Renováveis garantiram 57% do consumo de eletricidade em 2016

O consumo de eletricidade atingiu em 2016 o valor mais elevado dos últimos cinco anos, segundo dados da REN – Redes Energéticas Nacionais.

As renováveis foram responsáveis por cerca de 57% do consumo de eletricidade em 2016 e ainda houve exportações. A energia hídrica foi a principal fonte de geração de eletricidade, tendo a produtibilidade hidroelétrica atingido mesmo o segundo valor mais elevado de sempre desde que há registos (1971), isto apesar do final do ano muito seco. A produção renovável distribuiu-se entre energia hidráulica (28%), eólica (22%), biomassa (5%) e fotovoltaica (1,4%).

Já a produção não renovável abasteceu 43% do consumo, repartida entre carvão e gás natural. Quanto às exportações, no total de 2016, foi exportado o equivalente a 10% do consumo nacional. No gás natural, no ano passado, o consumo cresceu 6,9%, tendo atingido o valor mais elevado desde 2011. O recorde no consumo de gás natural foi registado em 2010.

Esta tendência deu-se num ano em que foi batido o recorde de consumo dos últimos cinco anos. O consumo registou uma subida anual de 0,6%, crescimento que baixa para mais 0,4%, com correção de temperatura e dias úteis. Apesar deste aumento, 2010 mantém-se como o ano em que foram atingidos valores recorde.

Já apenas quanto a dezembro de 2016, o consumo de energia elétrica aumentou 3,3%, isto face ao mesmo mês do ano anterior, valor que, tendo em conta os efeitos de temperatura e número de dias úteis, registou um ligeiro decréscimo (-0,1%). Apenas em dezembro de 2016, o consumo de gás natural cresceu 28% face ao mesmo mês de 2015.

Recomendadas

Região do Alentejo espera aumentar produção de vinho até 10% este ano

Segundo as previsões da Universidade do Porto, a região vitivinícola do Alentejo estima aumentar a produção para 120 milhões de litros de vinho, contra os 113 milhões de litros produzidos no ano passado, o que já representou uma subida de 15% face a 2019.

Associações deixam comissão sobre estratégia dos cereais e culpam Governo

Em causa está a “evidente falta de compromisso” do Ministério da Agricultura em aplicar esta estratégia, sobretudo, após ter remetido às confederações um documento relativo às decisões sobre os pagamentos diretos 2022 da Política Agrícola Comum (PAC).

‘Handling’ é de interesse público mas não significa salvaguardar acionista da Groundforce, diz Siza Vieira (com áudio)

Questionado sobre se o setor do turismo e hotelaria pode estar confiante de que não acontecerão novas paralisações, o ministro da Economia disse julgar que “estão criadas as condições para que isso não suceda”.
Comentários