Resiliência nacional

As empresas não precisam de mais endividamento. Precisam de capital para sobreviverem e poderem reestruturar-se e investir, mantendo os empregos e a retribuição salarial com valorização.

Continua uma miragem o fim desta pandemia, e os efeitos na nossa economia real têm sido devastadores. Estamos perante uma das maiores crises financeiras conhecidas, com um défice de 7% do PIB neste ano, a dívida pública a disparar para 133,8% da riqueza anual nacional, com o Estado mais endividado, segundo dados do INE.

O Governo tem falhado no apoio à recuperação da economia e nos apoios sociais às famílias, não conseguindo travar uma crise  social que está à vista de todos. Nada adianta apresentarem planos e mais planos, se estes não forem direcionados para as Empresas e para as Pessoas. Sim, estas devem ser as prioridades nacionais.

Também sabemos ser necessário o investimento no Estado e nos serviços públicos, mas antes o centro são os Portugueses, na forma como os 12,9 mil milhões de euros vão ser distribuídos, pois resultou de um plano europeu para os países recuperarem da crise. E não, não poderá ser para o Governo fazer o que já deveria ter feito nos últimos cinco anos e que até garantia no início do ano ter feito.

Todos sabemos o quão importante também é investirmos nos serviços públicos e no sistema judicial, para que este seja mais eficiente, na saúde e na educação ou no território, mas sem empresas e sem emprego, não vamos lá!

Não há nada mais absurdo, a roçar a incompetência, do que aplicar o dinheiro que nos é dado, para combatermos uma crise sanitária, ou melhor para não morrermos da doença, nem da cura, do que aplicar o grosso do dinheiro a capitalizar apenas empresas do Estado, como a TAP, ou a CP, ou a Efacec, ou a reestruturar apenas o Estado, tentando agora fazer tudo aquilo que nestes últimos anos com o dinheiro dos nossos impostos, não foi feito…

Verdadeiramente resilientes têm sido as nossas empresas que, perante esta crise e quase sem apoios expressivos do Estado e das instituições, têm resistido a custo, mas é urgente criar condições efetivas para que consigam sair desta depressão económica a que estamos expostos.

A alocação dos recursos neste plano de recuperação e resiliência não pode mesmo ser tão desequilibrada, em que às empresas (que criam valor, riqueza, retribuição salarial, emprego e pagam impostos ao Estado), o Governo parece apenas querer manter os apoios criados no quadro da pandemia, as moratórias e as linhas de financiamento, ou seja, endividamento.

Na verdade, o que agora se está a discutir é a aplicação de verbas europeias, que nos estão a ser dadas para recuperarmos. Ora, as empresas não precisam de mais endividamento. Precisam, como a TAP e outras, de capital para sobreviverem e poderem reestruturar-se e investir, mantendo os empregos e a retribuição salarial com valorização.

Se este fundo de recuperação e resiliência não conseguir encarar este momento como uma oportunidade única para criar mecanismos de capitalização empresarial, por exemplo, via banco do fomento, teremos uma oportunidade perdida. E trágica.

Recomendadas

As reversões têm de ser muito bem explicadas

Portugal não pode dar-se ao luxo de ser visto como o país onde as reversões são o “novo normal”. Importa comprovar que prevalece o interesse público e não o de ‘lobbies’ desejosos de deitar a mão a estas concessões.

O presidente vai nu

Sobre o balanço da presidência de Obama, escrevi que “o próximo tente fazer melhor”. Infelizmente, Trump não fez melhor. Em muito aspetos nem sequer tentou fazer melhor.

As lições dos Açores

As eleições regionais desferiram, com surpresa face às sondagens, um enorme murro no estômago do poder vigente em Portugal, o do PS de António Costa.
Comentários