Reino Unido dá luz verde para viagens à Madeira e Açores, mas mantém quarentena no regresso

“Estes países foram avaliados como não apresentando mais um risco inaceitavelmente alto para os britânicos que viajam para o estrangeiro”, refere o comunicado do Ministério, aludindo que os critérios incluem considerações sobre a saúde pública.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico deixou de desaconselhar as viagens para a Madeira e Açores, juntamente com uma série de outros países, mas continua a advertir contra as visitas a Portugal continental.

“Estes países foram avaliados como não apresentando mais um risco inaceitavelmente alto para os britânicos que viajam para o estrangeiro”, refere o comunicado do Ministério, aludindo que os critérios incluem considerações sobre a saúde pública.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico mantinha desde meados de março um conselho contra “todas as viagens não essenciais em todo o mundo” devido à crise causada pelo novo coronavírus, embora continuem a circular aviões entre Portugal e o Reino Unido com serviços reduzidos.

Porém, hoje alterou este conselho para 33 países europeus, como Espanha, Alemanha, Bélgica ou Turquia, vários territórios ultramarinos britânicos e outros países como Austrália, Japão, Nova Zelândia ou Coreia do Sul.

A partir de 04 de julho, o conselho do Ministério contra todas as viagens internacionais não essenciais deixa de se aplicar à Madeira e Açores tendo em conta a avaliação atual dos riscos de infeção com o coronavírus.

Na Área Metropolitana de Lisboa têm surgido novos casos, principalmente nos concelhos de Sintra, Amadora, Loures, Odivelas e Lisboa, o que levou o Governo português a aplicar medidas específicas, sobretudo para 19 freguesias, onde continua a vigorar o estado de calamidade, enquanto a maior parte do território nacional passou a estado de alerta.

O conselho de viagem ao estrangeiro do Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico é importante para efeitos de cobertura de seguro de viagem.

Esta lista coincide com a publicação de uma outra lista de 59 países e territórios isentos de cumprir quarentena na chegada ao Reino Unido emitida pelo ministério dos Transportes, da qual Portugal foi excluído, incluindo Açores e Madeira.

O sistema de “corredores de viagem” vai entrar em vigor na próxima sexta-feira 10 de julho e permite evitar que quem chegue destes países tenha de ficar 14 dias em isolamento, como acontece atualmente a todas as pessoas que chegam do estrangeiro, ou arriscam uma multa de mil libras (1.100 euros).

“Esta lista poderá ser aumentada nos próximos dias, após discussões adicionais entre o Reino Unido e parceiros internacionais”, refere a página na Internet do Ministério dos Transportes britânico.

Mesmo assim, todas as pessoas que chegam ao Reino Unido têm de preencher um formulário com os contactos pessoais e informações sobre o local onde vão ficar alojadas.

A lista de países foi elaborada após uma “avaliação de risco” pelo Centro de Biossegurança Comum [Joint Biosecurity Center], em conjunto com a direção geral da saúde de Inglaterra [Pubic Health England] e teve em conta fatores como a prevalência de coronavírus, o número de novos casos e a trajetória potencial da doença.

O anúncio feito hoje aplica-se apenas a Inglaterra porque a Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte têm autonomia sobre matéria de saúde e cabe aos respetivos governos determinar as medidas que pretendem introduzir.

Ler mais
Relacionadas

Madeira: Setor do Turismo satisfeito com entrada da Região no corredor turístico do Reino Unido

Nuno Vale revela que a entrada da Madeira neste corredor vai proporcionar às companhias aéreas britânicas “que estavam com algum receio de reatar as rotas para a Região, poderem agora fazê-lo com confiança”.

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, crítica Governo português

Augusto Santos Silva garantiu que as autoridades portuguesas não irão tomar qualquer atitude de reciprocidade em relação aos britânicos que residem em Portugal, mais de 35.000, disse, e que espera que o Reino Unido “corrija uma decisão errada rapidamente”.

“Não merecíamos esta decisão”. Turismo do Algarve considera “injusta” exclusão de Portugal

O presidente da Região do Turismo de Algarve considera que Portugal está a ser penalizado por realizar mais testes que a maioria dos outros países. “Não merecíamos este tipo de decisão”, afirmou.

Respostas Rápidas: Que critérios foram seguidos pelo Governo inglês para excluir Portugal?

Portugal foi excluído dos “corredores de viagem internacionais” com destinos turísticos que o Reino Unido vai abrir para permitir aos britânicos passarem férias sem cumprir quarentena no regresso. O que implica esta decisão?
Ricardo Baptista Leite

“Qual é a lógica desta decisão ridícula?”. Deputado do PSD questiona Piers Morgan sobre exclusão de Portugal da lista inglesa

O deputado do PSD pediu ainda para comparar os números de França, Holanda, Bélgica e Portugal e garantiu que Portugal acolherá sempre os britânicos

Oficial: Portugal continental excluído da lista de países considerados seguros pela Inglaterra. Açores e Madeira com ‘luz verde’

A decisão foi tomada esta sexta-feira e significa que a partir do dia 10 de julho, os passageiros que visitem locais de baixo risco, poderão regressar ao país sem necessidade de auto-isolamento. Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte ainda vão decidir que países vão excluir.
Recomendadas

Holandesa Heineken renova patrocínio com a Liga Europa até 2024

A marca de cerveja holandesa fechou o acordo com a UEFA, tornando-se no principal patrocínio das três competições oficiais da UEFA (Liga dos Campeões, Liga Europa e Euro Cup).

Netflix: nova funcionalidade de reprodução de vídeos envolta em controvérsia

Esta função permite colocar o vídeo numa reprodução mais rápida ou mais lenta, mas tem sido bastante controversa no meio. Criadores, diretores e guionistas do setor opuseram-se deste o início a esta forma de visionar o conteúdo, sustentando que esta “distorce” o conteúdo.

Mais de 60% dos portugueses considera televisão “indispensável” para obter informação sobre Covid-19

Apesar da crescente digitalização, acelerada pela pandemia da Covid-19, “os meios mais tradicionais assumem uma relevância muito grande”, de acordo com um estudo de mercado do Havas Media Group.
Comentários