Javier Martín: Resultados dos crowdfunding são “impressionantes”

O crowdfunding está a mudar as regras do jogo do financiamento a novos projetos, defende o fundador da Loogic.

Quando a Loogic anunciou, em 2015, a sua fusão com a Lázanos, a plataforma de informação para empreendedores e startups entrou no mundo do crowdfunding.
O fundador da Loogic, Javier Martín, esteve, recentemente, no SPIN2016, em Santiago de Compostela (Espanha) e falou com a ‘StartUp Magazine’ sobre o tema.

Quem costuma recorrer ao crowdfunding? Que tipo de empreendedores?
Na Europa, por exemplo, o crowdfunding é muito utilizado por artistas e criadores. Assim como pode ser na área da música, do cinema, dos livros, também é muito utilizado para iniciativas de solidariedade.
Nos Estados Unidos é mais utilizado por empreendedores que têm uma ideia de negócio e a lançam no mercado desta forma.
Na Europa também começa a ser utilizado pelos empreendedores, porque as vantagens são enormes e vale a pena aproveitar esta nova forma de financiar as empresas.

Quais os resultados finais? Já existem números?
Os resultados são impressionantes. A nível mundial, a principal plataforma de crowdfunding, a Kickstarter, financiou, em sete anos, 112.884 projetos e empreendedores, no valor de 2,3 mil milhões de euros.
E, por exemplo, a primeira plataforma espanhola, que se chama Verkami, financiou, em cinco anos, 3699 projectos no valor de 18,5 milhões de euros.

O que é, na realidade, o crowdfunding?
É uma nova maneira de financiar projectos de empreendedores, artistas e criadores. Uma forma de os clientes se transformarem em investidores, de envolver as pessoas no desenvolvimento de novos projectos. É uma ferramenta fantástica, que dá liberdade aos que a utilizam e que está a mudar as regras do jogo do financiamento a novos projectos das empresas.

O que deve ter em conta quem recorre ao crowdfundig?
Fundamentalmente, deve ser generoso na hora de partilhar a ideia, envolver as pessoas nos projectos para que o empreendedor não faça o que quer sem que haja compradores.
Também é muito importante que faça uma boa campanha de marketing para dar a conhecer a ideia. É fundamental transmitir a ideia através de blogs, redes sociais, meios de comunicação social, para que muita gente conheça o projecto e colabore.

Relacionadas

Amparo de San José: “Somos como uma porta de entrada”

A diretora da Rede de Business Angels do IESE Business School, que está presente no SPIN2016, sá nota do boom empreendedor em Espanha e apresenta alguns valores

Empresários e universitários assumem compromisso empreendedor

Compromisso de apoio ao empreendedorismo universitário foi hoje firmado no SPIN2016.
Recomendadas

Portugal Ventures fecha primeiro semestre com nove milhões de euros investidos

Com estes investimentos em 14 novas startups, integra no seu portefólio um conjunto de empresas que trazem sinergias relevantes na troca de conhecimento e experiência.

Startup portuguesa UpHill prepara-se para vender software a hospitais em Espanha e Holanda

No segundo semestre de 2019, a tecnologia de gestão hospital desta empresa, nascida nos bancos da faculdade, terá novas funcionalidades que pretendem facilitar o uso dos protocolos de atualização clínica por parte dos profissionais de saúde e a conversão do sistema para outros idiomas.

CMVM quer continuar a trabalhar em conjunto com outros reguladores em benefício das ‘startups’

A Comissão do Mercado e dos Valores Mobiliários (CMVM) quer continuar a apoiar as FinTechs, dando-lhes apoio sobre o contexto regulatório para que possam inovar dentro das normas legais. Para a próxima edição do Portugal FinLab, João Gião, vogal da administração da CMVM, quer fazer “idealmente melhor” do que a primeira.
Comentários