Reino Unido pede resposta do Conselho de Segurança da ONU devido a “ações desestabilizadoras do Irão”

O governo de Boris Johnson escreveu à ONU, juntamente com a Roménia e a Libéria, países implicados na questão petroleiro recentemente atacado, sobre “a falta de respeito pelo direito internacional” de Teerão.

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido, Dominic Raab, disse esta quarta-feira que o seu país escreveu ao Conselho de Segurança da ONU, juntamente com a Roménia (país de origem de um dos dois mortos envolvidos no ataque recente a um petroleiro israelita) e a Libéria (dono das águas territoriais onde o ataque aconteceu), para insistir que fossem tomadas medidas contra o Irão.

“O Reino Unido escreveu ao presidente do Conselho de Segurança da ONU, TS Tirumurti, ao lado da Roménia e da Libéria, para se queixar do ataque do Irão à MV Mercer Street” (empresa detentora do navio), disse Raab no Twitter. “O Conselho deve responder às ações desestabilizadoras do Irão e à falta de respeito daquele país pelo direito internacional.”

Entretanto, os ministros israelitas da Defesa, Benny Gantz, e dos Negócios Estrangeiros, Yair Lapid, realizaram um briefing com representantes do Conselho de Segurança da ONU durante o qual apresentaram informações secretas que mostram a responsabilidade do Irão pelo ataque.

Os Estados Unidos, o Reino Unido e Israel culparam o Irão pelo ataque ao navio, administrado por uma empresa de propriedade do bilionário israelita Eyal Ofer. O primeiro-ministro israelita, Naftali Bennett, emitiu um alerta ao Irão esta terça-feira, dizendo que Teerão vai pagar o preço pelo ataque ao navio.

“Estamos a trabalhar para aliar o mundo inteiro, mas quando chegar a hora, sabemos como agir sozinhos”, disse. “O Irão sabe o preço que cobraremos quando alguém ameaça a nossa segurança”.

Esta quarta-feira, a marinha britânica disse que sequestradores que embarcaram num navio na costa dos Emirados Árabes Unidos, no Golfo de Omã, deixaram o navio. O aviso veio depois de o Corpo de Operações de Comércio Marítimo do Reino Unido do exército britânico terem alertado sobre um “potencial sequestro” sob circunstâncias obscuras ocorrido na noite anterior. Não foram fornecidos detalhes sobre o sucedido, mas o Reino Unido deu o incidente por esclarecido e encerrado.

Na noite de terça-feira, pelo menos seis navios ao largo da costa dos Emirados Árabes Unidos transmitiram avisos de que haviam perdido o controlo da sua direção em circunstâncias pouco claras.

Aparentemente respondendo ao incidente, a agência de notícias estatal iraniana IRNA citou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Saeed Khatibzadeh, que considerou os recentes ataques marítimos na região “completamente suspeitos” e negou qualquer envolvimento do Irão.

Recomendadas

ONU disponibiliza 38,5 milhões de euros para apoiar sistema de saúde no Afeganistão

A ONU vai disponibilizar 45 milhões de dólares (38,5 milhões de euros) em ajuda emergencial para apoiar o sistema de saúde no Afeganistão, disse esta quarta-feira Martin Griffiths, secretário-geral adjunto das Nações Unidas para Assuntos Humanitários.

Jovens entre 18 e 20 anos podem candidatar-se a 60 mil passes de interrail gratuitos

Os candidatos que ganhem um bilhete podem viajar durante 30 dias, entre março de 2022 e fevereiro de 2023, sendo que por ainda se desconhecer a evolução da pandemia, as reservas são flexíveis.

Bruxelas acusa Biden de “falta de lealdade e transparência” e exige explicações do pacto entre EUA, Austrália e Reino Unido

Charles Michel e von der Leyen consideram que existem “muitas perguntas por responder” depois de Joe Biden ter anunciado uma aliança entre a Austrália e o Reino Unido, tendo desfeito um acordo prévio entre a Austrália e a França sobre compra de submarinos. “Um dos nossos Estados-membros foi tratado de forma inaceitável, por isso queremos saber o que aconteceu e porquê”, frisou a presidente da Comissão Europeia.
Comentários