Quem salva os refugiados da União Europeia?

Não deveriam as políticas das instituições europeias basear-se no respeito pelos direitos humanos, na solidariedade, no combate às causas da imigração em massa?

O Parlamento Europeu chumbou o apoio a missões de salvamento e resgate de refugiados no Mediterrâneo. Entre os 290 votos contra figuram dois de deputados portugueses, do CDS-PP e do PSD, e, por muitas desculpas que apresentem, a verdade é que não há diferenças entre as pessoas que fogem à morte e à miséria. Todas precisam de uma mão que as ajude.

Em 2018, registaram-se cerca de 2.300 mortos ou desaparecidos no Mediterrâneo enquanto tentavam chegar à Europa. Desde 2014, o número de mortes  já ultrapassou as 32 mil, segundo a Organização Internacional para as Migrações, que admite que o número real possa ser muito superior. A situação é de tal modo dramática que o Mediterrâneo já foi apelidado de “mar da morte”.

Falar de refugiados é falar de homens, mulheres e crianças que arriscam a vida deslocando-se em condições de extrema precariedade e insegurança, que abandonam o seu país devido a guerras, fome, violações sistemáticas de direitos humanos ou catástrofes naturais. As alterações climáticas estão, de facto, na origem de um elevado fluxo de refugiados e de vagas migratórias, tendo em conta os efeitos devastadores que provocam – desde extremos climáticos como secas prolongadas e cheias, à desertificação dos solos e subia do nível do mar, passando pelo aumento do risco de doenças.

A ONU estima que, em 2050, cerca de 250 milhões de pessoas serão severamente afectadas pelas alterações climáticas. Falamos de pessoas que estão a fugir à morte e que fazem aquilo que qualquer um de nós faria nas mesmas circunstâncias: procuram uma solução para a sua sobrevivência e das suas famílias.

Mas é preciso desmistificar o discurso que diz que a Europa está a ser invadida por refugiados. Está, sim, a ser invadida por discursos de ódio e de medo, que vão criando uma União Europeia fortaleza, desumana e selectiva, que apenas contribui para o crescimento da xenofobia e das forças da extrema-direita. Mas importa ter presente que este flagelo não atinge exclusivamente o continente europeu.

Paralelamente, cai-se na hipocrisia de se criminalizarem as acções humanitárias promovidas por associações e voluntários que, no fundo, fazem o que as instituições europeias e alguns Estados não fazem. Desde 2015, mais de 150 pessoas foram acusadas de crime por auxílio à imigração ilegal. Ora, ilegal e imoral é deixar morrer milhares de pessoas. A União Europeia tem muito a aprender sobre solidariedade e compaixão.

Que mundo é este em que a União Europeia apoia e promove guerras, como no Afeganistão, Líbia ou Síria, ao mesmo tempo que fomenta uma política profundamente desumana no que diz respeito aos refugiados? O Acordo com a Turquia ilustra bem como a UE encara um problema que ela própria ajudou a criar, pagando a um país para que as pessoas não cheguem à Europa.

Que mundo é este em que a União Europeia promove a construção de centros de retenção e vê no drama de milhares de migrantes e refugiados a oportunidade para promover a sua militarização? Quem se revê ainda nesta União Europeia cúmplice e de palavras ocas enquanto milhares de pessoas morrem? Onde estão as suas responsabilidades morais, sociais e políticas?

Não deveriam as políticas das instituições europeias basear-se no respeito pelos direitos humanos, na solidariedade, no combate às causas da imigração em massa e no respeito pela independência dos povos? Não deveria o dinheiro investido pela União Europeia na militarização das fronteiras e em muros ser usado para operações de resgate e para salvar vidas?

A União Europeia tem-se mostrado incapaz e desinteressada em lidar com este problema, e está a falhar repetidamente com os refugiados e migrantes. Cada vez que se afunda um corpo no Mediterrâneo, afundam-se também os valores de solidariedade e de cooperação que a União Europeia muito gosta de apregoar e que, afinal, também precisam de ser salvos.

A autora escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

A idade sem razão

Insistir no uso da idade cronológica, ou a ausência de preocupação com o que representa a desvalorização social de se ser mais velho, é reveladora de uma enorme insensibilidade à mudança social. O resultado é o desperdício de capital humano para as sociedades que envelhecem.

Polígrafo de maçons

Como Rui Rio, considero importante saber se um homem público, que se propõe liderar um grande partido e, por extensão, arriscar-se a governar um país, é verdadeiramente livre, dono da sua ação.

O psíquico de Trump

Trump conseguiu o que nenhum dos seus antecessores conseguiu. Pôr os europeus a gastar mais com a defesa, e reduzir significativamente a contribuição americana para o orçamento da NATO.
Comentários