Regressar

Pequeno, na ponta mais Ocidental da Europa, tendo como vizinha a enorme Espanha, Portugal foi sempre um país maior que as suas fronteiras.

A nossa História faz-se com a migração e a relação com a nossa Diáspora. Todos os avanços económicos, sociais e culturais devemo-los a eses dois vectores, cuja conciliação nos granjearam o reconhecimento dos nossos parceiros internacionais .

Nos últimos cem anos, Portugal experimentou três grandes movimentos emigratórios e um enorme retorno.

O primeiro movimento ocorreu nos anos 40 do Século passado. A Segunda Grande Guerra acabara e embora Portugal não tivesse participado dirrectamente, tinha-lhe sentido os efeitos económicos devido à sa localização geográfica. Era pois um país exaurido, com uma população maioritariamente vivendo num interior esquecido, pobre e sem esperança.

Os que então partiram fugiam da fome que grassava e dum futuro que se lhes negava. Na sua esmagadora maioria, analfabetos e sem qualificações, procuravam países cuja língua, a cultura e  a História fossem muito semelhantes à que deixavam. Rumaram às colónias, ao Brasil mas também à Argentina e Venezuela. Os portugueses dos arquipélagos,pelos contactos que tinham com os barcos vindos dos Estados Unidos  e do Canadá, aventuraram-se a procurar o sonho americano.

Os anos sessenta assistiram a nova leva de gente partindo.

A Guerra Colonial e a ditadura obrigaram milhares de jovens a passar “ a salto” para a França e a Alemanha. Muito embora continuassem a ser na sua maioria jovens vindos do interior e ileterados, a tipologia destes novos migrantes mudara. Existia já uma certa, chamemos-lhe “ elite  intelectual” que por razões políticas partia rumo a uma Europa que crescia às nossas portas e nos fazia conscientes da nossa pequenez e atraso. Durante mais duma década Portugal despediu-se de homens que “lavrassem o pão” e que  cantassem a liberdade.

A Revolução de Abril trouxe consigo a descolonização e arrastou meio milhão de  refugiados de África. A sua maioria não era “ retornado” pois que nunca tinha vivido na “metrópole” e todos eles fugiam da realidade que tinham conhecido e que fora a sua vida até ao momento. Eram pois refugiados.

Num ano o País soube reinstalar e integrar estas pessoas.

O papel do IARN com todos os defeitos que lhe possamos apontar, foi hérculeo nesse processo e a resposta portuguesa naqueles dias de angústia para tantos homens mulhees e crianças sem chão, foi heróica. Não apenas a título estatal mas ao nivel da cidadania, das pessoas, da solidariedade. Evidentemente que foi também um tempo de crispação , de desconfiança mas foi simutaneamente uma época  de acolhimento e o resultado foi que em menos duma década, Portugal evoluiu economica, social e culturalmente o que não tinha evoluido nas quase cinco em que permanecera fechado a novos ventos e novas ideias. Fruto da liberdade e da revolução_? Sim sem dúvida. Mas também do esforço dos que tinham vivido com horizontes bem mais alargados e que conheciam um Mundo de várias cores.

Já neste século e após termos passado de País de emigração a pais de acolhimento e destino imigratório, eis que os nossos jovens mais bem qualificados , preparados, são “ convidados” a emigrar . E fizeram-no . Não sem lágrimas nem ressentimentos contra um país que lhes negava a possibilidade de viverem diganmente na sua terra, mas fizeram-no.

Neste momento Portugal precisa urgentemente do retorno destes jovens e o governo tem vindo a empenhar-se fortemente em programas de atracção por forma a possibilitar que estes jovens  altamente qualificados , retornem ao seu país, o país que investiu na sua formação mas não os soube reter.

Não se trata de tarefa fácil! Enquanto nas duas levas anteriores os que partiam faziam-no com  a firme intenção de voltar um dia por mais tarde que fosse, sentido-se sempre emigrantes de facto, a geração 2000 é a geração que olha  a Europa como a sua casa e como tal já não tem tão forte o sentimento de “ estranho numa terra estranha”. São os jovens dos programas Erasmus, dos voos low cost, dos contactos via Skype e Watshapp ,da cultura universal da internet,  multilingues.

Mas são os nossos jovens. Os que queremos connosco , os que precisamos não apenas afectivamente mas por razões demográficas e económicas. São a geração mais bem preparada de sempre e continuam a sair rumo a outros países onde são recebidos com as perspetivas que lhes não damos .

Programas como o REGRESSAR que propõe a redução do IRS nos quatro anos a seguir ao seu retorno, são optimas ideias . Mas pouco exploradas, pouco conhecidas e que levantam inúmeras questões. Desde logo a que se impõe: que actece a quem regressa mas acaba por não ficar , seja por falta de oportunidades ou seja por vontade própria, antes que se cumpram os quatro anos?

E será suficiente uma redução de impostos, por mais benéfica que seja, para atrair quem saiu?

Serão suficienes os Gabinetes de Apoio ao Emigrante espalhados já um pouco popr todo o país?

Não creio. Há que completar estes programas com outras medidas envolvendo outros sectores do governo e do tecido empresarial.

Incentivos – reais!!!- à natalidade, com aumento do tempo de licença parental sem perda de vencimento; com alargamento da rede de apoio à primeira infância; com abonos – reais!!!- de familia; com apoio ao arrendamento e à aquisição bonificada de habitação própria, são algumas das medidas que compete ao Estado implementar .

Mas a denominada “ sociedade civil” não pode deixar de se envolver sobretudo no que concerne à empregabilidade . Temos dos jovens mais bem preparados e qualificados da Europa. Investir na sua capacidade e no seu conhecimento através  da oferta de salários competitivos com os praticados noutros países, proporcionar mobilidade por mérito nas carreiras são incentivos que reverterãopositivamente e em pouco tempo a nossa economia.

Recomendadas

Seguros inteligentes: proteção na era digital

O InsurTech, ou a integração dos conceitos tecnológicos que estão a transformar o setor segurador, é essencial para conhecer necessidades e preferências em rápida mudança e elevar a experiência digital.

O maior defeito

O debate dos Tories expôs o maior defeito da política contemporânea: a quase total impossibilidade de se olhar para a realidade e ser honesto com os eleitores, e a consequente dificuldade em confrontar os problemas que afetam as nossas sociedades.

Desigualdade de género: mudar a história

A lei da igualdade salarial, que entrou recentemente em vigor, é interessante no sentido em que admite este como um problema a ser combatido. Não podemos ignorar a história, mas podemos mudá-la.
Comentários