Resultados da banca e Covid-19 pressionam Wall Street

As restrições impostas à atividade comercial no estado da Califórnia está a pressionar o sentimento do mercado, o que levou os investidores a venderem títulos de de empresas tecnológicas. Lucros do JPMorgan caem 51% face ao trimestre homólogo e o resultado líquido do Citibank afunda 73%.

Reuters

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque iniciaram a sessão desta terça-feira sem uma baixa ligeira. O aumento dos casos de Covid-19 nos Estados Unidos e as consequentes restrições impostas à atividade comercial no estado da Califórnia, está a pressionar o sentimento do mercado, o que levou os investidores a venderem títulos de de empresas tecnológicas.

Após o toque o sino que marcou o arranque da sessão, o industrial Dow Jones cedia 0,08%, para 26.065,63 pontos; o S&P 500 perdia 0,24%, para 3.147,60 pontos; e o tecnológico Nasdaq desvalorizava 0,09%, para 10.381,49 pontos.

Nas empresas, o destaque vai para “o arranque oficial da earnings season, marcado pelos resultados acima do esperado apresentados pelo Citigroup e JPMorgan, sustentados pelo bom desempenho do fixed-income, mas que acabam por contrastar com as perdas mais agravadas que o antecipado pelos analistas apresentadas pela Wells Fargo, castigadas por provisões”, assinalou Ramiro Loureiro, analista de mercados do Millennium bcp.

Os lucros do Citigroup caíram 73% em termos homólogos para 1,3 mil milhões de dólares, ou 0,50 dólares por ação, pressionados pelo aumento das provisões para crédito, fixadas em 26,4 mil milhões de dólares. Apesar da queda dos lucros, os resultados superaram as estimativas do mercado, embora os títulos estejam a cair 2,24%.

O mercado, no entanto, reagiu de forma diferente aos resultados do JPMorgan Chase, que sobe 0,42%, ainda que tenha registado uma queda homóloga de 51% nos lucros, que alcançaram os 4,69 mil milhões de dólares, ou seja, 1,38 dólares por ação.

Ramiro Loureiro destacou ainda a Delta Airlines, que foi “a primeira companhia aérea a demonstrar o impacto da pandemia no setor e apresentou prejuízos acima do estimado, alertando que o ressurgimento do número de casos de coronavírus no país e as novas restrições relacionadas com viagens impediram uma recuperação na procura de viagens nos Estados Unidos”.

A companhia aérea somou prejuízos de 5,7 mil milhões de dólares. O mercado não reagiu bem aos resultados da Delta Airlines, que está a desvalorizar 1,83%.

Em termos macroeconómicos, a inflação nos Estados Unidos recuperou no passado mês de junho, depois de três quedas consecutivas entre março e maio. No entanto, a tendência aponta para que a inflação permaneça em níveis baixos, o que poderá justificar medidas de estímulos económicos adicionais tomadas pela Reserva Federal norte-americana.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo prossegue a tendência de desvalorização. Nos Estados Unidos, o West Texas Intermediate perde 0,55%, para 39,88 dólares. Em Londres, o barril de Brent, referência europeia, cede 0,33%, para 42,58 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Bolsa portuguesa acompanha Europa em queda. Setor energético pressiona PSI 20

Na bolsa portuguesa, 13 empresas cotadas desvalorizam e cinco negoceiam em alta.

Nasdaq lidera quedas em Wall Street

As tecnológicas acentuaram as perdas, nomeadamente as FAANG. A Facebook perdeu 2,48%, a Apple cedeu 0,46%, a Amazon tombou 3%, a Netflix afundou 4,23% e a Alphabet, dona da Google, caiu 1,74%. Também a Microsoft teve uma sessão negativa, desvalorizando 3,09%.
Recomendadas

PremiumRisco de continuidade do negócio é o mais relevante para as empresas

Um estudo da MDS revela que a possibilidade de recuperação em ‘V’ é, do lado das empresas, uma miragem: um a três anos é o tempo mínimo esperado de regresso à atividade pré-pandemia.

Wall Street fecha semana com ganhos ligeiros. Nasdaq reflete dados da criação de emprego

O Nasdaq Composite registou a única queda da sessão: 0,87% para 11,010.98 pontos. Foi a maior vítima da sessão de uma conjugação de fatores: a criação de empregos nos EUA e a negociação do pacote de estímulos fiscais.

Aumento de capital da EDP não anima investidores. PSI-20 encerra no ‘vermelho’

O PSI-20 fecha a sessão de hoje a desvalorizar 0,25% para 4.362,62 pontos à boleia da EDP que desvaloriza 0,73% depois de ter completado o aumento de capital que vai financiar a compra da espanhola Viesgo.
Comentários