Regime excecional para pagamento de rendas do comércio até 2022 entra hoje em vigor

A medida prevê que os montantes de rendas vencidos durante o ano de 2020 possam ser pagos apenas a partir de janeiro de 2021 em 24 mensalidades. Institui ainda a hipótese de os senhorios cujos arrendatários não pagarem rendas solicitarem a concessão “de uma linha de crédito com custos reduzidos”.

O regime das moratórias de arrendamento urbano não habitacional, nomeadamente os espaços comerciais, que permite o pagamento das rendas vencidas em 24 prestações sucessivas e que contempla ainda uma linha de crédito para os senhorios, entra em vigor esta sexta-feira.

O diploma, aprovado em julho no Parlamento e publicado esta quinta-feira em Diário da República, alarga até ao terceiro mês subsequente em que ocorra o levantamento da imposição do encerramento das suas instalações ou da suspensão da respetiva atividade, permitindo que os montantes de rendas vencidos durante o ano de 2020 possam ser pagos apenas a partir de janeiro de 2021 e até dezembro de 2022, em 24 mensalidades.

Os senhorios e inquilinos passam ainda a dispor de um um mecanismo negocial formal, no âmbito dos denominados “regimes mais favoráveis” em que podem chegar a um melhor entendimento, “nomeadamente acordos de perdão de dívida ou acordos de diferimento no pagamento de rendas mais benéficos para o arrendatário”.

Institui ainda a possibilidade de os senhorios cujos arrendatários não paguem as rendas solicitarem a concessão “de uma linha de crédito com custos reduzidos, a regulamentar”, a fim de suportar “a diferença entre o valor da renda mensal devida e o valor resultante da aplicação ao rendimento mensal ou à faturação mensal do senhorio, de uma taxa de esforço máxima de 35 %, cuja demonstração é efetuada nos termos da portaria a aprovar pelo membro do governo responsável pela área da economia”.

Recomendadas

Portugal poderia ter arrecadado mais 415 milhões de euros em IVA

Em 2018, o chamado ‘gap’ do IVA, a diferença entre o valor que deveria render e o efetivamente cobrado, atingiu 2,3% da receita deste imposto, segundo os dados mais recentes divulgados hoje pelo INE. A não cobrança deste valor prende-se com vários fatores como fenómenos de evasão fiscal, variações nos prazos de pagamento, de reembolso e de recuperação de dívidas ao IVA, entre outros.

Governo simplifica emissão de comprovativos do exercício de atividade profissional

A medida Simplex permite a emissão dos certificados necessários para quem pretenda ir trabalhar para um dos 27 Estados-membros da União Europeia, através de uma Mera Comunicação Prévia (MCP), no portal ePortugal (Balcão do Empreendedor).

“Temos de simplificar o peso regulatório no mercado de capitais”, diz Siza Vieira

“É muito importante adaptarmos as regras do nosso mercado e capacitarmos as nossas empresas”, disse Pedro Siza Vieira num dos eventos relativos aos 30 anos da CMVM. “A importância desta reforma traduz-se no investimento muito significativo que teremos que fazer no desenvolvimento do mercado nos próximos anos”, vincou.
Comentários