Regiostars 2020. Projeto português entre finalistas aos prémios da Comissão Europeia

Do lixo aos produtos de valor acrescentado através da inovação e em defesa da economia circular. Dar uma segunda vida ao lixo industrial que se acumula é a missão da startup desenvolvida na Universidade do Minho. A Fibernamics Green está entre os finalistas aos prémios Regiostars 2020.

A startup portuguesa Fibernamics Green está entre os 25 finalistas aos prémios Regiostars 2020 da Comissão Europeia, na categoria “Crescimento Sustentável: economia circular para uma Europa Verde”, foi esta segunda-feira revelado.

A iniciativa, que começou em 2016, na Universidade do Minho, tem como missão dar uma segunda vida aos resíduos industriais que a União Europeia produz anualmente e que são considerados lixo como forma de impulsionar a economia circular em Portugal.

Ao Jornal Económico, Raul Fangueiro, professor da Universidade do Minho e coordenador da Fibernamics Green, explica que o projeto surgiu numa altura “em que se sentiu uma uma necessidade de se criar uma plataforma que interligasse diversos agentes que pudessem dar uma resposta à não-valorização de resíduos industriais”.

“Aquilo que verificámos na altura, e continuamos a verificar é que muitos dos residuos indutriais não têm uma valorização enquanto novo material que pode dar origem a um novo pprduto inovador”, acrescentou.

Raul Fangueiro, Professor da Universidade do Minho e Coordenador da Fibrenamics Green.

Identificada a oportunidade, o projeto recebeu um financiamento de cerca de 600 mil euros por parte da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) e com a ajuda de 20 investigadores, mais de 100 agentes empresariais parceiros e um Green Think Tank composto por 80 designers e arquitetos, nasceu um projeto que visa converter lixo em produtos de elevado valor acrescentado.

Para que esta missão seja cumprida, a equipa da Universidade do Minho recolhe resíduos vindos de quatro tipos diferentes de indústrias: resíduos fibrosos, do têxtil e calçado; resíduos minerais, da indústria mineira; resíduos plásticos do automóvel e do calçado; e resíduos de madeira, da indústria do mobiliário.

“No inicio começamos por trabalhar nesses, mas claro que agora já incorporamos outros tipos de resíduos como os de construção, demolição, pneus, cortiça”, refere, acrescentando que a plataforma é “elástica” e que por isso vai abrindo portas à incorporação de outros resíduos.

“Daí resultam as coisas mais díspares como candeeiros, mobiliário, calçado, revestimentos de paredes, revestimentos para chão, portas — enfim,” enumerou o responsável ao JE. “Surgem uma série de ideias que depois são avaliadas em termos de exequibilidade técnica, grau de inovação e a forma como se valoriza o resíduo”.

Recomendadas

Zero pede suspensão de novas centrais de biomassa

A associação pede que “qualquer intenção de instalação de novas centrais de biomassa seja de imediato suspensa”, defendendo que primeiro tem que se avaliado de forma séria “qual o potencial de biomassa florestal residual existente” e o que é que é atualmente utilizado por diferentes setores da indústria.

“Descartável voltou a invadir as nossas vidas”, lamenta ministro do Ambiente

“O descartável voltou a invadir as nossas vidas”, apontou o ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, que participava, esta tarde, num debate no âmbito do Visão Fest Verde, juntamente com o deputado do Bloco de Esquerda (BE) José Manuel Pureza e o advogado e antigo secretário de Estado do Ambiente José Eduardo Martins.

Nova política agrícola comum “alimenta a destruição ecológica”, acusa Greta Thunberg

“Onze meses após o Parlamento Europeu declarar o estado de emergência climática, o mesmo parlamento votou numa política agrícola que – em suma – alimenta a destruição ecológica com quase 400 mil milhões de euros”, acusou Greta Thunberg, numa mensagem assinada também pelos ativistas ambientais Luisa Neubauer, Adélaïde Charlier, Camille Etienne e Anuna van der Heyden.
Comentários