Reintrodução da malária em Portugal é altamente improvável, diz investigador

O investigador Miguel Prudêncio diz que apesar das alterações climáticas favorecerem o aumento de mosquitos transmissores da doença, o serviço de saúde público tem medidas de vigilância adequadas.

Apesar das alterações climáticas favorecem o aumento dos mosquitos transmissores da malária, a reintrodução da malária em Portugal é altamente improvável, diz o investigador Miguel Prudêncio.

“É altamente improvável que haja reintrodução da malária em Portugal” desde que exista um serviço de saúde público e medidas de vigilância adequadas, afirmou o especialista que lidera uma equipa de investigação e desenvolvimento de uma vacina do Instituto de Medicina Molecular.

Apesar de as alterações climáticas poderem “propiciar um aumento dos mosquitos”, o impacto no que diz respeito à reintrodução da malária é relativo porque o sistema de saúde assegura a “contenção dos reservatórios de parasitas” causadores da doença.

Para Miguel Prudêncio, só numa situação de falência dos sistemas de vigilância e saúde o cenário poderia ser diferente, o que não considera realista.

“Acho que as alterações climáticas têm um potencial devastador e nomeadamente para Portugal, que tem uma larga zona costeira, mas não por via do aumento de transmissão da malária”, sublinhou, em declarações à Lusa.

A malária, uma doença provocada por um parasita transmitido pela picada de um mosquito, implica a existência de três vetores para se transmitir: o parasita, o mosquito e o ser humano.

O mosquito transmissor (Anopheles) existe em Portugal, mas para subsistir o parasita exige condições favoráveis ao seu desenvolvimento, o que não acontece se as pessoas infetadas forem tratadas, interrompendo o seu ciclo reprodutivo.

“Num sistema de saúde a funcionar, uma pessoa que tenha o parasita vai ser detetada, diagnosticada e tratada e a zona onde circula vai ser monitorizada para detetar eventuais casos de malária. Por isso, o reservatório de parasitas é destruído antes de se poder expandir”, explica o cientista.

Para ilustrar a sua posição, Miguel Prudêncio aponta dois episódios que poderiam ter facilitado a reintrodução da malária em Portugal, o que não aconteceu.

Lembrou a entrada, em Portugal, de milhares de pessoas oriundas das ex-colónias entre 1974 e 1976, de regiões onde a malária era endémica e potencialmente infetadas com o parasita.

“Tivemos um influxo muito grande de pessoas potencialmente infetadas com o parasita da malária e, mesmo assim, com um sistema de saúde muito mais débil, não se verificou a reintrodução da malária nessa altura”, notou.

Mais recentemente, Grécia e Itália, sofreram surtos de malária localmente transmitida em regiões onde se verificou grande concentração de migrantes, mas estes foram imediatamente debelados: “teria de haver uma falência absoluta do sistema de saúde para que isto não fosse contido”, diz o investigador.

O último caso de malária contraída em Portugal registou-se em 1959. A doença foi erradicada graças a pulverizações com inseticida, fármacos antimaláricos e ações de sensibilização, mas permanece em vastas regiões de África, Ásia e América Latina.

Estima-se que cerca de 200 milhões de pessoas estejam exposta à doença e anualmente, cerca de 500 mil morrem, sobretudo crianças com menos de cinco anos.

Além do desenvolvimento de uma vacina, parte do investimento na luta contra a doença tem sido direcionado para medidas preventivas, como as redes mosquiteiras, o que ajudou a controlar a malária em alguns países de África, como São Tomé e Príncipe ou Cabo Verde.

No entanto, é difícil fazê-lo em todo o continente.

“Fazer isto em larga escala é muito complicado do ponto de vista económico, logístico” e até “por especificidades culturais” que tornam uma campanha de erradicação com recursos a inseticidas e redes mosquiteiras impraticável, adiantou o especialista.

A distribuição destes equipamentos é dificultada pelas más acessibilidades em muitas regiões e as redes mosquiteiras nem sempre são usadas da melhor forma. Algumas acabam até por servir para pescar.

Além disso, acrescenta, Miguel Prudêncio, é mais fácil ter sucesso em regiões pequenas e delimitadas fisicamente como as ilhas, que acabam também por beneficiar dos estudos e da presença de cientistas, obtendo ganhos na melhoria da saúde das populações.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/gastos-com-saude/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”236″ slug=”gastos-com-saude” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/gastos-com-saude/thumbnail?version=1562151042894&locale=pt-PT&publisher=www.jornaleconomico.sapo.pt” mce-placeholder=”1″]

Ler mais
Recomendadas

UTAD dá primeiro passo para o curso de Medicina

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro assinou um protocolo com o Centro Hospitalar para a criação de um Centro Académico Clínico. Na forja está o curso de Medicina. O ministro do Ensino Superior garante apoio ao projeto.

Covid-19: Açores sobem para 304 casos ativos com 40 novas infeções em São Miguel

Os Açores contam hoje 304 casos ativos, depois de terem sido diagnosticados 40 novos casos de covid-19, todos em São Miguel, e de não se registarem recuperações, adianta a Autoridade de Saúde Regional.

Premium“Pandemia estimulou inovação de todo o sector da saúde”

Sónia Ferreira Santos, responsável pela área de saúde na Accenture Portugal, explica ao JE como a pandemia acelerou a inovação no sector. Novas formas de acompanhamento do doente vieram para ficar. Estratégias das organizações de saúde vão mudar.
Comentários