Recibos verdes, o que alterou?

O que se vislumbra como o presente Decreto-Lei é uma maior vinculação ao sistema previdencial de Segurança Social através, nomeadamente, da aproximação da contribuição a pagar aos rendimentos auferidos.

Recentemente entrou em vigor o Decreto-Lei n.º 53/2018, de 2 de Julho que, em linhas gerais, veio estabelecer novas alterações no regime contributivo dos trabalhadores independentes, a partir de Janeiro de 2019. O principal objectivo deste diploma é, não só, tornar o regime contributivo mais equitativo, bem como, promover uma protecção social efectiva quanto aos trabalhadores por ele abrangidos.

Neste conspecto, foram efectuadas correcções e ajustamentos nos regimes jurídicos de protecção social, especialmente no que respeita às eventualidades de: i) doença; ii) desemprego, e iii) parentalidade.

i) No que concerne ao regime jurídico de protecção na eventualidade de doença, destaca-se a diminuição do período de espera de início de pagamento do subsídio de doença, que terá início a partir do 11.º dia de incapacidade, quando até agora só tinham acesso ao mesmo a partir do 31.º dia, assim estabelecendo uma clara aproximação ao período de espera dos trabalhadores por conta de outrem.

ii) Por seu turno, quanto à protecção na eventualidade de desemprego várias foram as alterações efectuadas. Desde logo, ressalta a classificação como trabalhador economicamente dependente aquele que obtenha de uma única entidade contratante mais de 50% do valor total dos seus rendimentos anuais, contra os até agora 80%.

Para além disso, altera-se o prazo de garantia para atribuição do subsídio por cessação de actividade, ajustando-o ao prazo de garantia para a atribuição do subsídio de desemprego dos trabalhadores por conta de outrem, ou seja, passa a ser de 360 dias de contribuições, contra os anteriores 720 dias. Assim, alarga-se o universo de potenciais beneficiários do subsídio de desemprego, pois poderão ter acesso à prestação os trabalhadores independentes que no último ano tenham recebido 50% do rendimento de uma única entidade contratante e que tenham 360 dias de contribuições.

Além disso, o novo regime da protecção no desemprego passa a permitir acumular os períodos de trabalho cumpridos enquanto trabalhador independente aos efectuados enquanto trabalhador por conta de outrem.

Neste cenário, as taxas a aplicar aos recibos verdes passam a ter em conta o rendimento médio trimestral. No que concerne à taxa de descontos para a Segurança Social, baixa de 29,6% para 21,4%, aplicando-se sobre 70% do rendimento médio dos últimos três meses, podendo ainda os trabalhadores ajustar o seu rendimento até 25%, para cima ou para baixo, tendo em consideração aquilo que recebem. Ademais, passa a existir uma contribuição mensal mínima de 20 euros, com vista a garantir a estabilidade da carreira contributiva para efeitos de pensão futura ou outras prestações sociais (subsídio de desemprego ou por doença).

Já as entidades contratantes passam a descontar 10% nas situações em que a dependência económica seja superior a 80% ou 7% abaixo desse montante.

Quanto aos trabalhadores a recibos verdes que acumulem a actividade com trabalho por conta de outrem e cujo rendimento mensal médio relevante (relativo a um trimestre) não ultrapasse o valor de quatro IAS (cerca de 1.715 euros) terão uma isenção, contrariamente à total isenção que existia até agora.

Por outro lado, relativamente aos trabalhadores independentes com actividade empresarial e aos membros dos órgãos estatutários das pessoas colectivas, constatou-se que o actual regime não acautelava suficientemente as necessidades de protecção desses mesmos trabalhadores, sobretudo no que respeita a situações de encerramento de empresas ou de cessação da actividade profissional, em que o desemprego não é efectivamente involuntário por não se verificar uma redução significativa do volume de negócios.

Como tal, o diploma introduz uma alteração no conceito de redução do volume de negócios, que passa de 60% para 40%, nos dois anos imediatamente anteriores ao ano relevante.

iii) Por fim, no que respeita ao regime jurídico de protecção na parentalidade, destaca-se o facto de os trabalhadores independentes passarem a ter direito aos subsídios para assistência a filhos e netos doentes bem como ao subsídio para assistência em caso de nascimento de neto, correspondente a um período de 30 dias consecutivos após o nascimento de neto que resida com o beneficiário em comunhão de mesa e habitação, desde que seja filho de adolescente menor de 16 anos.

Em suma, o que se vislumbra como o presente Decreto-Lei é uma maior vinculação ao sistema previdencial de Segurança Social através, nomeadamente, da aproximação da contribuição a pagar aos rendimentos auferidos.

O autor escreve de acordo com a antiga ortografia.

 

Recomendadas

PremiumAntónio Andrade: “O Tribunal Unificado de Patentes pode ser muito negativo para as PME”

António Andrade, sócio da Abreu, explica a importância da proteção de patentes na indústria farmacêutica.

PremiumComo a transformação digital está a mudar os negócios

Para Sam Balaji, líder global de consultoria da Deloitte, há “grandes oportunidades” para Portugal no setor da transformação digital. Finanças, Energia, Retalho e Distribuição são os setores que mais investem.

PremiumPME terão mais uma forma de financiamento

Advogado Gustavo Ordonhas Oliveira diz que já há interessados em criar fundos de crédito, inclusive gestoras de fundos de capital de risco.
Comentários