Reserva Federal admite reduzir a compra de dívida em novembro e acabar em 2022

A discussão foi revelada com a publicação hoje das minutas da reunião do comité de política monetária da Fed (FOMC, na sigla em Inglês) realizada em 21 e 22 de setembro.  

4 – Estados Unidos

Os dirigentes da Reserva Federal (Fed) concordaram na sua última reunião que, se a economia norte-americana continuar a melhorar, podem começar a reduzir o programa de compras mensais de títulos de dívida em novembro e encerrá-lo em meados de 2022.

A discussão foi revelada com a publicação está quarta-feira das minutas da reunião do comité de política monetária da Fed (FOMC, na sigla em Inglês) realizada em 21 e 22 de setembro.

“Os participantes avaliaram de forma geral que a recuperação económica continua, (pelo que) um processo gradual de redução (dos apoios) que acabe em meados do próximo ano deveria ser apropriado”, segundo o texto disponibilizado.

No final de dezembro, a Fed anunciou que iria comprar 120 mil milhões de dólares (104 mil milhões de euros) por mês em títulos de dívida, até que a economia apresentasse sinais de “progresso substancial” na direção dos seus objetivos, de pleno emprego e uma taxa de inflação média de dois por cento.

A compra de títulos de dívida pretende estimular a concessão de crédito, ao manter baixas as taxas de juro de longo prazo.

A Fed também tem mantido a sua principal taxa de juro próxima de zero por cento, no intervalo entre zero e 0,25%.

 

Recomendadas

PSI-20 segue no ‘verde’ apoiado pelo BCP e Galp

Praça lisboeta está agora a subir 0,96%, para 5.469,60 pontos nesta segunda-feira, seguindo a tendência das suas congéneres europeias.

Banco online NuBank quer entrar em Wall Street e pretende ultrapassar capitalização do Itaú

Fintech brasileira Nubank avança para o terceiro maior IPO do ano em Nova Iorque e planeia alcançar os três mil milhões de dólares neste IPO podendo assim ultrapassar o banco Itaú Unibanco do Brasil, em termos de capitalização bolsista.

Gasóleo e gasolina descem cinco e oito cêntimos esta segunda-feira (com áudio)

Descida ocorre uma semana depois da OPEP ter confirmado aumentar a produção para 400 mil barris ao dia.
Comentários