Quer começar um negócio? Associação Industrial Portuguesa apresenta cinco dicas

Paulo Alexandre Caldas, diretor de Economia, Empreendedorismo, Financiamento e Inovação da AIP, acredita que é importante desenvolver um projeto visionário.

Paulo Alexandre Caldas, diretor de Economia, Empreendedorismo, Financiamento e Inovação da Associação Industrial Portuguesa (AIP), considera que, apesar do crescimento do ecossistema empreendedor europeu, Portugal continua com um “longo caminho” pela frente. Em declarações ao Jornal Económico, dá exemplos, com base no relatório “State of European Tech Report”: “Portugal está na segunda metade da lista de capital investido (em dólares) per capita por país. Israel lidera a lista com 304 dólares/per capita, seguido dos Estados Unidos (246), Suécia (123), Irlanda (111), e Reino Unido (59)”, exemplifica. Para contrariar a tendência, eis os cinco conselhos do responsável da AIP:

  • Desenvolver um projeto que faça verdadeiramente a diferença (que seja visionário) para os seus clientes e comunidades em que se inserem – a competitividade hoje obtém-se pelo caráter inovador do produto/serviço e por um “mix” que junta preço e qualidade à capacidade para resolver problemas rapidamente e satisfazer os consumidores
  • Que o empreendedor seja o líder do negócio e das decisões estratégicas da empresa, mantendo sempre um princípio de cooperação e de desenvolvimento de parcerias;
  • Constituir uma equipa polivalente e com dinâmica jovem
  • Estudar muito bem as opções de investimento e de financiamento do projeto e das suas atividades
  • Pensar global (internacional) e na sustentabilidade do projeto em termos económicos, ambientais e sociais. O grande desenvolvimento tecnológico a que assistimos, e a forma automática como enfrentamos a realidade do dia a dia, obriga a que a capacidade e preocupação de diálogo e de interação com o meio esteja sempre presente

Em Portugal, criaram-se, sobretudo na última década, as bases de um muito dinâmico ecossistema de inovação e empreendedorismo tecnológico. Todos os setores de atividade são promissores, desde que estejam dispostos a compatibilizar a aceleração do desenvolvimento tecnológico com as mudanças nas tendências dos consumidores. É neste matching que estão as oportunidades de mercado que são aproveitadas pelos novos empreendedores, e que vão, pouco a pouco, renovando o nosso tecido empresarial, da agricultura à indústria pesada, passando pelos serviços às empresas. A crescente disponibilização de financiamento ao empreendedorismo, desde o crowdfunding aos business angels e capital de risco, facilita o empreendedorismo. Além de que hoje, através do upgrade tecnológico e do marketing, consegue-se chegar a clientes em todo o mundo.

Recomendadas

Porto Moniz cria incubadora de empresas

A autarquia vai ceder um espaço físico para as empresas puderem desenvolver as suas actividades e ainda acesso a parceiros que permitam a inserção num contexto empresarial.

Como podem as ‘startups’ atrair financiamento? Investidores deixam conselhos

Na maioria dos casos, os empreendedores terão apenas alguns minutos para conseguirem apoio dos investidores. Além de conseguirem explicar o que vão fazer com o investimento, os investidores aconselham os fundadores das ‘startups’ a conhecerem o negócio e o mercado em que operam na ‘ponta da língua’.

Lado humano das ‘startups’ é o que atrai os investidores de Silicon Valley a Lisboa

Da Silicon Valley a Lisboa, os investidores contactados pelo Jornal Económico gostam de apostar nas competências das equipas das startups que, na maioria das vezes, afiguram-se como um investimento de alto risco. Só depois olham paras se debruçam em análises financeiras e estratégicas dos projetos.
Comentários