Reino Unido gasta quase 800 milhões de euros para reforçar fronteira do Brexit

As empresas de ambos os lados do canal da Mancha deverão acrescentar às dificuldades da pandemia um novo e oneroso esquema administrativo para fomentar as trocas comerciais, conta o jornal espanhol “Expansión”.

O Reino Unido prepara-se para gastar uma soma perto de 800 milhões de euros para reforçar a fronteira do Brexit, adiantou este domingo o chefe de gabinete de Boris Johnson, Michael Gove, de acordo com o jornal espanhol “Expansión”. Downing Street deverá destinar 525 milhões de euros para reforçar as instalações portuárias e levantar novos controlos aduaneiros e ainda avançar com 262 milhões de euros para melhorar os sistemas informáticos e incrementar o pessoal necessários para gerir a nova realidade comercial.

Conta o “Expansíon” que as previsões das autoridades britânicas apontam para um aumento de 500 agentes aduaneiros, apesar das empresas do Reino Unido terem reclamado que esse reforço fosse de mais 50 mil agentes tendo em conta a “avalanche de burocracia que se avizinha”.

A verdade é que o tempo urge. O período de transição tem de estar concluído a 31 de dezembro e o Brexit supõe novos obstáculos burocráticos que deverão dificultar a fluidez das trocas comerciais com o continente europeu. As negociações entre Londres e Bruxelas estiveram paradas durante algumas semanas e só recentemente foi recuperada a negociação num clima de algum pessimismo. De facto, e mesmo num cenário otimista de um acordo entre Reino Unido e Bruxelas que elimine quotas e taxas na futura relação comercial, o dispendioso esquema administrativo deverá colocar problemas às trocas comerciais.

Recomendadas
trump e pence

Organização Trump tem extensa e prolongada conduta criminosa, concluem procuradores

Os advogados do Presidente norte-americano tinham considerado no mês passado que a intimação judicial para a entrega das declarações fiscais tinha sido feita com má-fé e era uma manifestação de assédio a Trump.

França suspende acordo de extradição com Hong Kong seguindo decisão de outros países

“À luz dos últimos desenvolvimentos, a França não procederá à ratificação do acordo de extradição assinado a 04 de maio de 2017 entre a França e a Região Administrativa Especial de Hong Kong”, declarou a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros francês.

Rei emérito Juan Carlos I vai abandonar Espanha

O envolvimento do rei emérito em negócios pouco recomendáveis e a existência de duas fundações suspeitas impedem Juan Carlos de continuar em Espanha. O filho, Filipe VI, já se tinha distanciado de Juan Carlos, na tentativa de conter os estragos provocados à monarquia.
Comentários