Região de Coimbra com prejuízos de pelo menos 13 milhões de euros devido ao mau tempo

“É um valor enorme”, salientou o presidente da Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra, José Carlos Alexandrino, acrescentando que a intempérie de dezembro motivou a ativação do Plano de Emergência Distrital.

O primeiro levantamento dos estragos provocados pelo mau tempo na área da Comunidade Intermunicipal (CIM) da Região de Coimbra, em dezembro, aponta para prejuízos na ordem dos 13 milhões de euros, foi anunciado esta terça-feira.

O valor foi divulgado pelo presidente da CIM Região de Coimbra, José Carlos Alexandrino, numa reunião com a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, realizada na manhã de hoje em Coimbra para analisar o processo de descentralização de competências.

“Há um primeiro levantamento dos nossos municípios, ainda sem um grande rigor, que aponta para 13 milhões de euros, que é um valor enorme”, salientou, no final, aos jornalistas, acrescentando que a intempérie de dezembro motivou a ativação do Plano de Emergência Distrital.

O autarca de Oliveira do Hospital disse esperar que o “Governo encontre soluções”, até porque a tempestade Leslie, em outubro de 2018, “tem já no Orçamento do Estado uma verba prevista”.

Relativamente aos prejuízos provocados pela depressão Elsa na CIM Região de Coimbra, em dezembro, a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública disse que a situação terá de ser analisada, já que os estragos ocorreram após a entrega da proposta do Orçamento do Estado para 2020.

Alexandra Leitão salientou ainda que o Governo “está a fazer um esforço muito sério no sentido de assegurar que este ano seja marcado por uma transferência de verbas para as autarquias, com crescimento na casa dos 9,7%, e que poderá ser reforçado”.

“É também com este aumento das transferências do Estado para as autarquias que uma coisa muito importante vai ser acautelada – a necessidade de muitas autarquias têm de redimensionar, em alta, os seus serviços para poderem fazer face às competências que recebem”, sublinhou.

Segundo a ministra, além das verbas que são transferidas no quadro da própria descentralização, “este aumento das transferências para as autarquias que está já hoje na proposta de lei do Orçamento é muito importante”.

Os efeitos do mau tempo em dezembro de 2019 provocaram três mortos e deixaram 144 pessoas desalojadas e outras 352 deslocadas por precaução, registando-se mais de 11.600 ocorrências, na maioria inundações e quedas de árvores.

O mau tempo, provocado pela depressão Elsa, entre os dias 18 e 20 de dezembro de 2019, a que se juntou no dia 21 a depressão Fabien, provocou também condicionamentos na circulação rodoviária e ferroviária, bem como danos na rede elétrica, afetando a distribuição de energia a milhares de pessoas, em especial na região Centro.

Ler mais
Recomendadas

Próximo relatório global sobre alterações climáticas começa a ser escrito em Faro

Os especialistas do Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas da ONU, estão reunidos em Faro, até sábado, para avançar na elaboração do sexto relatório ambiental que deverá ser publicado entre 2021 e 2022.

Quer combater o aquecimento global? Plante uma árvore

Um estudo publicado na revista Science, que refere que a forma mais eficaz de lutar contra as alterações climáticas está na reflorestação, insta a que se plantem muitas árvores. Cerca de 1,2 biliões seria um bom número, mas a Tree-Nation garante que seis por mês ajudam a compensar a pegada de carbono num ano.

Cheias no Mondego: Ambiente estranha declarações do presidente da CAP sobre cheias no Mondego

Presidente da CAP disse que se não chover mais, vai faltar água no Mondego no próximo verão. Ministério liderado por João Pedro Matos Fernandes reage, dizendo que baixo caudal é intencional para garantir a segurança das pessoas.
Comentários