Quer vender a sua casa rapidamente? Tenha atenção a estes quatro pontos

O BCE indica que os juros dos novos créditos de habitação estão abaixo de 1% e a Housefy sustenta que este é um “período historicamente favorável” para o financiamento. Quais são os truques para vender a sua habitação?

Housefy

Precisa de vender uma casa rapidamente e não sabe por onde arrancar com o processo? A imobiliária Housefy explica quais os quatro passos a dar para vender o seu imóvel em tempo recorde, recorrendo a alguns truques usados pelos especialistas.

Com os juros do Banco Central Europeu (BCE) a continuarem a mínimos históricos, a Housefy sustenta que “Portugal está a atravessar um período historicamente favorável para quem procura financiamento para a compra de habitação”. O BCE indica ainda que o financiamento para a habitação aumentou 5,7% para 6,9 mil milhões de euros entre janeiro e agosto de 2019 face a período homólogo. Este é o valor mais elevado desde 2010.

Afinal, o que é preciso para vender um imóvel rapidamente?

Documentação

Pode parecer um passo simples, mas o primeiro passo é ter toda a documentação necessária disponível. Assim, é importante que o vendedor possua a Certidão de Registo Predial, Caderneta Predial, Licença de Utilização, Planta do imóvel, Certificado Energético e alguns documentos financeiros importantes.

O proprietário deve ter sempre um documento de identificação, como é o caso do cartão de cidadão. Caso se trate de um imóvel que pertence a uma empresa, o proprietário deve deter a Certidão de Registo Comercial e o Documento de identificação dos representantes da empresa.

Os documentos do imóvel também devem estar sempre disponíveis, como é o exemplo da Certidão Permanente de Registo Predial, a Caderneta Predial, a Escritura do imóvel, o Alvará de Licença de Utilização, plantas do imóvel, o Certificado Energético e a Ficha Técnica da Habitação (só para imóveis posteriores a março/2004).

Montra Virtual

“Um bom anúncio é sinónimo de um bom cartão-de-visita”, garante a imobiliária. No anúncio que colocar online é importante valorizar todas as características da casa, apostando nos principais sites imobiliários.

“Entre os principais detalhes mais procurados estão: orientação solar, distribuição de espaços, número de metros quadrados e a localização do imóvel”, sustenta a Housefy. “É importante ser objetivo e minucioso na descrição do imóvel, sendo que quanto maior a transparência, o tempo de venda será menor”.

Preço

Este é um dos fatores mais importantes quando se coloca o imóvel à venda. Este é um dos fatores que excluí, à partida, o imóvel de uma lista de posses para quem quer comprar e tem um limite bem fixado.

Albert Bosh, diretor-executivo da Housefy, afirma que “o comprador aplica cada vez mais filtros à sua pesquisa, o que condiciona bastante os imóveis apresentados nos resultados”. “Se o imóvel não estiver dentro do valor de mercado, irá ficar para último”, garante, sendo um dos fatores por que os imóveis ficam demasiado tempo no mercado.

Certificado Energético

Este é um documento obrigatório em Portugal desde 2013, podendo ser uma informação determinante para a venda do imóvel.

“É através do certificado que o desempenho energético do local de consumo é avaliado, indicando possíveis melhorias para reduzir o consumo, como a instalação de vidros duplos ou o reforço do isolamento, entre outras”, garante a Housefy. “A classe energética do certificado é determinada pela localização do imóvel, o ano de construção, se se trata de um prédio ou de uma moradia, o piso e a área, assim como a constituição das suas envolventes”, afirma a imobiliária.

Ler mais

Recomendadas

Deco recomenda que comemore festas natalícias com espumante nacional

Procure comprar o espumante numa loja com uma climatização adequada, de preferência onde as garrafas estejam deitadas e ao abrigo da luz.

PremiumDeco alerta para dificuldades das famílias na literacia financeira

Os dados da Deco indicam que as famílias que pedem ajuda à associação possuem em média cinco créditos, e que as taxas de esforço na Madeira ultrapassam os 70%.

Rainha de Inglaterra volta a contratar. Salário atinge os oito mil euros mensais

A vaga é para diretor de viagens da família real para assegurar a compra de “serviços de viagem seguros, eficientes, económicos e adequados”. Trabalhar 7,5 horas por dia para a rainha dá direito a um salário superior a oito mil euros mensais.
Comentários