Reuters: Acordo entre o Caixabank e o Bankia previsto para esta quinta-feira

“O negócio recebeu fumo branco ontem à noite dos seus principais acionistas”, disse uma das fontes à Reuters. A fusão dos dois bancos espanhóis caminha a passos largos para uma concretização.

Albert Gea/Reuters

O Caixabank e o Bankia devem aprovar nesta quinta-feira um acordo que criará o maior banco a nível doméstico em Espanha, com um valor de mercado combinado de cerca de 16 mil milhões de euros, avança a Reuters.

“O negócio recebeu fumo branco ontem à noite dos seus principais acionistas”, disse uma das fontes à Reuters, sem dar quaisquer detalhes financeiros.

O Bankia, o Caixabank e o Ministério da Economia não quiseram comentar, segundo a notícia.

O Estado espanhol detém 61,8% do capital do Bankia e a fundação La Caixa detém, através da sua empresa-mãe Criteria, 40% do Caixabank.

Os membros dos conselhos de administração devem assinar nesta quinta-feira os termos financeiros de um acordo, que levará à  criação de um banco com cerca de 600 mil milhões de euros em ativos, escreve a Reuters.

O CaixaBank tem 100% do português BPI.

O Caixabank, segundo a Reuters, está a considerar oferecer um prémio entre 15% e 20% sobre o preço médio das ações do Bankia nos últimos três meses, avaliando o Bankia em cerca de 4 mil milhões de euros.

 

Ler mais
Recomendadas

Marques Mendes diz que CGD liderará sindicato bancário para financiar o Novo Banco

Luís Marques Mendes, revelou este domingo que a injeção do Fundo de Resolução no Novo Banco vai ser possível através do empréstimo de um sindicato bancário, que será liderado pela CGD. O comentador revelou que não houve qualquer conversa entre o BCP e o Governo para uma fusão com o Montepio. O JE confirmou que Miguel Maya não falou com João Leão sobre uma integração do Banco Montepio.

“Há bancos que podem ter de vir a realizar aumentos de capital”, alerta Faria de Oliveira

Em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, Faria de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Bancos, defende que a banca é essencial e “vai ter papel decisivo no resgate à economia”. Ainda assim, Faria de Oliveira admite que há bancos que podem ter de vir a realizar aumentos de capital porque, para enfrentar a crise pandémica, a rentabilidade vai diminuir.

Faria de Oliveira: “Novo Banco? Os compromissos de Estado são para cumprir”

Em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, Faria de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Bancos, considera que, sobre os pagamentos do Fundo de Resolução ao Novo Banco, existindo um compromisso escrito através de um contrato, “o não cumprimento em termos de reputação do país é extremamente negativo”.
Comentários