Respostas Rápidas: Sabe o que é a TAEG do seu empréstimo (e o MTIC)?

Sabe o que são a TAEG e o MTIC? São siglas importantes a memorizar para quem contrata um crédito. Agora o Banco de Portugal obriga todos os bancos e instituições de crédito a entregar ao cliente a FINE (Ficha de Informação Normalizada Europeia) com esses valores todos juntos, numa taxa total em percentagem e em montante total. É uma medida europeia.

Já toda a gente tropeçou, num momento de contratar um empréstimo, nesta sigla TAEG.

O que é e o que significa TAEG?

A TAEG – taxa anual de encargos efetiva global – mede o custo do empréstimo para o cliente, por ano, em percentagem do montante emprestado.

Num empréstimo de 12 mil euros com 10,47% de TAEG, quanto pago a mais?

Paga a mais 1.256,4 euros. Isto porque soma os custos inerentes ao empréstimo. Portanto pede emprestado 12.000 euros, a um prazo de 5 anos/60 meses, com uma taxa de juro anual nominal de 8%. Paga comissões iniciais de 200 euros (acresce imposto de selo) e comissões mensais de 1,5 euros (acresce imposto de selo). Isto significa que paga acima dos 12.000 mais 10,47% disso, ou seja 1.256,4 euros, e ainda o imposto de selo.

A TAEG é a única coisa que paga a mais do que pediu emprestado?

Não. A TAEG significa que, além de reembolsar o montante de 12.000 euros que pediu emprestado, o cliente terá de pagar em custos associados ao crédito, por ano, o equivalente a 10,47% do montante do empréstimo. Mas não inclui os valores a pagar caso o cliente não cumpra obrigações previstas no contrato; as comissões de reembolso antecipado do empréstimo; e os custos notariais.

O que inclui ao certo a TAEG?

O cálculo da TAEG inclui, os juros; as comissões; as despesas, nomeadamente com impostos e com os emolumentos relativos ao registo da hipoteca, no caso de se tratar de um crédito com garantia hipotecária; os seguros exigidos para obtenção do crédito; a comissão de manutenção de conta à ordem, cuja abertura seja obrigatória para a gestão do empréstimo; a remuneração do intermediário de crédito, caso essa remuneração seja paga pelo consumidor, o que sucede quando recorre a um intermediário de crédito não vinculado; outros encargos associados ao contrato de crédito.

Para que serve a TAEG?

A TAEG pode ser usada para comparar propostas de crédito. Para propostas de crédito com o mesmo montante, prazo e modalidade de reembolso, a proposta com TAEG mais baixa é a mais barata para o cliente.

A TAEG e ainda o MTIC são duas medidas do custo do crédito e devem ser utilizadas para comparar diferentes propostas de crédito.

O que é o MTIC? 

MTIC é a sigla de “montante total imputado ao consumidor”. O MTIC corresponde ao montante total que o cliente terá de pagar à instituição durante todo o período do empréstimo. No mesmo exemplo acima referido (empréstimo de 12 mil euros a 5 anos), se a TAEG são 10,47%, o MTIC que paga ao longo da vida do empréstimo soma 15.191,12 euros.

Resulta da soma do montante total do empréstimo com os custos do crédito (juros, comissões, impostos e outros encargos). Inclui por exemplo o que paga todos os meses em seguro de vida, de seguro multirriscos, de anuidades de cartões.

Mas nos empréstimos contratados a taxa de juro variável ou mista, o MTIC é apenas indicativo. O MTIC é o valor absoluto do que custa todo o empréstimo, enquanto a TAEG é a uma taxa.

Qual a diferença entre TAEG e MTIC?

Taxa anual de encargos efetiva global (TAEG) é o custo total do crédito expresso em percentagem anual do montante do crédito, e inclui juros + comissões + despesas + impostos + seguros

Já o montante total imputado ao consumidor (MTIC) é o valor total dos pagamentos a efetuar pelo cliente no âmbito do contrato de crédito. Inclui montante do empréstimo + total de custos (juros + comissões + despesas + impostos + seguros).

Qual a diferença entre a TAEG e a TAN?

A TAEG distingue-se da TAN, a taxa anual nominal, por contabilizar, além dos juros dos empréstimos (expressos pela TAN), todos os outros encargos que o cliente terá de pagar pelo crédito.

Onde é indicada a TAEG?
A TAEG do crédito é indicada na informação pré-contratual que é fornecida ao cliente – ou seja: na FIN – ficha de informação normalizada, no caso do crédito aos consumidores, na secção “custo do crédito”; na FINE – ficha de informação normalizada europeia, no caso do crédito à habitação e de outros créditos garantidos por hipoteca, na secção “taxa de juro e outros custos”.

Ler mais
Recomendadas

Lucros do Bankinter caíram 42% para 317 milhões em 2020

O resultado líquido do Grupo Bankinter em 2020 foi de 317,1 milhões de euros, menos 42,4% do que em 2019, devido a 242,5 milhões de provisões Covid-19. Em Portugal resultado cai 31%, mas o crédito subiu 7% e os recursos 6%.

Morgan Stanley regista lucro e receita acima do esperado no quarto trimestre

A receita, por sua vez, subiu de 10,9 mil milhões de dólares nos últimos três meses de 2019 para 13,6 mil milhões nos meses de outubro a dezembro do ano passado, superando as previsões dos analistas.

BEI mobiliza 50 mil milhões de euros para ajudar PME no primeiro semestre

O Banco Europeu de Investimento (BEI) planeia mobilizar cerca de 50.000 milhões de euros de financiamento no primeiro semestre para ajudar as PME através do novo fundo de garantia criado para lidar com as consequências da pandemia, foi anunciado.
Comentários