Reserva Federal: começa a reunião que não deverá trazer mudanças nos juros

Na primeira reunião, em finais de janeiro, o presidente da Fed, Jerome Powell, afirmou que o banco central pode ser “paciente” e “flexível” no ritmo de ajustamento monetário, numa altura em que há uma desaceleração do crescimento global.

EPA/JIM LO SCALZO

A Reserva Federal (Fed) começou hoje a sua segunda reunião de política monetária de 2019 com poucas expectativas de mudança nas taxas de juro, que podem permanecer inalteradas nos próximos meses.

Na primeira reunião, em finais de janeiro, o presidente da Fed, Jerome Powell, afirmou que o banco central pode ser “paciente” e “flexível” no ritmo de ajustamento monetário, numa altura em que há uma desaceleração do crescimento global.

A economia norte-americana mantém a sua solidez, com uma taxa de desemprego de 3,8% em fevereiro, em níveis de pleno emprego.

Mas, a atividade económica criou a menor quantidade de postos de trabalho dos últimos 17 meses, 20.000, o que foi considerado pelos analistas um sinal do abrandamento da economia norte-americana.

A primeira estimativa de crescimento económico nos Estados Unidos em 2018 foi de 2,9%, o ritmo mais elevado desde 2015, mas as previsões da Fed antecipam uma moderação progressiva para 2,3% este ano e 2% no próximo.

Por sua vez, a taxa de inflação está controlada e perto da meta de 2% fixada pelo próprio banco central.

As taxas de juro de referência estão atualmente entre 2,25% e 2,5%, após quatro subidas ao longo de 2018, com os analistas a considerarem a possibilidade de mais duas subidas na segunda meta de 2019.

Mas, alguns investidores antecipam que o banco central não vai alterar as taxas de juro até ao fim de 2019.

Os membros do comité de política monetária da Fed iniciaram hoje de manhã (hora local) uma reunião de dois dias, que termina na quarta-feira com a divulgação de um comunicado, depois Powell dará uma conferência de imprensa.

Ler mais
Relacionadas

Wall Street negoceia em alta à espera da Fed

Amanhã, quarta-feira, termina a reunião da Fed, que deverá anunciar o rumo da política monetária norte-americana. O mercado não espera alterações relativamente às taxas de juro.
Recomendadas

Perdas da Galp, Jerónimo Martins e das papeleiras condicionam PSI 20

O principal índice bolsista português perde 0,16%, para 5.251,38 pontos na sessão desta terça-feira.

Wall Street em máximos mas sem rumo

Ou seja foi mais uma puxada “estética” que algo mais, até porque o volume continuou bem abaixo da média com 5.3 biliões de negócios.

Época de resultados puxa por Wall Street

Depois do Citi, apresentarão suas contas ao mercado esta semana outras empresas como a Johnson & Johnson, J.P. Morgan, Goldman Sachs, Wells Fargo, IBM, Bank of America, eBay, Netflix, UnitedHealth, Morgan Stanley e Microsoft.
Comentários