Raras e valiosas: Moedas de ouro portuguesas avaliadas em 64 mil euros

Em leilão estão mais de cem moedas de ouro portuguesas, do tempo de D. João V, cuja moeda mais valiosa é um dobrão de 24.000 reis de 1725, avaliado em mais de nove mil euros.

Está a decorrer um leilão de moedas portuguesas, incluindo “mais de cem exemplares raros da numismática de D. João V”, no portal de leilões Catawiki. Até dia 27 de dezembro é possível licitar um exemplar de uma coleção avaliada em 64 mil euros.

A coleção numismática em causa representa o reinado de D João V e é conhecida como a mais rica da monarquia portuguesa. Segundo um comunicado, enviado à redação, há uma moeda que poderá alcançar um valor superior a 9 mil euros. Trata-se de um dobrão de 24.000 reis de 1725, um exemplar “bastante raro”. Está também em leilão uma moeda de ouro de 6.400 reis, avaliada em mais de 1.700 euros.

De acordo com o especialista português em numismática Hélder Silva, estas moedas são relevantes “não só pelo valor histórico que representam, mas também pela raridade”.

Em termos numismáticos, o reinado de D. João V deixou um legado considerado um dos mais importantes em todo o mundo. Foi no reinado de D. João V que se cunhou a Dobra de 24 Escudos, a maior moeda cunhada em Portugal e uma das maiores no mundo.

“D. João V mandou cunhar moedas em todo o mundo, mas foi nas casas de moeda da Baía, do Rio de Janeiro, e de Minas Gerais que se criaram grande parte das raridades ‘joaninas’ apresentadas neste leilão”, explicou o especialista em numismática.

Recomendadas

Governo aprova benefícios fiscais para investimentos de 400 milhões de euros

Investimentos representam 390 milhões de euros e a criação de postos de trabalho.

Produção automóvel em Portugal cresce 101,5% em setembro

A Europa continua a ser o mercado líder nas exportações dos veículos fabricados em território nacional – com 90,2 por cento – com a Alemanha (21,4%), França (14,6%), Itália (11,9%) e Espanha (10,1%) no topo do ranking.

Costa sobre as negociações do Brexit: “Ninguém tem interesse em que não haja acordo”

Muitos dossiês foram desbloqueados e o que resta nesta “ponta final” das negociações é a questão da fronteira da Irlanda com a Irlanda do Norte, que admitiu ser “delicada e difícil”, esclareceu o primeiro-ministro sobre as negociações com Londres sobre a saída do Reino Unido da União Europeia
Comentários