Quem são as duas famílias francesas que vão doar 300 milhões para reconstruir Notre-Dame?

Catedral com quase nove séculos de história é um dos símbolos da capital francesa. O pináculo colapsou e a nave central ardeu, mas o altar, as relíquias e a vontade dos parisienses mantêm-se vivas. Depois da tragédia, os franceses declararam-se prontos para a reconstrução do templo. 856 anos depois da sua edificação , Notre-Dame terá de se reerguer das cinzas.

Julien de Rosa / EPA

A catedral de Notre-Dame, um símbolo-maior de Paris, foi consumida pelas chamas na segunda-feira – o pináculo ruiu, a nave central ardeu, mas o altar e as relíquias sobreviveram. “O pior já passou”, afirmou o presidente de França Emmannuel Macron que já garantiu que a catedral com quase nove séculos de história vai ser reconstruída com base em angariações de fundos. A Fundação Heritage já anunciou uma campanha nacional e a família Pinault fez saber, em comunicado à AFP, que vai desbloquear 100 milhões de euros para a recuperação de Notre-Dame. Também os Arnault anunciaram doar 200 milhões

“O meu pai [François Pinault] e eu decidimos desbloquear 100 milhões de euros da Artemis para participar no esforço necessário para a reconstrução completa de Notre Dame”. Nota enviada à AFP

O anúncio foi feito por François Henri-Pinault, 56, presidente executivo do grupo Kering e principal rosto herdeiro da fortuna dos Pinault que foi gerada pelo seu pai, o multimilionário francês François Pinault, 82 anos, considerado em conjunto com a família o 30.º homem mais rico do mundo pela revista “Forbes”.

Os 100 milhões que os Pinault anunciaram colocar ao serviço da reconstrução da Notre-Dame vão sair dos cofres da Artemis, uma outra holding francesa que esta família detém e utiliza para diversificar os investimentos.

A família Pinault é amplamente conhecida em França, cuja fortuna associada ao patriarca François Pinault ascende aos 35 mil milhões de dólares, segundo a revista norte-americana. Tudo começou em 1963, quando François Pinault investiu no comércio de madeiras. Nos finais da década de 1980 a companhia de seu nome Pinault entraria na bolsa de Paris e a década de 1990 ficaria marcada pela fusão da Pinault com a Printemps e a La Redoute – estava criado o grupo PPR (Pinault-Printemps-Redoute), que contava com importantes participações na Conforama e FNAC.

Na viragem do milénio, surgiu um novo administrador do grupo PPR e um processo de rebranding e novos investimentos. Em 2005, François-Henri Pinault, filho de François Pinault e casado com a atriz Salma Hayek, tomou o comando do grupo que tomou como objetivo reorientar o grupo para o mercado de moda e luxo. Tudo começou com a aquisição da Gucci, em 1999, mas hoje a Kering (cujo nome surgiu num processo de rebranding em 2013) detém participações em importantes marcas de produtos de luxo como Saint Laurent, Alexander McQueen e Balenciaga.

De acordo com a “Bloomberg”, a Kering é um gigante do setor de luxo e moda. Os últimos dados disponíveis, apontam para uma receita de 15,5 mil milhões de euros em 2017.

Além da Kering, a família Pinault controla a holding Artemis que detém a leiloeira Christie’s, vinhas, o Teatro Marigny, em Paris, e o clube de futebol francês Stade Rennais F.C. Esta família detém uma coleção de arte pessoal de três mil peças, com obras de Picasso, Mondrian e Koons – os Pinault planeiam abrir um museu em 2020.

Rival dos Pinault doa 200 milhões
A onda de solidariedade não se ficou pelos Pinault. Também a família Arnault, que controla o grupo de marcas de luxo LVMH – Moët Hennessy Louis Vuitton, que é o principal concorrente da Kering dos Pinault, anunciou a doação de 200 milhões de euros para a reconstrução da Notre Dame.

“A família Arnault e o grupo LVMH, em solidariedade para com esta tragédia nacional, associam-se à reconstrução desta catedral extraordinária, símbolo da França, sua herança e sua unidade”, Comunicado da LVMH, grupo que detém marcas como a Louis Vuitton, a Dior, a Bvlgari e a Marc Jacobs.

O grupo LVMH, liderado por Bernald Arnault, 70, é uma das companhias de produtos de luxo mais aclamadas do mundo, integrando um império de 70 marcas de moda e luxo. A operação deste grupo ganhou ainda maior relevância a partir de 1985, quando Bernald Arnault, o patriarca da família Arnault, comprou a casa Christian Dior por 15  milhões de dólares.

No último ano, o grupo LVMH faturou 46,8 mil milhões de euros na venda de produtos de luxo, onde se encontram também relógios TAG Heuer e o famoso champanhe Dom Perignon.

Bernard Arnault, em conjunto com a sua família, é o homem mais rico de França e é considerado pela “Forbes” a quarta pessoa mais rica do mundo, sendo também o patrono do museu da Fundação Louis Vuitton.

Atualmente, a LVMH desenvolve um investimento de 3,2 mil milhões de dólares no grupo hoteleiro Belmond que gere 46 hóteis, comboios e cruzeiros.

Ler mais
Recomendadas

Coca Cola aposta no plástico reciclado para as suas embalagens PET

A CuRe tem o potencial de apoiar a Coca-Cola na Europa Ocidental no seu objetivo de eliminar o PET virgem de origem fóssil das suas embalagens durante a próxima década, o que ajudará a eliminar a utilização de mais de 200 mil toneladas de PET virgem por ano.

Ministério Público está investigar descarrilamento de Alfa Pendular

Questionada na sexta-feira pela Lusa, a PGR confirmou hoje “a instauração de inquérito” relativo ao descarrilamento do Alfa Pendular. Segundo a PGR, o inquérito foi aberto na primeira secção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Coimbra.

Primeiros 12 drones de vigilância das florestas já foram entregues à Força Aérea

A aquisição dos drones por parte da Força Aérea portuguesa foi financiada, na sua totalidade, pelo Fundo Ambiental do governo. Os drones representam um investimento inferior quando comparado aos meios aéreos tripulados, a que se junta a capacidade de permanecerem no ar durante mais tempo (12 horas), reforçando assim a sua importância na ajuda à prevenção/combate dos incêndios em Portugal.
Comentários