Respostas Rápidas: Cofina contra-ataca com OPA à Media Capital

A CMVM autorizou a Cofina a alterar as condições da Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Media Capital, anunciada em setembro de 2019 e em stand by desde março. O grupo liderado por Paulo Fernandes oferece agora um valor mais baixo e a Oferta incide sobre a totalidade do capital, incluindo os 94% nas mãos da Prisa e de Mário Ferreira. Patrão da Douro Azul pode ser obrigado pela CMVM a lançar OPA concorrente.

CEO da Cofina, Paulo Fernandes | Foto cedida

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) autorizou a Cofina a alterar as condições da sua Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Media Capital. O grupo liderado por Paulo Fernandes anunciou esta quarta-feira a modificação da OPA, que foi lançada em setembro de 2019 e suspensa por sua iniciativa em março deste ano.

O que mudou na OPA da Cofina sobre a Media Capital, que estava em stand by e a ser avaliada pela CMVM desde março?

A OPA, que antes incidia apenas sobre as ações detidas pelos minoritários da Media Capital, passa a abranger a totalidade do capital da empresa dona da TVI, incluindo a participação maioritária detida pela espanhola Prisa, que antes seria adquirida através de um entendimento à margem da OPA. O novo preço é de 0,415 euros por ação, um valor que representa uma descida de 82% face aos 2,3336 euros previstos na primeira tentativa de OPA. A Cofina propõe pagar 35 milhões pela Media Capital, atribuindo à empresa um enterprise value de cerca de 130 milhões de euros (incluindo a dívida), mas o valor final estará dependente da avaliação do auditor que será nomeado pela CMVM.

Quais são as condições da OPA?

A operação tem condições distintas consoante se trate das ações detidas pelos minoritários ou os títulos detidos pela Prisa aquando do lançamento da primeira OPA, em setembro do ano passado e que hoje estão repartidos entre os espanhóis (64%) e pelo empresário Mário Ferreira (30%). Dada a reduzida liquidez dos títulos da Media Capital, um auditor independente nomeado pela CMVM vai avaliar a contrapartida proposta pelas ações dos minoritários, podendo fixar um valor superior aos 0,415 euros por ação.

Mas a oferta apenas será alargada aos referidos 94% do capital detidos pela Prisa e por Mário Ferreira se o auditor “não fixar um valor unitário de contrapartida que exceda o montante de 0,415 euros por ação”, que é o preço que a Cofina está disposta a pagar. No entanto, a CMVM explica que esta condição pode cair, se a Cofina aceitar pagar um valor superior à Prisa e ao empresário português.

A segunda condição é que, até à conclusão da operação, não tenha lugar a venda ou oneração de ativos do grupo Media Capital, nomeadamente na TVI, na produtora Plural ou na Media Capital Rádios. De igual modo, a Media Capital não pode ser alvo de fusão, cisão ou dissolução.

A terceira é que, no final da OPA, a Cofina tenha conseguido o controlo de mais de 50% das ações da Media Capital, o que só será alcançado se a espanhola Prisa aceitar vender a sua posição maioritária (64%) pelo valor oferecido pelo grupo de Paulo Fernandes.

A operação vai precisar de autorizações dos reguladores?

Não, uma vez que tanto a Autoridade da Concorrência (AdC) como a Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC) já tinham autorizado a operação de consolidação entre os dois grupos media, em dezembro e fevereiro últimos, respetivamente.

Porque é que a CMVM autorizou a Cofina a rever em baixa o valor da OPA?

Do lado da CMVM, a autorização da alteração dos termos da OPA sobre a dona da TVI é justificada com a alteração de circunstâncias provocada pela pandemia da Covid-19. Em comunicado, o supervisor do mercado de capitais fez saber que “a superveniência de factos, associados em particular ao contexto da pandemia de Covid-19” afetou “de forma imprevisível e materialmente adversa” os termos da primeira versão da OPA, levando a Cofina a defender-se através de uma norma que permite “revogar ou modificar” a oferta.

Em março, após a desistência da Cofina na primeira tentativa de OPA, o empresário Mário Ferreira comprou 30% da Media Capital, por 10,5 milhões de euros. Pode agora ser obrigado a avançar com uma oferta concorrente à da Cofina?

O empresário tem um acordo parassocial com a Prisa, que está a ser analisado pela CMVM, num processo distinto daquele que diz respeito à OPA da Cofina. O supervisor pode concluir que Mário Ferreira controla a Media Capital em concertação com a Prisa e obrigar ao lançamento de uma OPA concorrente à da Cofina. A ocorrer, essa oferta estará sujeita às regras que a lei estabelece para as OPA concorrentes, incluindo a obrigação de oferecer um valor que terá de ser pelo menos superior em 2% ao preço avançado pela Cofina.

Quais são os próximos passos da OPA modificada? 

A Cofina vai atualizar o pedido de registo da OPA junto da CMVM, após o que o supervisor dispõe de oito dias úteis para, depois de verificadas todas as condições e concluída a instrução do processo, analisar a documentação remetida e decidir pelo registo ou recusa de registo da oferta. A oferta apenas será lançada se e quando as condições de lançamento se derem integralmente por verificadas (ou sejam objeto de renúncia pelo oferente).

A Cofina terá ainda de enviar de imediato documentação atualizada da oferta à Media Capital. De seguida, a Media Capital deve atualizar o relatório de sociedade visada nos oito dias corridos seguintes à receção de versão atualizada dos documentos da oferta.

Oe auditor independente que venha a ser designado pela CMVM vai determinar o valor mínimo a pagar no contexto de uma OPA derrogatória, sendo que a lei não prevê um prazo para que tal suceda.

 

Para saber mais, consulte as Perguntas e Respostas elaboradas pela CMVM

 

 

 

Ler mais

Relacionadas

Cofina diz que aquisição da Media Capital “integra-se na estratégia de consolidação dos media no plano global”

O grupo liderado por Paulo Fernandes entende que a junção da Media Capital e da Cofina, no mesmo grupo, vai alavancar o setor de media nacional, por via da produção de conteúdos  produzidos em Portugal e pelo investimento na expansão de media no meio digital.

CMVM autoriza Cofina a rever OPA sobre Media Capital, com novo preço de 0,415 euros por ação

Oferta Pública de Aquisição da Cofina passa a abranger a totalidade do capital da empresa dona da TVI, incluindo a participação da espanhola Prisa. Novo preço de 0,415 euros por ação, representa uma revisão em baixa de 82% face aos 2,336 euros oferecidos na primeira versão da OPA, antes da pandemia. Oferta avalia TVI em 35 milhões de euros.
Recomendadas

Marques Mendes diz que CGD liderará sindicato bancário para financiar o Novo Banco

Luís Marques Mendes, revelou este domingo que a injeção do Fundo de Resolução no Novo Banco vai ser possível através do empréstimo de um sindicato bancário, que será liderado pela CGD. O comentador revelou que não houve qualquer conversa entre o BCP e o Governo para uma fusão com o Montepio. O JE confirmou que Miguel Maya não falou com João Leão sobre uma integração do Banco Montepio.

Premium“Construtoras nacionais apenas ficam com 20% das obras públicas”, diz bastonário da Ordem dos Engenheiros

O desinvestimento em pessoas e equipamentos ao longo dos últimos anos foi tão grande que apenas 20% das obras públicas lançadas ficam em empresas portuguesas, afirma Carlos Mineiro Aires.

Miguel Albuquerque diz que “a Madeira vai ultrapassar efeitos devastadores no turismo”

O presidente do Governo da Madeira mostrou-se este domingo convicto de que a região vai conseguir superar “mais este grande desafio” dos “efeitos devastadores” no setor do turismo provocado pela pandemia da covid-19.
Comentários