Residentes em Portugal viajaram menos em 2020 mas estadia média aumentou

Os residentes em Portugal realizaram 14,4 milhões de viagens no total do ano de 2020, apresentando um decréscimo face ao ano anterior. Ainda assim, o número médio de noites passou de 5,45 para 6,72 noites em 2020, indica o INE.

Tiago Petinga/Lusa

Os residentes em Portugal realizaram menos 41,1% de viagens em 2020, tendo atingido um total de 14,4 milhões, tendo verificado um acréscimo de 10,8% em 2019, indicam os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quarta-feira, 28 de abril. O gabinete aponta que as viagens nacionais diminuíram 35,7% e as viagens ao estrangeiro, devido às restrições, caíram 78,1%, depois de terem crescido 9% e 24,7% em 2019.

O INE adianta que o alojamento particular gratuito ganhou expressão como o principal meio de alojamento utilizado, significando 69,2% do total de alojamentos, mais 8 pontos percentuais face ao ano anterior. Por sua vez, também o número médio de noites por turista aumentou 23,2%, passando de 5,45 noites em 2019 para 6,72 noites em 2020.

Relativamente ao quarto trimestre, o INE indica que os residentes em Portugal realizaram 2,3 milhões de viagens, correspondendo a um decréscimo de 57,4%, quando no terceiro trimestre o decréscimo tinha sido de 26,7%. “As viagens em território nacional concentraram 97,4% das deslocações (2,3 milhões), revelando um decréscimo de 53,2%”, escreve o gabinete estatístico, enquanto as viagens com destino ao estrangeiro diminuíram 90,3%, totalizando 61,6 mil, numa correspondência de 2,6% do total.

Os residentes destacaram que as visitas a familiares e amigos foram o principal motivo para viajar no quarto trimestre de 2020, tendo correspondido a 1,2 milhões de viagens, passando a sua representatividade para 49,7% do total. “O motivo ‘lazer, recreio ou férias’ correspondeu a 762, mil viagens realizadas (-58,9%), representando 32,4% do total (-1 ponto percentual face ao quarto trimestre de 2019)”, destaca o INE, acrescentando que as viagens por motivos profissionais ascenderam a 222,2 mil, tendo aumentado em 0,1 pontos percentuais no seu peso nos motivos de viagens no quarto trimestre, tendo pesado 9,5% do total.

No total do ano, o motivo de ‘lazer, recreio ou férias’ esteve associado a 54,1% do total das viagens, ou seja, 7,8 milhões, apresentando uma diminuição de 35,6% face ao ano anterior, enquanto as visitas a familiares e amigos foi motivo para 33,8% das viagens, totalizando 4,9 milhões, menos 47,3% do que em 2019. Os motivos ‘profissionais ou de negócios’ representaram 7,1%, num total de 1,0 milhões de viagens, menos 49,5% que no ano anterior.

Recomendadas

Certificado digital e de recuperação: Sabia que tem de renovar ao fim de 180 dias?

Segundo o portal do Serviço Nacional de Saúde, quem foi vacinado há mais de seis meses têm que renovar o certificado digital para que seja válido.

O hotel que reservei tem uma piscina interior. Poderei usá-la?

Prepare as suas férias e contacte previamente o hotel para ser informado de todas as medidas aplicáveis, nomeadamente, de limpeza, higienização, utilização de espaços comuns e serviços de restauração.

Famílias com maiores rendimentos são as que mais aderem à economia circular

As margens orçamentais das famílias com maiores rendimentos permitem que seja possível incorporar uma economia circular nos consumos diários. Em contrapartida, os casais reformados e seniores solitários são os que se encontram mais distantes deste objetivo.
Comentários