Reduniq diz que centros comerciais ultrapassam faturação pré-Covid

A rede Redunic, uma marca da Unicre, divulgou os dados mais recentes sobre a evolução dos pagamentos nas categorias de consumo que avançaram no processo de desconfinamento desta segunda-feira.

Com a reabertura ocorrida esta segunda-feira, os centros comerciais de todo o país registaram mais 25% de faturação do que na média alcançada nas segundas-feiras de abril de 2019, ano anterior à pandemia, refere a Reduniq, rede nacional de aceitação de cartões nacionais e estrangeiros.

De acordo com o acquirer português, “os centros comerciais a nível nacional cresceram 124% esta segunda-feira face à segunda-feira anterior (12 de abril), um aumento que se justifica pelo facto de na semana passada estes estabelecimentos estarem, na sua maioria, encerrados”.

Contudo, a Reduniq fez ainda a comparação da faturação desta segunda-feira nos centros comerciais com a média registada nas segundas-feiras de abril de 2019, ou seja, em período de consumo normal. “A partir desta análise, verificou-se que os centros comerciais do país cresceram 25%, ficando acima dos valores pré-Covid”.

Também algumas categorias específicas dos centros comerciais verificaram aumentos face a 2019, nomeadamente os negócios de artigos desportivos mais 116%), perfumarias (mais 84%), sapatarias (mais 79%), pronto-a-vestir (mais 35%), e ourivesarias (mais 21%).

Por outro lado, a restauração atingiu menos 7% de faturação em relação aos valores de 2019, um resultado que, segundo Tiago Oom, diretor da Reduniq, citado pelo comunicado, “poderá dever-se às limitações do número de pessoas nestes estabelecimentos, o que os impede de chegar a uma faturação normal”. Também os supermercados de centros comerciais decresceram 11%, a par dos cinemas, que, apesar da reabertura, decresceram 89% face a 2019.

Os dados recolhidos têm como base o Reduniq Insights, a solução de conhecimento que analisa as transações registadas pela rede de aceitação de pagamentos da rede.

A Unicre, detentora da marca, atua no sector financeiro, especialista na gestão, emissão e disponibilização de soluções de pagamento, cartões de pagamento e crédito ao consumo e detém a marca Unibanco, responsável pela emissão de cartões de crédito, cartões pré-pagos, cartões refeição, crédito pessoal e crédito consolidado, e a marca Reduniq, que disponibiliza soluções de aceitação de pagamentos para loja física ou comércio online.

Ler mais
Relacionadas

Unibanco cria conta digital para chegar aos consumidores que não ligam a crédito

A conta é movimentada através de um cartão pré-pago que pode ser carregado com um mínimo de 10 euros para depois, através da ‘app’, fazer levantamentos de dinheiro, pagamentos de serviços e de faturas por débito direto, transferências via MB Way ou a crédito. “Tem a simplicidade de juntar num único ponto de contacto todos os pagamentos, como água, luz ou Netflix”, diz a diretora Marília Araújo ao JE.

Clientes da Revolut gastaram mais 75% em lojas físicas ontem do que noutra segunda-feira “normal”

A fintech britânica concluiu que houve minutos a 19 de abril – arranque da terceira fase do desconfinamento – em que os clientes portugueses gastaram mais de 3 mil euros com os seus cartões Revolut. El Corte Inglés, Zara, Worten, Decathlon e Fnac destacaram-se.
Recomendadas

De Amorim a Varandas: como o Sporting CP quebrou um jejum de 19 anos. Veja o “Jogo Económico”

Acompanhe o programa “Jogo Económico” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Metro do Mondego vai abrir concurso público para aquisição de veículos para o Sistema de Mobilidade do Mondego

O investimento envolvido chega aos 58,6 milhões de euros e procura fornecer uma solução intermodal que se coadune com as necessidades de transporte urbano e suburbano daquela região.

Glintt vê resultado líquido crescer 25,8% com aumento de 5,1% no volume de negócios no 1º trimestre

A tecnológica destaca o aumento da eficiência operacional traduzido numa maior margem EBITDA no primeiro trimestre deste ano, bem como a manutenção da estrutura de capitais que permite uma autonomia financeira de 39,1%.
Comentários