Javier Martín: Resultados dos crowdfunding são “impressionantes”

O crowdfunding está a mudar as regras do jogo do financiamento a novos projetos, defende o fundador da Loogic.

Quando a Loogic anunciou, em 2015, a sua fusão com a Lázanos, a plataforma de informação para empreendedores e startups entrou no mundo do crowdfunding.
O fundador da Loogic, Javier Martín, esteve, recentemente, no SPIN2016, em Santiago de Compostela (Espanha) e falou com a ‘StartUp Magazine’ sobre o tema.

Quem costuma recorrer ao crowdfunding? Que tipo de empreendedores?
Na Europa, por exemplo, o crowdfunding é muito utilizado por artistas e criadores. Assim como pode ser na área da música, do cinema, dos livros, também é muito utilizado para iniciativas de solidariedade.
Nos Estados Unidos é mais utilizado por empreendedores que têm uma ideia de negócio e a lançam no mercado desta forma.
Na Europa também começa a ser utilizado pelos empreendedores, porque as vantagens são enormes e vale a pena aproveitar esta nova forma de financiar as empresas.

Quais os resultados finais? Já existem números?
Os resultados são impressionantes. A nível mundial, a principal plataforma de crowdfunding, a Kickstarter, financiou, em sete anos, 112.884 projetos e empreendedores, no valor de 2,3 mil milhões de euros.
E, por exemplo, a primeira plataforma espanhola, que se chama Verkami, financiou, em cinco anos, 3699 projectos no valor de 18,5 milhões de euros.

O que é, na realidade, o crowdfunding?
É uma nova maneira de financiar projectos de empreendedores, artistas e criadores. Uma forma de os clientes se transformarem em investidores, de envolver as pessoas no desenvolvimento de novos projectos. É uma ferramenta fantástica, que dá liberdade aos que a utilizam e que está a mudar as regras do jogo do financiamento a novos projectos das empresas.

O que deve ter em conta quem recorre ao crowdfundig?
Fundamentalmente, deve ser generoso na hora de partilhar a ideia, envolver as pessoas nos projectos para que o empreendedor não faça o que quer sem que haja compradores.
Também é muito importante que faça uma boa campanha de marketing para dar a conhecer a ideia. É fundamental transmitir a ideia através de blogs, redes sociais, meios de comunicação social, para que muita gente conheça o projecto e colabore.

Relacionadas

Amparo de San José: “Somos como uma porta de entrada”

A diretora da Rede de Business Angels do IESE Business School, que está presente no SPIN2016, sá nota do boom empreendedor em Espanha e apresenta alguns valores

Empresários e universitários assumem compromisso empreendedor

Compromisso de apoio ao empreendedorismo universitário foi hoje firmado no SPIN2016.
Recomendadas

Startup portuguesa Sword Health fecha financiamento de 7 milhões de euros

A ronda de investimento de série A foi liderada pela Khosla Ventures e apoiada por outros ‘business angels’ , contando ainda com a participação dos atuais investidores.

Startups da ourivesaria têm a vida facilitada com nova “oficina co-work”

A Associação Nacional de Jovens Empresários e a Câmara de Gondomar uniram-se para facilitar o acesso dos ourives empreendedores a instrumentos para começarem o negócio. “Há vários jovens e ideias frescas prontos para por mãos à obra, precisam apenas de um apoio inicial. O investimento para entrar no setor é muito elevado, a aquisição das ferramentas mais básicas rondará os 50 mil euros”, diz ao Jornal Económico Francisco Mendes, diretor da ANJE.

Nabeiro convida startups a desenvolverem pilotos para as empresas do grupo

Desenvolvido pelo centro de inovação interno, em parceria com a consultora iMatch, o programa desafia pequenas empresas a apresentar soluções de produto, sustentabilidade e interação com o consumidor. “O grupo irá, mediante análise de cada uma, assegurar o financiamento necessário para o desenvolvimento e implementação dos respetivos pilotos”, refere Rui Miguel Nabeiro ao Jornal Económico.
Comentários