Refiliação de Manuel Monteiro divide posições no CDS-PP

Entre os que dizem que Manuel Monteiro deve explicar o motivo de querer voltar ao partido, há também quem, pegando nos regulamentos, defenda que não há nada que invalide a sua refiliação e acuse a direção de ‘veto de gaveta’ motivado por questões políticas.

A refiliação do ex-líder Manuel Monteiro no CDS-PP está a dividir opiniões entre os democratas-cristãos. Entre os que dizem que Manuel Monteiro deve explicar o motivo de querer voltar ao partido, há também quem, pegando nos regulamentos, defenda que não há nada que invalide a sua refiliação e acuse a direção de ‘veto de gaveta’ motivado por questões políticas.

O secretário-geral do CDS-PP, Pedro Morais Soares, gerou polémica ao afirmar que a refiliação de Manuel Monteiro, que deixou o partido em 1998 para fundar o partido Nova Democracia, é “uma decisão que ficará na pasta de transição” para a direção que for eleita no congresso nacional, agendado para os dias 25 e 26 de janeiro de 2020. As reações não tardaram a chegar.

Diogo Feio, foi o primeiro dirigente do CDS-PP a reagir, considerando que Manuel Monteiro, por ser um antigo líder do partido, deve explicar “porque é que quer voltar, se concorda com a doutrina” atual do CDS-PP. O ex-eurodeputado democrata-cristão considera ainda que a decisão de aprovou ou não o pedido de refiliação caberá depois à direção, medida que considera “mais do que razoável”.

“Temos um ex-presidente que volta a apresentar a sua filiação, que criou um partido contra o CDS, um partido para fazer mal ao partido, que fez variadíssimas declarações atacando quem o presidia e vários dos seus dirigentes”, afirmou em entrevista à RTP.

Em reação às declarações de Diogo Feio, o ex-líder José Ribeiro e Castro afirmou nas redes sociais que é “sintomático que Diogo Feio, habitualmente tido como um moderado, tenha sido escolhido, nesta circunstância, como o porta-voz radical do partido não só entrincheirado, mas trancado”.

“Diogo Feio, que é advogado competente e docente universitário de Direito, tem, como dirigente do CDS, de esclarecer um único ponto: em que ponto dos estatutos e do regulamento pertinente do CDS se apoia o bloqueio que está a ser movido pela direcção executiva do CDS contra a efectivação da refiliação de Manuel Monteiro?”, escreveu José Ribeiro e Castro.

José Ribeiro e Castro recorda que, ao abrigo dos estatutos do partido, podem ser filiados no CDS-PP “todos os cidadãos portugueses, maiores de 18 anos, no pleno gozo dos direitos civis e políticos, nos termos do Regulamento de Admissões, aprovado em Conselho Nacional”. “Admitindo que Diogo Feio e o resto da direção não têm dúvidas sobre que Manuel Monteiro é cidadão português, tem mais de 18 anos e está no pleno gozo dos direitos civis e políticos, resta seguir o Regulamento”, sublinha.

Também o líder da corrente interna Tendência Esperança em Movimento (TEM), Abel Matos Santos, que é candidato à liderança do CDS-PP, veio criticar as palavras de Diogo Feio, dizendo que “Diogo Feio não é só Feio de nome, parece ser feio de carácter”. “Quem ele se julga? Agora para ser filiado é preciso pedir autorização à direção?”.

“Este não é o CDS democrata-cristão, tolerante, pluralista e democrático pelo qual me bato! Muito feio Sr. Feio”, escreveu Abel Matos Santos, no Facebook.

Ler mais
Recomendadas

Bloco de Esquerda questiona Governo sobre impacto da poluição do Aeroporto Humberto Delgado

Os bloquistas querem saber que medidas estão previstas para mitigar os efeitos da poluição atmosférica, numa altura em que se prevê o tráfego aéreo aumente para os 72 aviões por hora, mais do que um por minuto.

PSD quer audição urgente de Mário Centeno no Parlamento devido a alteração nas PPP

Deputados sociais-democratas da Comissão de Orçamento e Finanças querem ouvir ministro das Finanças por estarem preocupados com “diminuição da transparência” na constituição de parcerias público-privadas.

Passes, energia renovável e eficiência. Os truques de Medina para combater as alterações climáticas

“Olhando para os dados, os últimos anos foram os mais quentes de que há registo”, afirmando que esta é uma das realidades mais visíveis no nosso país, que tem enfrentado secas extremas, incêndios e cheias.
Comentários