Renováveis garantiram 57% do consumo de eletricidade em 2016

O consumo de eletricidade atingiu em 2016 o valor mais elevado dos últimos cinco anos, segundo dados da REN – Redes Energéticas Nacionais.

As renováveis foram responsáveis por cerca de 57% do consumo de eletricidade em 2016 e ainda houve exportações. A energia hídrica foi a principal fonte de geração de eletricidade, tendo a produtibilidade hidroelétrica atingido mesmo o segundo valor mais elevado de sempre desde que há registos (1971), isto apesar do final do ano muito seco. A produção renovável distribuiu-se entre energia hidráulica (28%), eólica (22%), biomassa (5%) e fotovoltaica (1,4%).

Já a produção não renovável abasteceu 43% do consumo, repartida entre carvão e gás natural. Quanto às exportações, no total de 2016, foi exportado o equivalente a 10% do consumo nacional. No gás natural, no ano passado, o consumo cresceu 6,9%, tendo atingido o valor mais elevado desde 2011. O recorde no consumo de gás natural foi registado em 2010.

Esta tendência deu-se num ano em que foi batido o recorde de consumo dos últimos cinco anos. O consumo registou uma subida anual de 0,6%, crescimento que baixa para mais 0,4%, com correção de temperatura e dias úteis. Apesar deste aumento, 2010 mantém-se como o ano em que foram atingidos valores recorde.

Já apenas quanto a dezembro de 2016, o consumo de energia elétrica aumentou 3,3%, isto face ao mesmo mês do ano anterior, valor que, tendo em conta os efeitos de temperatura e número de dias úteis, registou um ligeiro decréscimo (-0,1%). Apenas em dezembro de 2016, o consumo de gás natural cresceu 28% face ao mesmo mês de 2015.

Recomendadas

Carga fiscal em Portugal subiu para 35,4% do PIB em 2018

A carga fiscal em Portugal subiu dos 34,3% do PIB em 2017 para os 35,4% em 2018, o valor mais elevado desde 2000, acima da média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Metade das rendas do programa de rendas acessíveis estão abaixo dos 500 euros

O Governo espera dentro de dois anos que 20% dos contratos de arrendamento firmados serão feitos no âmbito do PAA. A maioria dos contratos estão a ser assinados em Lisboa, diz a tutela.

Portugal cresce acima da zona euro que estabilizou no terceiro trimestre

A contribuir para esta evolução esteve o aumento de 0,5% do consumo das famílias na zona euro e na União Europeia a 28, enquanto o investimento avançou 0,3%, uma queda abrupta após ter aumentado 5,7% na zona euro e 4,3% na UE28 no trimestre anterior.
Comentários