PremiumRestauração: ‘Chefs’ contra a pandemia

Apesar da crise provocada pela Covid-19 e das incertezas sobre o futuro, o setor da restauração de autor está a viver um momento dinâmico, em Lisboa, Porto e no interior. Inaugurações, reaberturas, novas cartas, novas parcerias, novos serviços são os trunfos para angariar mais clientes. Na maioria nacionais, porque ainda há muitos aviões em terra e muitos turistas em casa.

É um dos setores mais atingidos pelo impacto da pandemia, mas nem por isso caiu no marasmo. Depois dos primeiros meses de confinamento mais severo, quase todas as semanas, primeiro, quase todos os dias, mais frequentemente, há novidades nesta área: inaugurações, reaberturas, novos serviços, novas parcerias. Uma nova vida dos restaurantes de autor em Portugal, mesmo quando a incógnita sobre o futuro da Covid-19 permanece e o deserto criado pela falta de turistas e pelos aviões em terra poderia carregar o horizonte.

Mais um sinal da vitalidade do setor foi dado esta semana, com a inauguração do restaurante Zunzum, da chef Marlene Vieira, no edifício do Terminal de Cruzeiros de Lisboa. Devia ter aberto as portas no final de fevereiro, mas viu as voltas trocadas pelo vírus. A inauguração de quarta-feira à noite esgotou, mas, acima de tudo, cumpriu um desejo de Marlene Vieira. “O investimento aplicado neste restaurante ultrapassou um milhão de euros. Esse investimento não merece, não pode estar parado, precisava de arrancar”, justifica a chef, em declarações ao Jornal Económico.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Porto de Sines aposta no potencial do agronegócio com o Brasil

Após contactos diretos entre os dois Ministérios da Agricultura, está em cima da mesa a possibilidade de implantação em Sines de um terminal para exportação de frutas e carnes brasileiras para outros países europeus, para o norte de África e para o Médio Oriente. Nesse sentido, já foi assinado um protocolo entre a Comunidade Portuária de Sines e a Câmara de Comércio Brasil-Portugal Centro Oeste.

PremiumFragmentado tinto e branco: Fragmentos graníticos do Cima-Corgo

A ideia foi “criar um topo de gama que melhor refletisse a concentração das nossas vinhas centenárias” – é assim que o enólogo Luís Leocádio sintetiza a motivação para produzir e lançar no mercado nacional os vinhos Fragmentado, da produtora Titan of Douro.

Candidaturas a apoios de 50 milhões para vinha prolongadas até fevereiro

Face ao previsível condicionamento de mobilidade, por força da evolução da pandemia de covid-19, o Instituto da Vinha e do Vinho prorrogou o prazo de apresentação das candidaturas ao Regime de Apoio à Reestruturação e Reconversão da Vinha”, indicou, em comunicado, o Ministério da Agricultura.
Comentários