PremiumReitor da Universidade de Aveiro: “É necessário alinhar qualificações com necessidades do mercado”

Universidade de Aveiro está na linha da frente dos projetos que dão vida às primeiras instituições de ensino superior de matriz europeia.

Junta 12 instituições de ensino superior de outros tantos países e é uma das primeiras Universidades Europeias reconhecida, aprovada e financiada pela União Europeia. O reitor da Universidade de Aveiro,  Paulo Jorge Ferreira, um dos seus impulsionadores, defende que é mais do que um projeto ou um consórcio e explica porquê.

O distingue a Universidade ECIU dos restantes projetos que obtiveram financiamento nas ‘calls’ lançadas por Bruxelas?
Na primeira ronda foram aprovadas 17, incluindo a Universidade ECIU. O número cresceu para 41 com as que foram aprovadas na segunda ronda. A Universidade ECIU acrescenta ao clássico arsenal de cursos e diplomas a micro-credenciação e carteira de competências; introduz aprendizagem baseada em desafios, recolhidos junto das empresas e da sociedade em geral; aspira a ter impacto direto nos desafios do desenvolvimento sustentável, e, em particular, no desenvolvimento de cidades e comunidades mais resilientes e sustentáveis; e é universal, porque a sua área de atuação não é a engenharia, ou a saúde, as artes ou as humanidades, ou qualquer outra área do conhecimento.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

“O Estado de Direito precisa como nunca de juristas fiéis aos seus valores tradicionais”

Ética, globalização e digitalização são três os grandes desafios que o ensino do Direito enfrenta neste momento, diz Jorge Pereira da Silva, Diretor da Escola de Lisboa da Faculdade de Direito da UCP.

Direito e Gestão. Católica Porto tem dupla licenciatura única no país

Depois de cinco anos chegaram ao mercado os primeiros estudantes a obter simultaneamente duas licenciaturas – em Direito e Gestão.

PremiumFuturo da formação vai passar mais pelas empresas

Oradores da conferência promovida pelo JE e pela Multipessoal dizem que a pandemia acelerou tendências. A formação contínua é obrigatória e as empresas vão ter de oferecer mais para cativarem talento da nova geração.
Comentários