Recebeu SMS sobre encomendas retidas na alfândega? Fisco alerta para fraude e pede para ignorar

A Autoridade Tributária e Aduaneira alerta os consumidores para uma campanha de ‘phishing’ que recorre a mensagens de texto fraudulentas emitidas supostamente por um “centro aduaneiro”. O objetivo é convencer o destinatário a aceder a páginas maliciosas. Fisco avisa que estas mensagens devem ser ignoradas.

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) está a alertar os consumidores para a existência de mensagens fraudulentas enviadas para os telemóveis para os destinatários pagarem taxas aduaneiras de encomendas retidas nas alfândegas. O fisco diz que os destinatários destes SMS são, assim, “induzidos maliciosamente” a aceder a links que remetem para páginas fraudulentas na Internet, as quais visam a recolha de informação pessoal e confidencial para uso ilícito.

“A Autoridade Tributária e Aduaneira tem conhecimento de uma campanha de phishing que recorre a mensagens de texto (SMS) fraudulentas emitidas supostamente por um ‘centro aduaneiro’”, alerta a AT no Portal das Finanças, dando conta de que “estas mensagens, às quais a AT é alheia, são passíveis de comprometer a privacidade e a segurança de quem as recebe”.

No alerta da AT é publicado um exemplo de mensagem fraudulenta: “A sua entrega está retida no nosso centro aduaneiro. Por favor, resolva a falta de pagamento das taxas de importação aqui”, onde se segue um link que remete os destinatários do SMS para páginas fraudulentas na Internet.

O fisco realça que “os destinatários destes SMS são induzidos maliciosamente a aceder a links que remetem para páginas fraudulentas na Internet, as quais visam a recolha de informação pessoal e confidencial para uso ilícito”. E avisa que estas mensagens “são falsas e devem ser ignoradas”, realçando que o seu objetivo é convencer o destinatário a aceder a páginas maliciosas carregando no link sugerido.

“Em caso algum deverá efetuar essa operação”, alerta a AT, recomendando ainda a leitura do folheto informativo sobre Segurança Informática​ disponível no Portal das Finanças.​

Recomendadas

Saiba o que é a moratória pública e como pode usá-la em tempos de pandemia

A moratória pública/legal direciona-se a pessoas singulares que apresentem crédito habitação permanente (ou seja, não é válido, por exemplo, para casas de férias), crédito hipotecário ou créditos relacionados com despesas de consumo relacionadas com a educação e formação, fazendo com que seja suspenso o pagamento do capital, juros, comissões e outros encargos por um determinado tempo, no máximo de 9 meses.

Prestação da casa desce em março para contratos com Euribor a 3 e a 6 meses

Um cliente com um empréstimo no valor de 150 mil euros a 30 anos, indexado à Euribor a seis meses e com um ‘spread’ (margem de lucro do banco) de 1%, paga a partir deste mês 447,40 euros, o que traduz uma descida de 5,72 euros face à ultima revisão em setembro.

Bruxelas avalia até 2022 lei sobre viagens organizadas para proteger viajantes

A Comissão Europeia vai avaliar, até 2022, a diretiva europeia sobre viagens organizadas, dados “os desafios” criados pela covid-19 e pela falência do grupo Thomas Cook, para assim garantir “proteção robusta” aos viajantes da União Europeia.
Comentários