Queda para 6% no volume de negócios nos serviços

Os índices de emprego, de remunerações brutas e de horas trabalhadas ajustado de efeitos de calendário, foram os que apresentaram variações mais homólogas.

O índice de volume de negócios nos serviços desacelarou para 5,7% em agosto, um resultado inferior em 0,6 pontos percentuais comparativamente ao observado no mês anterior, anunciou o Instituto Nacional de Estatísticas (INE), esta quinta-feira.

O abrandamento do índice foi particularmente influenciado pela secção de comércio, reparação de veículos automóveis e motociclos, que passou de um crescimento de 7,9% em julho para 6,7% em agosto, segundo o relatório.

A secção de alojamento, restauração e similares apresentou o segundo contributo mais elevado, cerca de 0,6%, derivado
de um aumento de 6,4%, comparativamente aos 5,8% de julho.

A secção de transportes e armazenagem registou a desaceleração mais intensa, 2,6%, fixando-se a taxa de variação homóloga em 2,4% em agosto.

Os índices de emprego, de remunerações brutas e de horas trabalhadas ajustado de efeitos de calendário, apresentaram variações homólogas de 1,5%, 3,4% e 0,7%, respetivamente, face a 1,8%, 6,0% e 1,7% em julho, pela mesma ordem.

Recomendadas

“Vamos assistir à terceirização do e-commerce”, afirma presidente da ACEPI

O presidente da ACEPI, Alexandre Nilo Fonseca, considera que o ramo alimentar, “que até agora tem estado um bocadinho afastado do digital”, vai assistir a uma evolução no comércio ‘online’.

União Europeia facilita compras digitais mas Portugal falha prazo

“A Comissão está a acompanhar de perto a situação e em breve decidiremos as próximas medidas para garantir que todos os Estados-membros cumprem as suas obrigações”, diz Nathalie Vandystadt, porta-voz de Bruxelas.

Governo de Angola espera recessão de 1,7% em 2018

Ministro da Economia e Planeamento angolano referiu que depois de contrações de 2,6% e 0,1% em 2016 e 2017, respetivamente, a economia angolana deve ter aprofundado a queda no ano passado.
Comentários