Resgate a Portugal foi o terceiro maior de sempre na história do FMI

Apenas os resgates à Argentina e à Grécia superam o empréstimo financeiro da instituição liderada por Christine Lagarde a Portugal.

O resgate financeiro do Fundo Monetário Internacional (FMI) a Portugal foi o terceiro maior da história da instituição liderada por Christine Lagarde. O ranking das maiores injeções de capital do fundo é encabeçado pela Argentina e pela Grécia.

O resgate à Argentina em 2018 custou 57,1 mil milhões de dólares ao FMI (cerca de 51 mil milhões de euros), enquanto o resgate à Grécia em 2010 custou um total de 39,3 mil milhões de dólares (cerca de 34,5 mil milhões de euros), segundo a Bloomberg.

Já Portugal pediu em 2011 um empréstimo de 78 mil milhões de euros à troika composta pelo FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia. Dos 78 mil milhões de euros, o empréstimo concedido pelo FMI foi de 26,3 mil milhões de euros.

A agência noticiosa converteu os montantes de SDR [ativo de reserva internacional, criado pelo FMI em 1969] para dólares norte-americanos e coloca Portugal no pódio dos resgates.

A 10 de dezembro de 2018, o ministro das Finanças confirmou que Portugal já pagou a totalidade do empréstimo ao FMI. Em conferência de imprensa, Mário Centeno disse que “o total das poupanças acumuladas com os pagamentos antecipados ao longo dos últimos dois anos ascende a 1,16 mil milhões de euros”. “As poupanças estimadas com este pagamento antecipado de hoje são cerca de 100 milhões de euros”, afirmou aos jornalistas o governante que ontem foi distinguido com o título de “Melhor ministro das Finanças da Europa em 2018” pela revista britânica “The Banker”.

Em entrevista ao Jornal Económico, no passado dia 19 de outubro, o secretário de Estado das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, tinha anunciado que Portugal iria pagar 2.000 milhões de euros ao FMI ainda este ano.

Ainda assim, foi a aprovação de uma linha de crédito de 57,1 mil milhões de dólares para Buenos Aires que ‘conquistou’ o título de maior de sempre e apoiou o país liderado por Mauricio Macri a enfrentar a recessão e a desvalorização do peso argentino. Recentemente, o FMI previu que a recuperação económica da Argentina iria começar já no segundo trimestre de 2019.

Ler mais

Relacionadas

Dívida pública em máximos históricos em novembro

Dívida pública bateu recordes em novembro, pelo segundo mês consecutivo, impulsionada pelas emissões de títulos de dívida e empréstimos. Em dezembro, o valor deverá recuar , refletindo o pagamento antecipado ao FMI.

Portugal. Nova dívida com a taxa média mais baixa de sempre

A nova dívida emitida pelo Estado em 2018 teve o custo mais baixo de sempre. Em contraste, a dívida direta do Estado não para de subir.

Centeno: “Portugal tem almofada financeira que cobre 44% das necessidades para os próximos 12 meses”

Em conferência de imprensa, após anunciar que Portugal já pagou a totalidade do empréstimo concedido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) no resgate, Centeno confirmou que o rácio da dívida pública face ao PIB deverá ser de 121,2% no final do mês, ou seja, 3,5 pontos percentuais abaixo do valor registado no final do ano passado.
Recomendadas

Presidente de Angola aprova acordo de financiamento no valor de 582 milhões de euros

João Lourenço refere que o acordo foi aprovado ao abrigo do Projeto de Estabilização Macroeconómica e Financiamento da Política de Desenvolvimento Inclusivo e Diversificação Económica de Angola.

Emprego nos EUA deverá manter trajetória de recuperação em abril, esperam analistas

O animador relatório de criação de emprego nos EUA em março deverá agora ver uma continuação da trajetória positiva, numa altura em que a pandemia vai ficando progressivamente mais controlada naquele que foi um dos países mais afetados economicamente pela Covid-19 em 2020.

Pandemia levou a quebras no abastecimento de combustíveis na União Europeia

As dificuldades no abastecimento causaram decréscimos assinaláveis, ainda que de duração variável, no abastecimento de combustíveis na zona euro. Em particular, os derivados petrolíferos recuaram de forma considerável, face à diminuição da necessidade de transportes num contexto de confinamentos generalizados.
Comentários