Italexit? Referendo pode colocar a Europa (de novo) em risco

A subida das intenções de voto que dizem “não” ao referendo italiano sobre alterações constitucionais pode levar à ascensão do partido anti-Europa do comediante Beppe Grillo, tornando cada vez mais provável o ‘Italexit’.

Tony Gentile/Reuters

No próximo dia 4, a Itália vai a votos para referendar a proposta do Governo de Matteo Renzi, que pretende acabar com o equilíbrio de poderes entre o Congresso de Deputados e o Senado. No caso de a proposta fracassar, o Movimento Cinco Estrelas pode vir a ascender junto do eleitorado, gerando um terramoto político que colocará a economia da zona euro em risco.

Depois do ‘Brexit’, o ‘Italexit’ tem conquistado popularidade nas últimas semanas. Numa Europa que ainda está a digerir o trauma do referendo que deu vitória ao ‘Brexit’ e as presidenciais norte-americanas que colocaram Donald Trump como novo inquilino da Casa Branca, há já quem preveja que o referendo das próximas semanas possa lançar a Itália num pântano político.

O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, quer resolver nas urnas a ingovernabilidade crónica de Itália, propondo a diminuição do peso do Senado, de 315 assentos para 100, impossibilitando assim que este órgão governativo vete orçamentos públicos e derrube executivos através da aprovação de moções de censura.

Segundo informação avançada pelo jornal ‘Observador’, o sistema bicamarário atual foi introduzido logo após a Segunda Guerra Mundial, para garantir que o surgimento de um novo ditador como Benito Mussolini seria travado. Contudo, este sistema político conduziu a que a aprovação de uma proposta de lei ou a sua moção demorasse anos a ser feita, levando à transição interminável das propostas do Senado para o Congresso (e vice-versa), o que dificulta a implementação de reformas em várias áreas importantes para a política económica. Com isto, em 70 anos, a Itália viu nascer 63 governos desde da Implantação da República em 1946.

Inicialmente as sondagens davam vitória às alterações constitucionais propostas de Renzi, que ameaçou demitir-se no caso de estas não virem a ser aprovadas pelos eleitores, mas nas últimas semanas as intenções de voto parecem estar a inverter o sentido e o número de indecisos mantém-se ainda elevado.

O Nobel da Economia, Joseph Stiglitz já se pronunciou sobre o caso dizendo que a Europa está a caminhar para um “evento catastrófico” e insiste que Renzi deve cancelar o referendo para evitar que este assuma proporções incontroláveis, como o que está ainda por calcular em relação à saída do Reino Unido da União Europeia, hipótese que foi rapidamente descartada pelo primeiro-ministro italiano.

A situação instável em Itália e a eventual queda por terra da proposta de Renzi ameaça beneficiar o partido anti-Europa do comediante Beppe Grillo, o Movimento Cinco Estrelas, que garante que a prioridade será fazer um referendo em relação à permanência de Itália na zona euro.

A terceira maior economia da Europa tem apresentado um crescimento ligeiro – apenas 0,7% em 2015, cerca de metade do registado em Portugal em igual período – e entre os italianos começasse a apontar o dedo ao euro como causador da situação económica ténue.

No entanto, segundo o editor de economia do Financial Times, citado pelo ‘Observador’, Wolfgang Münchau, “uma saída da zona euro por parte de Itália levaria ao colapso total da união monetária num período de tempo muito curto. O que levaria, provavelmente, ao choque económico mais violento da História, maior do que a bancarrota do Lehman Brothers em 2008 e do que o crash de 1929 em Wall Street”. É caso para dizer que a terra pode voltar a tremer em Itália e desta vez pode arrastar consigo toda a comunidade de países pertencentes à união monetária.

Ler mais

Relacionadas

Itália pode perder primeiro-ministro a 4 de dezembro

O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, sugeriu que poderá demitir-se caso perca o referendo marcado para o próximo dia 4 de dezembro. Em causa está a reforma constitucional do país.
Recomendadas

Carga fiscal em Portugal subiu para 35,4% do PIB em 2018

A carga fiscal em Portugal subiu dos 34,3% do PIB em 2017 para os 35,4% em 2018, o valor mais elevado desde 2000, acima da média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Metade das rendas do programa de rendas acessíveis estão abaixo dos 500 euros

O Governo espera dentro de dois anos que 20% dos contratos de arrendamento firmados serão feitos no âmbito do PAA. A maioria dos contratos estão a ser assinados em Lisboa, diz a tutela.

Portugal cresce acima da zona euro que estabilizou no terceiro trimestre

A contribuir para esta evolução esteve o aumento de 0,5% do consumo das famílias na zona euro e na União Europeia a 28, enquanto o investimento avançou 0,3%, uma queda abrupta após ter aumentado 5,7% na zona euro e 4,3% na UE28 no trimestre anterior.
Comentários