Revista científica internacional lança alerta sobre a deterioração do SNS português

Portugal é um dos únicos quatro países, entre os 33 países analisados pela OMS, que reduziu a despesa pública de saúde entre 2000-2017, alerta a revista The Lancet no seu editorial. Alerta surgiu no dia em que Marcelo Rebelo de Sousa afirmou esperar para ver “qual a prioridade dada à saúde” no Orçamento.

A publicação científica The Lancet, uma das mais antigas e prestigiadas revistas médicas do mundo, alertou no passado dia 12 de outubro no seu editorial para a preocupante situação do Serviço Nacional de Saúde português (SNS). O alerta é agora destacado pelo Sindicato Independente dos Médicos (SIM) que realça o destaque do editorial desta revista: “Portugal é um dos únicos quatro países, entre os 33 países analisados pela OMS, que reduziu a despesa pública de saúde entre 2000-2017”.

De acordo com a revista The Lancet , “a falta de investimento no SNS está a impedir a modernização de hospitais e a substituição de material médico obsoleto”, acrescentando que “os trabalhadores do SNS ficam desmotivados com as precárias condições de trabalho e procuram emprego no setor privado e no estrangeiro”.

O editorial conclui que “o SNS não vai de encontro às necessidades da população”, destacando que “o novo governo socialista não pode deixar passar esta nova oportunidade para priorizar a saúde e tornar o seu acesso possível para todos”.

Para o SIM este alerta está em linha com o que referiu, neste sábado, 12 de Outubro, o Presidente da República que afirmou que há que esperar para ver “qual a prioridade dada à saúde” no Orçamento do Estado para 2020, apontando este setor como “uma das prioridades sensíveis” para a generalidade dos portugueses.

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas na Estufa Fria, em Lisboa, onde visitou uma exposição de obras de arte que vão ser leiloadas com um fim solidário, organizada pela Capiti – Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Infantil, para assinalar o Dia Mundial da Saúde Mental.

 

No OE se verá “qual é o peso que o Governo dá à saúde”, diz Marcelo

Questionado se o Governo não pode fazer mais pela saúde, num cenário de possível excedente orçamental, o chefe de Estado respondeu: “Vamos esperar. Houve eleições, o Governo está em formação, há de haver um Governo, há de haver um Orçamento para o próximo ano. E aí se verá qual é o peso que o Governo dá à saúde, como é que vai afetar os recursos para a saúde, qual a prioridade dada à saúde”.

“Nós sabemos que, para os portugueses em geral, a saúde é uma das prioridades sensíveis. Vamos esperar agora para ver como é no Orçamento para o ano que vem”, acrescentou.

Escusando-se a comentar “casos concretos” e a fazer uma avaliação da oferta do SNS, o Presidente da República defendeu que “é muito importante dar à saúde mental aquele relevo que durante muito tempo não teve”.

No seu entender, têm sido dado “muitos passos, públicos e privados” nesta matéria, “mas ainda há muito por fazer”.

Ler mais
Relacionadas

Bastonário da Ordem dos Médicos considera fecho da urgência pediátrica do Garcia de Orta como “falência do Estado”

O bastonário da Ordem dos Médicos considera que o encerramento da urgência pediátrica do Garcia de Orta na noite de sábado representou uma “falência do Ministério da Saúde e do Estado”, que está há meses sem resolver a situação.

Marcelo Rebelo de Sousa espera para ver “qual a prioridade dada à saúde” no Orçamento

O Presidente da República afirmou este sábado que há que esperar para ver “qual a prioridade dada à saúde” no Orçamento do Estado para 2020, apontando este setor como “uma das prioridades sensíveis” para a generalidade dos portugueses.

SNS gerou prejuízo de 848 milhões em 2018. Gastos com pessoal levaram quase 40% do orçamento

Agravamento é explicado em parte pelo “crescimento dos gastos com pessoal, dos fornecimentos e serviços externos e das mercadorias vendidas e matérias consumidas, contrapondo com a diminuição das transferências correntes registadas, uma vez que foram efetuadas em 2018 entradas de capital sem impacto nos rendimentos do ano”, refere o Relatório e Contas do Ministério da Saúde do SNS.
Recomendadas

Doentes internados com alta obrigam Curry Cabral a adiar operações

Serviço de ortopedia ficou sem capacidade de internamento.

Tabaco aquecido causa danos no fígado e o eletrónico liberta metais pesados

Novas formas de tabaco têm outros tóxicos com risco acrescido para a saúde, alerta a médica pneumologista Sofia Ravara.

Mais de 30% dos portugueses não vão ao dentista ou só vão em caso de urgência

Mais de 30% dos portugueses não vão ao dentista ou só o fazem em caso de urgência e quase 10% não tem qualquer dente, segundo o Barómetro da Saúde Oral de 2019.
Comentários