Reino Unido e Interpol criam plataforma para combater predadores sexuais

“A nossa mensagem para os predadores sexuais que usam este setor para cometer os seus crimes é: “acabou”, disse a ministra britânica do Desenvolvimento Internacional, Penny Mordaunt.

O governo britânico anunciou esta quinta-feira a criação de uma plataforma, em colaboração com a Interpol, para combater os predadores sexuais que aproveitam as organizações de ajuda humanitária para cometer os seus crimes.

Em comunicado, o Departamento de Desenvolvimento Internacional (DFID) explicou que o objetivo é impedir que predadores sexuais passem de uma organização não-governamental (ONG) para outra.

O projeto, que vai funcionar a partr do sistema da Interpol, surge após vários escândalos de violência sexual que afetaram o mundo humanitário, incluindo a ONG Oxfam e a ONU.

“A nossa mensagem para os predadores sexuais que usam este setor para cometer os seus crimes é: “acabou”, disse a ministra do Desenvolvimento Internacional, Penny Mordaunt, citada no comunicado.

“Temos que mostrar às pessoas que estamos aqui para lhes dar a proteção de que precisam”, acrescentou.

A iniciativa, chamada Sotéria, em honra à deusa grega da segurança, irá funcionar em dois centros, um em África e outro na Ásia.

O projeto piloto tem um custo de 10 milhões de libras (11 milhões de euros), dos quais dois milhões são suportados por Londres.

O secretário-geral da Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol), Juergen Stock, sublinhou que vai permitir que que a organização cumpra a sua principal missão de proteger “os membros mais vulneráveis da sociedade”.

A ajuda britânica às ONG inclui o acesso a investigadores especializados.

Ler mais
Recomendadas

Partido de Evo Morales procura candidatos de consenso às presidenciais na Bolívia

O partido do ex-presidente da Bolívia Evo Morales revelou que irá procurar candidatos de consenso para as próximas eleições presidenciais e irá tomar mais tempo a consultar as bases, depois de uma reunião falhada na escolha de potenciais candidatos.

Ucrânia e FMI chegam a acordo para empréstimo de cinco mil milhões de euros

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, anunciou que a organização financeira alcançou um acordo com as autoridades da Ucrânia para um empréstimo de cinco mil milhões de euros em três anos.

Diretor de centro social teme agitação em caso de novo referendo no Reino Unido

O diretor de um centro comunitário na cidade inglesa de Hartlepool, uma das mais pobres do Reino Unido e onde quase 70% dos eleitores votaram ‘Brexit’, teme que um segundo referendo provoque agitação civil no país.
Comentários