Raize. Fintech portuguesa lança-se nos depósitos bancários

Raize vai lançar este ano ferramenta que se propõe a “fomentar a poupança dos portugueses”.

Cristina Bernardo

A Raize, fintech portuguesa, anunciou esta quinta-feira o lançamento este ano do “marketplace” de depósitos bancários em Portugal que, de acordo com o comunicado publicado no site na Comissão de Mercado de Valores Mobiliários, “vai permitir aos milhares de utilizadores da Raize aplicar as suas poupanças com taxas de juro mais atrativas junto de bancos nacionais”.

De acordo com a Raize, “existem hoje em Portugal cerca de 143 mil milhões em depósitos bancários de particulares dos quais mais de 84% aufere uma remuneração inferior a 0,18% ao ano”. De acordo com José Maria Rego, fundador da Raize, “a maioria dos depósitos estão concentrados em 5 grandes instituições o que faz com que não haja incentivo a remunerar os aforradores. O marketplace de depósitos da Raize vai ser importante para canalizar recursos para instituições mais pequenas e fomentar a poupança dos portugueses”.

Raize explica como funciona

A fintech portuguesa explica em comunicado que através do marketplace de depósitos da Raize,  vai ser possível abrir contas bancárias junto de bancos nacionais sem qualquer custo para o depositante. “Investir através da Raize é totalmente gratuito e,
na nossa lógica, deve continuar a sê-lo”, refere o co-fundador no documento remetido à CMVM. “Os depósitos”, explicam os responsáveis, “ficam abrangidos pelo Fundo de Garantia de Depósitos e vão poder ser constituídos até 100 mil por instituição bancária”.

“A oferta dos depósitos”, esclarece José Maria Rego, “será definida pelos próprios bancos que utilizarão a Raize para captar depósitos de retalho e diversificar as suas fontes de financiamento: “Para os bancos mais pequenos que queiram captar depósitos, esta ferramenta pode ser extremamente útil. Em vez de investir tempo e dinheiro em publicidade e marketing, podem simplificar todo o processo e passar a vir à Raize oferecendo uma taxa de depósito mais atrativa”.

 

Ler mais
Relacionadas

Raize e Science4you serão obrigados a comunicar transação de dirigentes

A comunicação de transações de ações próprias e transações de dirigentes era, até agora, uma obrigação que abrangia apenas as empresas cotadas em mercado regulamentado, mas a CMVM estendeu-a às empresas admitidas à negociação em sistema de negociação multilateral. Esta e outras novidades surgem da aprovação de um novo regulamento da CMVM.

Premium“A Raize não tem necessidades de capital”

José Maria Rego, um dos três fundadores da ‘fintech’ portuguesa, é o entrevistado do programa “Decisores” esta sexta-feira, disponível a partir das 11 horas, no canal Play It, no ‘site’ do Jornal Económico.

Fundadores da Raize mantêm controlo da empresa após IPO

Os três administradores da ‘fintech’ portuguesa controlam, em conjunto, 51,04% do capital. Antes da oferta pública inicial, já tinham anunciado pretender manter uma posição maioritária.
Recomendadas

Crédito Agrícola elege nova administração a 25 de maio

A Caixa Central de Crédito Agrícola é responsável pela coordenação e supervisão das 80 Caixas de Crédito Agrícola Mútuo e é liderada por Licínio Pina desde 2013, há dois mandatos. O gestor trabalha no banco há mais de 30 anos.

Blockchain: Santander faz acordo de 620 milhões de euros para usar tecnologia da IBM

Acordo prevê a incorporação de tecnologias da IBM em áreas como a blockchain, big data e inteligência artificial. CIO do Santander, David Chats, diz que aposta está em linha com a “estratégia de progresso constante”.

CGD: BdP avalia idoneidade de sete ex-gestores, incluindo o ex-governador António de Sousa

Entre os gestores que desempenharam funções na CGD entre 2000 e 2015 a ser avaliados pelo BdP estão ainda Vítor Fernandes e Jorge Cardoso (Novo Banco), João Nuno Palma (BCP), António Vila-Cova (Finantia), Maria João Carioca (CGD) e José Fernando Maia de Araújo (EuroBic).
Comentários