Reclamações por fraude bancária disparam

O número de queixas já levou a que o Banco de Portugal emitisse um “alerta público”. A Procuradoria-Geral da República confirmou ao “Público” a “recepção das cerca de duas dezenas de participações” feitas pelo regulador.

O número de queixas por fraude bancária apresentadas ao Banco de Portugal (BdP) subiu para 60 no ano passado, quando, em 2017, tinha sido de 35, de acordo com os dados divulgados na edição desta quarta-feira do “Público”.

Este aumento já levou o supervisor a emitir um “alerta público” sobre crédito fácil (relacionado com a prática de crimes como usura, burla, fraude fiscal, falsificação, ameaça e extorsão), uma vez que considera uma prática “extremamente lesiva” para os interesses dos particulares.

Além disso, o BdP passou a fazer mais comunicações Procuradoria-Geral da República (PGR), tendo sido realizadas 20 participações. “Cada comunicação pode ter como objeto indícios da prática de diversos ilícitos criminais por várias pessoas”, diz a entidade liderada por Carlos Costa ao mesmo jornal.

Já a PGR confirmou a “receção das cerca de duas dezenas de participações” feitas pelo regulador e adiantou ao diário que, em 2018, registaram-se 284 inquéritos por burla com fraude bancária. No entanto, o Ministério Público assegurou que “nem todas as investigações abertas dizem respeito a concessão de crédito ilegal, sendo provável que estejam em causa factos de contornos diversos”.

Recomendadas

UTAO: Novo Banco atira défice para 0,8% do PIB no 1.º semestre

O valor estimado pela UTAO para o semestre fica aquém da meta do Governo para o conjunto do ano, de 0,2% do PIB, “sem, contudo, colocar em causa o seu cumprimento”, consideram os técnicos do parlamento.

BCP convoca assembleia de obrigacionistas para discutir fusão do BII

A assembleia geral de obrigacionistas realizar-se-à no dia 21 de outubro, pelas 9h00, no edifício 5 do Taguspark, onde se situam as instalações do banco. BCP garante que a fusão não terá impacto para os trabalhadores do BII e que a sua incorporação contabilística no banco liderado por Miguel Maya será considerada a partir do dia 1 de janeiro de 2019, se entretanto a operação for autorizada pelo Banco Central Europeu.

BCE analisa auditoria do BCP sobre contratação de ex-assessor de Pinho, mas idoneidade de Paulo Macedo não está em avaliação

A idoneidade de Paulo Macedo enquanto presidente da CGD não está a ser avaliada. O que está a ser estudado é se o caso da contratação de João Conceição tem motivos para abrir um processo de Fit & Proper.
Comentários