Queixas sobre serviços públicos aumentam 40%. Segurança Social, SNS e Centro Nacional de Pensões no pódio

O IMT, Ministério da Educação e da Ciência e IEFP são as entidades públicas que mais resolvem as queixas apresentadas.

Entre janeiro e maio de 2018, o Portal da Queixa – rede social de consumidores – registou uma subida “significativa”de queixas dirigidas aos Serviços Públicos em Portugal, que atingiu os 40% das queixas, comparativamente com o período homólogo. A Segurança Social, o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e o Centro Nacional de Pensões (CNP) como líderes da lista dos organismos públicos com mais reclamações recebidas.

Até maio deste ano, a Segurança Social já recebeu cerca de 881 reclamações, o que a coloca no topo das entidades com maior número de queixas. Grande parte das reclamações são referentes a problemas na atribuição dos rendimentos, abonos ou outros. Cerca de 62% dos consumidores reclama das falhas no atendimento e na análise da situação e, 38% dos casos, denuncia os atrasos significativos na entrega de subsídios e a falta de resposta por parte da entidade.

Seguem-se o SNS com cerca de 273 reclamações, sendo que 52% prende-se com o mau atendimento e 45% com o mau serviço prestado nos hospitais ou centros de saúde; e ainda o Centro Nacional de Pensões com um registo de 264 reclamações desde o início do ano.

A Câmara Municipal de Oeiras ganha destaque na tabela das entidades públicas com maior número de reclamações, com uma variação de 280% face ao período homólogo. Segue-se o Instituto dos Registos e Notariado (IRN), o Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), a Câmara Municipal da Amadora, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e o Ministério da Educação e da Ciência (MEC).

Relativamente ao IRN, 51% dos consumidores queixa-se do atendimento, enquanto 40% queixa-se dos atrasos na emissão dos cartões de cidadão, de certificados ou passaportes. No caso do IMT, a maioria das reclamações (76%) são relativas a atrasos quer na emissão da carta, quer na marcação de exame ou na resposta ao consumidor.

Os últimos lugares da tabela pertencem ao IEFP (34 reclamações) e à Câmara Municipal de Sintra (29 reclamações).

Quem mais resolve as queixas?

Entre as entidades que tentam resolver as queixas dos consumidores – respondendo à reclamação registada no Portal da Queixa – estão o IMT, o Ministério da Educação e da Ciência e o IEFP que se apresentam como os organismos com maior taxa de resolução do problema.

Por sua vez, o SNS – uma das entidades com maior número de reclamações – não apresenta uma grande capacidade de resolução, uma vez que, das 273 reclamações registadas, apenas 7 foram resolvidas, desde o início do ano.

As autarquias de Lisboa e Vila Nova de Gaia estão no pódio da tabela referente às entidades que mais responderam aos consumidores, com uma taxa de 100% de resposta, o que revela que todas as reclamações registadas no Portal da Queixa obtiveram uma resposta da entidade responsável. Por sua vez, os últimos lugares da tabela são ocupados pela Segurança Social e pela Câmara Municipal do Porto, com uma taxa de resposta de apenas 13%.

 

sociedade

Ler mais
Recomendadas

Conheça a chave vencedora do Euromilhões

Em jogo está um prémio no valor de 91 milhões de euros.

Saiu de casa e não desligou o computador? Pode fazê-lo remotamente

Com o Unified Remote pode usar o seu smartphone ou tablet para encerrar o computador mesmo que esteja no outro lado do mundo.

Mais de 10 anos após primeiras reivindicações ainda não há lei das tatuagens, alerta Deco

Nas visitas realizadas pela nossa equipa da revista PROTESTE a estúdios de tatuagens verificou-se que tatuar a pele de um menor sem a autorização dos pais não levanta qualquer constrangimento a muitos profissionais.
Comentários