Quer ganhar o Euromilhões? Conheça a chave ideal (e os números a evitar)

Esta terça-feira há jackpot de 151 milhões de euros no Euromilhões.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

Esta terça-feira vão a jogo 151 milhões de euros no sorteio do Euromilhões, depois de no concurso anterior nenhum apostador ter acertado na chave vencedora. Se já está a sonhar com o grande prémio saiba quais são os números que saíram mais vezes até agora e que lhe podem dar acesso ao jackpot.

De acordo com dados disponibilizados pela Santa Casa da Misericórdia, os números que durante os 15 anos em que o concurso está em vigor saíram mais vezes são: o 50 (que saiu até agora 141 vezes), o 44 (139 vezes), o 23 (138 vezes), o 4 (135 vezes) e o 17 (133 vezes). Já nas estrelas, os números mais sorteados foram o 3 (244 vezes) e o 8 (244 vezes).

As estatísticas mostram também que se devem evitar os números 2, 33, 41, 46 e 47, que são os números que menos saem desde 2004. As estrelas a evitar, seguindo o mesmo raciocínio, são o 12 e o 11.

No concurso de sexta-feira passada, o segundo prémio foi partilhado por sete apostadores no estrangeiro, que receberam cada, um prémio de 257 mil euros. O terceiro prémio (52 mil euros) foi entregue a 8 apostadores, todos fora de Portugal. Já em relação ao quarto prémio, um dos 44 apostadores era português, que recebeu um valor unitário de 4.676 euros.

Dada a ausência de totalistas, o prémio do Euromilhões chega esta terça-feira aos 151 milhões de euros.

O maior prémio de sempre atribuído em Portugal foi de 190 milhões de euros, entregues a um apostador de Castelo Branco, em outubro de 2014.

Ler mais
Recomendadas

Fenprof chama “mentira de periodicidade anual” ao ranking das escolas

A federação sindical considera a publicação da tabela com os melhores e piores estabelecimentos de ensino de Portugal “o dia das mentiras sobre as escolas” e aproveita a ocasião deste lançamento para “saudar” os docentes portugueses, que continuam a ser “desrespeitados pelo governo”.

Greve dos enfermeiros: Costa considera parecer da PGR “muito claro”

António Costa referiu que as estruturas sindicais têm de cumprir a lei, sendo uma “boa oportunidade” para repensarem as formas de luta e debruçarem-se sobre o que é importante, assegurar aos enfermeiros aquilo que eles têm direito a ver assegurado.

Enfermeiros marcam greve nacional para 8 de março

ASPE indica que a “marcha branca” de homenagem à enfermagem não está a ser organizada pelos sindicatos, mas decidiu avançar para a marcação de um dia de greve geral “para facilitar a participação de todos os enfermeiros” no desfile.
Comentários