália tem hoje a tentação de servir de linha da frente a quantos se propõem prosseguir na construção de uma ordem alternativa.
Comentários