Restaurar a normalidade da cadeia de abastecimento

Uma cadeia de abastecimento local é mais capaz de lidar com as mudanças rápidas nos mercados e canais de venda que advêm de um mundo cada vez mais digital.

O último ano e meio foi dominado por uma turbulência nunca antes vista na cadeia de abastecimento. Isto porque, embora se saiba há muito tempo que as pandemias representam um risco grande para a saúde e para as economias globais, em 2020  o mundo foi, na sua maioria, apanhado de surpresa quando a Covid-19 começou a passar fronteiras e a chegar aos quatro cantos do globo.

A Covid-19 e a saída do Reino Unido da União Europeia continuam a causar uma infinidade de problemas para as empresas, que sentem que este é um dos períodos mais difíceis da memória viva. Assim, a sua capacidade de absorver o stress, recuperar funcionalidades críticas e prosperar em circunstâncias imprevisíveis foi posta à prova.

Algumas empresas observaram uma queda rápida na procura, enquanto outras sofreram interrupções nas cadeias de abastecimento ou na disponibilidade de mão-de-obra. Eventualmente, seguir-se-á uma recuperação, mas a ritmos muito diferentes.

Neste momento, os países de todo o mundo começam a preparar-se para o regresso à normalidade e a par deste movimento é essencial que as empresas assegurem o planeamento do seu próprio recomeço. Se durante o último ano, grande parte do foco esteve na Covid-19 e no Brexit, as empresas não podem deixar agora que estas questões obscureçam as grandes mudanças que irão perdurar por mais tempo .

Uma das mudanças passa pelo comportamento do consumidor. Como tem sido muito mencionado no setor retalhista, a procura dos consumidores tem vindo a mudar desde há muitos anos e a Covid-19 apenas aumentou a velocidade  da mudança. O comércio online é talvez a maior questão que as cadeias de abastecimento precisam de controlar, já que, em comparação com os tradicionais “brick-and-mortar businesses”, este novo mundo permite que as coisas mudem a uma velocidade nunca antes vista e as empresas precisam de se adaptar.

A Covid-19 e o Brexit convenceram muitas empresas a racionalizar e simplificar as suas cadeias de abastecimento. Contudo, para garantir que as empresas conseguem acompanhar e satisfazer as inconstantes necessidades dos seus clientes, estas precisam de desenvolver uma gestão de inventário mais complexa e eficiente, o que requer uma excelente comunicação e planeamento com uma multiplicidade de fornecedores.

Mesmo as que, de alguma forma, já conseguiram ultrapassar os desafios destes eventos não podem ser complacentes. As mudanças a longo prazo têm de ser consideradas para assegurar que as cadeias de abastecimento estão prontas para reagir a eventos inesperados.

Assim, um dos primeiros passos deverá ser fazer um balanço: é crucial  olhar para os dados de que dispõe e analisá-los, especialmente durante períodos incertos. Incluir o custo das vendas através de diferentes canais, o custo das oportunidades perdidas e o custo adicional potencial de diversificação das suas cadeias de abastecimento é outro dos caminhos recomendados. Esta riqueza de informação pode revelar-se impagável no planeamento para o futuro.

Além da análise, uma das maiores recomendações é pensar localmente. No último ano, passou a fazer sentido encurtar as cadeias de abastecimento para ajudar a evitar riscos associados a questões globais, como a Covid, e desacordos internacionais, como o Brexit. No entanto, as cadeias de fornecimento locais oferecem muito mais do que a mera salvaguarda. Quanto mais próximos estão os produtos ou materiais do público, mais ágil se torna o processo. Uma cadeia de abastecimento local é mais capaz de lidar com as mudanças rápidas nos mercados e canais de venda que advêm de um mundo cada vez mais digital.

Assim, pensar local e analisar dados podem ser chaves para restaurar a normalidade da cadeia de abastecimento, uma área de negócio tão afetada pelos mais recentes fenómenos e acontecimentos internacionais.

Recomendadas

O que queremos nós?

A lista de prioridades que aqui elenco exige novas fórmulas de governança, capazes de ultrapassar as lógicas partidárias e as negociações ‘orçamentais’, porque desligadas de uma visão e estratégia claras, com reflexos numa limitada capacidade transformacional.

“Ó Pátria Mãe”

Este incidente é, sobretudo, revelador de algum mal-estar existente nas Forças Armadas e também de uma dificuldade que permanece no seio do Exército, ao nível dos oficiais superiores, na relação com as designadas Forças Especiais.

Uma carta natalista de Budapeste

“Família como chave de Sustentabilidade” foi o tema da 4ª Cimeira Demográfica de Budapeste, em Setembro. À data, nenhum país do continente europeu regista uma taxa de natalidade perto do nível de reposição geracional.
Comentários