Queda para 6% no volume de negócios nos serviços

Os índices de emprego, de remunerações brutas e de horas trabalhadas ajustado de efeitos de calendário, foram os que apresentaram variações mais homólogas.

O índice de volume de negócios nos serviços desacelarou para 5,7% em agosto, um resultado inferior em 0,6 pontos percentuais comparativamente ao observado no mês anterior, anunciou o Instituto Nacional de Estatísticas (INE), esta quinta-feira.

O abrandamento do índice foi particularmente influenciado pela secção de comércio, reparação de veículos automóveis e motociclos, que passou de um crescimento de 7,9% em julho para 6,7% em agosto, segundo o relatório.

A secção de alojamento, restauração e similares apresentou o segundo contributo mais elevado, cerca de 0,6%, derivado
de um aumento de 6,4%, comparativamente aos 5,8% de julho.

A secção de transportes e armazenagem registou a desaceleração mais intensa, 2,6%, fixando-se a taxa de variação homóloga em 2,4% em agosto.

Os índices de emprego, de remunerações brutas e de horas trabalhadas ajustado de efeitos de calendário, apresentaram variações homólogas de 1,5%, 3,4% e 0,7%, respetivamente, face a 1,8%, 6,0% e 1,7% em julho, pela mesma ordem.

Recomendadas

Fundação José Berardo: estatutos dizem que fundação tem de cobrir despesas do empresário e família

Os estatutos indicam ainda que “no caso da fundação se extinguir antes da morte do fundador ou do último dos seus descendentes, os bens afetos à fundação pelo fundador, ou dos que estejam no lugar deles, reverterão para o mesmo fundador ou seus descendentes”.

Défice da balança de bens e serviços aumenta nos primeiros três meses do ano

Em comparação com o período homólogo, verifica-se que o défice do saldo acumulado das balanças aumentou, sendo que em 2018 o valor fixou-se nos 78 milhões de euros.

Eletricidade em Portugal entre as mais caras da União Europeia

Portugal paga a sexta eletricidade mais cara entre os estados-membros. É de destacar que as taxas e impostos e outros custos do sistema elétrico pesam 55% na fatura total dos portugueses.
Comentários