Reino Unido já está a pagar a conta e o Brexit ainda nem aconteceu

O plano de saída de Boris Johnson vai ter um custo superior ao pacto alcançado por Theresa May, que foi chumbado por diversas vezes no Parlamento britânico.

Stefan Wermuth / Reuters

Foram muitas votações e alguns anos de discussão em relação ao Brexit. Agora, três anos depois da maioria dos britânicos ter optado por sair da União Europeia em referendo, o Reino Unido já está a pagar a conta de uma saída que ainda nem aconteceu.

O crescimento da economia britânica dos últimos 12 meses foi o mais fraco da década, embora a economia do Reino Unido tenha estado muito próximo de uma recessão, que foi evitada pelo crescimento de julho, mês em que Theresa May se demitiu como primeira-ministra.

Conforme aponta o El Pais, devido aos fracos resultados que foram observados neste último ano, o Banco de Inglaterra cortou as previsões de crescimento para os próximos três anos e alertou ainda para a possibilidade de um aumento das taxas de juro durante a segunda metade do próximo ano.

No entanto, não só é o Banco de Inglaterra que revê em baixa o crescimento económico do país. O Instituto Nacional de Pesquisa Económica e Social argumenta que o Reino Unido perdeu 2,5 pontos do PIB, uma vez que o Brexit foi votado a favor, e que a economia vai observar um crescimento de 3,5% e um PIB per capita de 2,6%. Por sua vez, a organização ‘UK in a Changing Europe’ elevou o crescimento para 7% por habitante, mesmo no seu cenário mais pessimista.

Assim, os dois estudos analisados pela publicação espanhola, revelam que o plano de saída de Boris Johnson vai ter um custo superior ao pacto alcançado por Theresa May, que foi chumbado por diversas vezes no Parlamento britânico.

O crescimento da economia britânica no terceiro trimestre fixou-se em 0,3%, um valor abaixo do que os analistas esperavam. Ainda assim, a economia parece estar a resistir a um Brexit forçado, com a atração de serviços e de um melhoramento no setor da construção, mas que ainda assim a economia contraiu 0,2% em agosto e 0,1% em setembro.

Devido a estas contrações da economia, durante dois meses seguidos, o Banco de Inglaterra reduziu as expectativas de crescimento até 2022. Embora tenha aumentado as expectativas em agosto, com a chegada de um novo primeiro-ministro, o Banco de Inglaterra estima que a economia deverá crescer 1,2% em 2020, em vez dos 1,6%, e 1,8% em 2021, ao contrário dos 2,3% previstos, e 2% em 2022 em vez dos 2,5%.

Ainda assim, o Banco de Inglaterra avança com estes valores tendo em conta um cenário da melhoria da economia global, uma vez que a economia alemã teima em contrair, e que o processo do Brexit avance.

Jonathan Haskel e Michael Saunders, membros do Comité de Política Monetária, que votaram a favor de um corte nas taxas de juros, sustentam que só o fizeram porque acreditam que o mercado de trabalho está em queda. Embora o emprego tenha atingido bons níveis, o número de empregos vagos apresentou uma grande quebra, sendo este um indício para Haskel e Saunders de que o mercado de trabalho terá problemas em breve.

Desde que foi anunciada uma saída da União Europeia que o Reino Unido tem vivido de incertezas económicas e políticas, uma vez que o Parlamento britânico chumbou consecutivamente as propostas alcançadas por Theresa May junto dos líderes europeus

Ler mais
Relacionadas

PremiumNigel Farage – Quando o Brexit vale bem estender uma passadeira vermelha a Boris

O político que mais tem lutado para o Reino Unido sair da União Europeia anunciou que nenhum candidato do seu partido irá apresentar-se nos círculos detidos pelos conservadores. Em troca da ajuda a Boris Johnson espera que o “favor” seja retribuído para ganhar lugares aos trabalhistas nas eleições gerais de 12 de dezembro.

Brexit. Pedidos de estatuto de residência continua a aumentar mas mais de meio milhão ainda não obteve resposta

Só em outubro, 590.300 cidadãos europeus avançaram com um pedido de estatuto de residente no Reino Unido. Segundo os dados do Ministério do Interior, espera-se que todos os 3,4 milhões de cidadãos da UE naquele país peçam o mesmo estatuto até dezembro de 2020.

Os números que contam nas legislativas do Reino Unido a 12 de dezembro

Esta quinta-feira encerra o prazo de inscrição dos candidatos e pelo menos 79 deputados não se vão recandidatar.
Recomendadas

Reino Unido. Recessão de 14% poderá aumentar dívida pública em 400 mil milhões de libras

Numa perspetiva mais pessimista, a recessão poderá variar entre os 12,4% e os 14,3%, enquanto que num cenário mais otimista a queda poderá situar-se nos 10,6% e a dívida em 263 mil milhões de libras.

Estudo: 5,4 milhões de americanos perderam o seguro de saúde entre fevereiro e maio

O estudo da defesa do consumidor das famílias norte-americanas indica que o aumento estimado de desempregados sem seguro durante este período foi superior em quase 40% do que o aumento anterior, que ocorreu durante a recessão de 2008 e 2009.

Comércio entre países lusófonos e a China cai 12% nos primeiros cinco meses do ano

O Brasil continua a ser de longe o país lusófono com o maior volume de trocas comerciais com a China, garantindo mais de 80% dos bens transacionados, seguindo-se Angola, Portugal, Moçambique, Timor-Leste, Cabo Verde, Guiné Bissau e São Tomé e Príncipe.
Comentários