Reitores consideram que “atividade letiva e avaliações devem continuar para já presenciais”

Segundo o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, o risco de contágio de Covid-19 nas comunidades académicas pode considerar-se “controlado”, devido às medidas de contenção tomadas ao longo de 2020.

O Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) defendeu esta terça-feira, 12 de janeiro, a continuidade das avaliações presenciais. “Considerando o nível de risco existente nas Universidades, a forma como estas instituições têm combatido e lidado com o risco pandémico, bem como a importância de se manterem as avaliações presenciais, incluindo em áreas em que a presencialidade é indispensável, o CRUP considera que a atividade letiva e avaliativa deva continuar para já presencial”.

Em comunicado enviado às redações, as Universidades que integram o CRUP consideram que o risco de contágio Covid-19 nas suas comunidades académicas está “controlado”. Por outro lado, acrescentam, nesta altura do ano, a atividade letiva presencial nas Universidades é “já residual”, uma vez que os estudantes estão a entrar em período de avaliações. “Esta é uma fase crítica do seu percurso académico, mas em que o risco de contágio não é, de forma alguma, superior”, afirmam.

As instituições justificam este controlo com as medidas de contenção que tomaram ao longo de 2020 e à forma como conseguiram compatibilizar funcionamento presencial e segurança nas nas  comunidades”.

Dizem ainda que o grau de preparação das Instituições de Ensino Superior face à pandemia tem provado ser fundamentadamente distinto do que se regista noutros setores da sociedade.

O CRUP, presidido por António Sousa Pereira, reitor da Universidade do Porto, diz que continuará a seguir de perto a situação e manifesta “total disponibilidade” para ajustar as medidas que preconiza em função do que a situação vier a exigir.

Recomendadas

Associação sindical pede ao Governo que ensino passe a funcionar em regime não presencial

Associação Sindical de Professores Licenciados defende que durante o confinamento geral do país, as escolas se mantenham abertas apenas para os alunos cujos pais pertencem a serviços essenciais ou para quem não têm condições para continuar o ensino em casa.

Professores “não são profissão de risco acrescido”, sublinha Graça Freitas

“Independentemente de serem trabalhadores em escolas, são pessoas com determinado grupo etário e determinados fatores de risco”, sustentou Graça Freitas.

“Interrupção do ensino presencial teve um custo”. Primeiro-ministro defende manutenção das escolas abertas

“Até aos 12 anos o risco é diminuto de acordo com as opiniões do Conselho Científico. Sabemos que o número de casos foi diminuto no primeiro período e que nenhum foco teve início numa escola”, defendeu o governante.
Comentários