Reabilitação urbana em Portugal inverteu em abril tendência de crescimento

Segundo o barómetro mensal da AICCOPN para este segmento de atividade, “o nível de atividade das empresas contraiu-se 3,8%, variação que reflete, em grande medida, os constrangimentos resultantes das atuais condições operacionais das empresas.

Em abril, de acordo com os dados recolhidos no inquérito mensal à atividade de reabilitação urbana, realizado pela AICCOPN – Associação dos Industriais da Construção Civil e das Obras Públicas aos empresários do setor que atuam neste segmento de mercado, “observam-se quebras nos principais indicadores que, apesar de não serem muito expressivas, atendendo às circunstâncias, não deixam de sinalizar uma inversão da tendência de crescimento que se vinha verificando”.

Segundo o barómetro mensal para este segmento de atividade, “o nível de atividade das empresas contraiu-se 3,8%, variação que reflete, em grande medida, os constrangimentos resultantes das atuais condições operacionais das empresas, ainda que a declaração de Estado de Emergência, que vigorou durante todo o mês de abril, não tenha determinado a suspensão das obras”.

“Quanto ao índice ‘Carteira de Encomendas’, o sentimento dos empresários quanto ao nível das obras em carteira reduziu-se, pelo segundo mês consecutivo, apurando-se uma variação de -1,6% em termos homólogos”, adianta o mesmo barómetro de reabilitação urbana da AICCOPN.

Segundo este documento, “relativamente à produção contratada, ou seja, o tempo assegurado de laboração a um ritmo normal de produção, em abril verifica-se uma recuperação face à forte quebra (-20%) apurada em março, mantendo-se, contudo, os dois últimos meses abaixo da média dos doze meses anteriores”.

Recomendadas

Número de fogos licenciados no Alentejo cresceu 3,7% nos últimos doze meses

Sintese de conjuntura do setor da con strução elaborada pela AICCOPN revela que o consumo de cimento em Portugal subiu, em temros homólogos, 6,4% nos primeiros cinco meses deste ano.

Ferrovial ganha as duas empreitadas de expansão do Metro do Porto. Valor ascende a 288 milhões

O valor global destas adjudicações ascende a 288 milhões de euros – 189 milhões relativos ao novo traçado no Porto e 98,9 milhões para a ampliação em Gaia, assinala o comunicado da Metro do Porto.

Reabilitação urbana registou nova queda em junho, de 11,3%

Quanto ao tempo assegurado de laboração a um ritmo normal de produção, em junho, apurou-se um aumento para 8,7 meses, recuperando da quebra abruta registada em março.
Comentários