Ricardo Baptista Leite: “Tivemos um óbito num turno de 12 horas, além de outros casos muito complexos”

Deputado social-democrata alerta para falhas na resposta à pandemia de Covid-19, que chegou a enfrentar nas urgências do Hospital de Cascais. Testagem em massa, bem como o isolamento dos infetados e casos suspeitos, serão essenciais para garantir que a segunda vaga não se tornará ainda mais difícil de controlar.

Ricardo Baptista Leite

O início da pandemia de Covid-19 levou Ricardo Baptista Leite a oferecer-se como voluntário, pelo que pôde ver a “evolução galopante” da doença. “Tenho a felicidade de poder exercer a arte médica, de ter a vertente académica e de exercer funções políticas, o que me permite ter uma visão mais abrangente e, sobretudo, identificar dificuldades no terreno e estar numa posição em que as possa verbalizar”, diz o deputado social-democrata em entrevista ao programa “Primeira Pessoa” do site do Jornal Económico.

Qual é a memória que retém da primeira vez em que viu um doente de Covid-19?

No início desta pandemia, devido às dificuldades que os colegas estavam a viver, ainda por cima tendo formação de base em doenças infeciosas, senti que era meu dever regressar ao hospital. Ofereci-me como voluntário ao Hospital de Cascais, que é a minha terra, e recordo-me bem desse primeiro dia, pois tivemos um óbito num turno de 12 horas, além de outros casos muito complexos. O óbito marcou-me de forma muito forte porque a Covid-19 é uma doença que evolui muitas vezes de forma galopante. Alguém com saturações de oxigénio relativamente estáveis pode começar a baixar subitamente e a precisar de oxigénio e de cuidados intensivos. No caso desta doente em particular não chegámos a tempo de a colocar em cuidados intensivos. Lembro-me de ter relatado o caso num programa de televisão, naturalmente sem pormenores, e de a filha dessa doente ter chegado ao meu contacto, agradecendo todo o trabalho que a equipa fez. Marcou-me muito porque, não tendo sido um sucesso, demonstrou-me a voracidade deste vírus, sobretudo na população mais idosa, e o lado humano com que os profissionais de saúde lidam diariamente.

É importante haver alguns decisores políticos que tenham experiência da linha da frente do combate à pandemia?

Precisamos, acima de tudo, de pessoas dedicadas à causa pública e que queiram trabalhar para o bem comum. Tenho a felicidade de poder exercer a arte médica, de ter a vertente académica e de exercer funções políticas, o que me permite ter uma visão mais abrangente e, sobretudo, identificar dificuldades no terreno e estar numa posição em que as possa verbalizar. Muitas vezes quem nos governa está distante, até por força das circunstâncias, e ter quem possa alertar para essas dificuldades deve ser encarado como útil e construtivo. Recordo que no início da pandemia também organizei um movimento informal de voluntários chamado “Um Passo à Frente do Coronavírus”, que era um portal onde médicos, outros profissionais de saúde e bombeiros podiam registar-se para dizer que material lhes faltava, nomeadamente equipamento de proteção individual. Distribuíamos a informação ao Ministério da Saúde e a fornecedores de equipamentos, conseguindo aos poucos repor o material em falta e garantir proteção para quem estava a lidar com doentes com Covid-19. Houve muitos outros exemplos de solidariedade e de respostas a partir da sociedade civil que creio serem determinantes quando estamos a lidar com uma crise desta magnitude. Espero que esse espírito solidário, na política e na sociedade em geral, se possa perpetuar agora que estamos a iniciar um período difícil, do ponto de vista económico e social, resultante desta mesma pandemia.

Alertou recentemente que “não há dúvida de que teremos terceiras vagas de Covid-19 se não houver vacina”. Portugal encontra-se preparado sequer para a segunda vaga?

É fundamental perceber que se não tomarmos as medidas necessárias, e isto significa controlar a pandemia através de uma estratégia agressiva de identificação precoce e contenção do vírus, com testagem massiva e isolamento efetivo de todos os casos de infetados e suspeitos, além do controlo de entradas no país, será impossível controlarmos a pandemia. Some-se a isto a responsabilidade individual – uso de máscara, lavagem de mãos, distanciamento físico – e só assim poderemos garantir essa resposta. Se não o fizermos teremos vagas sucessivas enquanto não houver uma cura ou uma vacina. Por isso é que se tem apelado para que se tomem todas as medidas necessárias. A prevenção que passa pela testagem massiva, a utilização de testes rápidos como mais uma ferramenta – não substituem os testes clássicos, mas os testes antigénio podem ser mais uma ferramenta de rastreio rápido para situações de risco, nos lares, prisões e escolas – e um dispositivo público que permita identificar todos os que tenham estado em contacto com infetados. O Plano Outono-Inverno do Governo fala em 24 horas para o fazer, mas nessas 24 horas há que não só identificar as pessoas como garantir o seu confinamento. No hospital éramos nós que tínhamos de ligar às pessoas que estavam à espera do resultado, para dizer que iriam ser contactadas pelas autoridades de saúde e teriam de ficar confinadas. Recordo-me bem de uma senhora, divorciada e com dois filhos, me dizer que não tinha condições para ficar confinada, pois vivia do seu trabalho e tinha de pôr pão na mesa. Temos que ter respostas para isto, pois caso contrário as pessoas vão continuar a circular.

A falta de condições para o isolamento de infetados é a principal falha até agora?

É um desafio para o qual não temos resposta neste momento. E o outro é a testagem em lares. Mesmo no Plano Outono-Inverno só está previsto testar utentes, residentes e funcionários se houver um caso positivo. Isto é um disparate, pois deveríamos testar rotineiramente pelo menos os funcionários, que podem trazer o vírus para dentro do lar. A partir do momento que há um caso positivo de um residente, muitas mais pessoas já estão potencialmente infetadas numa população de altíssimo risco. Sabemos que a mortalidade entre pessoas com mais de 80 anos ronda os 20%. Também temos de ser mais eficientes nas entradas no país. Melhorámos significativamente nos aeroportos e portos marítimos, mas não se pode facilitar. E outras medidas que podemos tomar para reduzir a carga sobre o Sistema de Saúde. Na vacina da gripe é incompreensível que Portugal, alertado por tantos especialistas desde o início da pandemia, apenas tenha conseguido dois milhões de doses quando temos uma população de potenciais vacinados superior a oito milhões. Temos dois milhões de vacinas para o setor público, para pessoas que são vacinadas gratuitamente pelo SNS, com mais de 65 anos, grávidas, funcionários de lares, profissionais de saúde do SNS – porque os do setor privado não têm direito à vacina, apesar de correrem elevado risco e de serem vetores de transmissão – e depois só há 500 mil vacinas para o setor privado.

Já se assiste a uma enorme pressão sobre as farmácias. Teme que possa haver descontrolo e pânico por não haver vacinas para todos?

Já se sente nas pré-encomendas. Não há mais do que 500 mil doses para o setor privado, pois o Governo não se antecipou, e como tal tem de haver uma gestão muito cuidadosa. Creio que o Governo não pode deixar as farmácias comunitárias sem orientações. Aliás, o Plano Outono-Inverno menciona a hipótese de as farmácias vacinarem as pessoas com as vacinas do SNS, o que acho muito bem, para facilitar o acesso, mas não é claro que acordo existe para que as farmácias sejam obrigadas a dar as vacinas. Fica-se com a sensação de que ainda há muito trabalho a fazer quando já estamos praticamente no outono. E outro pilar que me preocupa sobejamente é saber se haverá resposta para os doentes não-Covid, com cancro, com diabetes, com hipertensão arterial.

O plano do Governo menciona uma “taskforce”.

Aquilo que o Governo propõe é criar um grupo de trabalho e conhecemos o histórico dos grupos de trabalho. Precisamos de um plano de ação que indique como vamos lidar com as listas de espera que herdámos do antes da Covid e que se agravaram no período da pandemia, com quatro milhões de consultas de cuidados primários que não se realizaram, tal como um milhão de consultas hospitalares e mais de 100 mil cirurgias. Se houver um aumento substancial no número de casos de Covid-19, e se isso agravar ainda mais as listas de espera, a mortalidade excessiva vai aumentar e a qualidade de vida das pessoas vai degradar-se, particularmente dos mais doentes e mais vulneráveis. É fundamental haver uma resposta e aquilo que se sente é que o Plano fala num reforço dos serviços de saúde primária, mas no terreno a resposta a quem tem de recorrer ao médico de família é que os centros de saúde estão fechados ou os telefones não são atendidos ou há objetivamente dificuldade em responder a todos.

E depois temos consultas telefónicas a doentes cardíacos ou oncológicos, o que estará longe de ser a melhor solução.

Haverá situações de receituário em que, se calhar, uma teleconsulta será suficiente, mas aquilo que nos tem chegado é que há situações em que por dificuldade de resposta a única resposta possível é a teleconsulta. Parece-nos que, em relação aos doentes ditos não-Covid, precisamos de um plano de ação que implica utilizar o sistema de saúde como um todo. Se necessário for, recorrer ao setor social e ao setor privado para garantir resposta às listas de espera e garantir que, se houver um aumento do número de casos e de suspeitas de Covid-19, possamos aliviar o Serviço Nacional de Saúde (SNS). Precisamos, num país de baixos recursos, de garantir que todo o sistema é utilizado. Aquilo que se lê no Plano é criar um grupo de trabalho, o que nos parece manifestamente insuficiente.

Tal recurso a todo o sistema parece-lhe possível tendo em conta as posições do Governo e dos partidos da esquerda no que toca à saúde privada?

O Estado tem como seu primeiro dever proteger os mais vulneráveis, e se o SNS tiver uma procura tal que não consegue dar resposta, como sucedeu nos últimos meses, não utilizarmos todo o sistema de saúde, que inclui os setores público, privado e social, será estarmos a falhar perante os doentes. Mais importante do que questões ideológicas de cada partido e de cada um, é que quem está à frente do Ministério da Saúde é responsável pela saúde dos portugueses. O Governo e o primeiro-ministro têm a responsabilidade de garantir uma resposta para populações em situação de maior vulnerabilidade. Não consigo perceber que por uma questão ideológica se prefira deixar os doentes à espera, sem resposta, a ficarem piores da sua saúde e a verem degradar a sua qualidade de vida, prejudicando por a sua condição social e económica e, porventura, a condição económica da comunidade, por uma questão de teimosia ideológica. Temos de estar focados naquilo que importa, que é em responder às necessidades das pessoas.

Ler mais
Relacionadas

PremiumRicardo Baptista Leite: “Não mantemos a economia a funcionar por decreto”

Deputado social-democrata ficou surpreendido com a exoneração de Jamila Madeira, mas diz estar mais focado no combate à pandemia. E defende mecanismos financeiros para incentivar isolamento voluntário de infetados e suspeitos de terem Covid-19.

“Primeira Pessoa”: “A nossa economia está nos cuidados intensivos”

O médico e deputado do PSD, Ricardo Baptista Leite, foi o convidado de Leonardo Ralha, sub-diretor do JE, no programa “Primeira Pessoa”, da plataforma JE TV. Este deputado analisou a economia pós-pandemia e considerou que a mesma “está nos cuidados intensivos”.
Recomendadas

Líderes europeus querem evitar a todo o custo novo encerramento de fronteiras, sublinha António Costa

No final do Conselho de Ministros extraordinário desta quinta-feira, António Costa explicou os compromissos e estratégias acertadas entre os líderes dos 27 estados-membros do bloco europeu, sublinhando que a responsabilidade de conter a pandemia e evitar o colapso dos sistemas de saúde é, agora, de cada um “individualmente”.

França vai gastar 15 mil milhões de euros com medidas de contenção para conter novo coronavírus

“Vamos reforçar todos os dispositivos de ajuda”, afirmou o governante, especificando que seis mil milhões respeitam a fundos de solidariedade, sete mil milhões para desemprego parcial (o designado ‘lay-off’), mais de mil milhões para exonerações de contribuições sociais e outro tanto para assumir custos de empresas com alugueres.

“Não desistimos de nenhuma batalha antes de acabar”. PCP apresenta propostas de alteração ao OE 2021

Entre as medidas apresentadas, no campo da justiça fiscal, João Oliveira anunciou que os comunistas pretendem a “atualização dos escalões IRS, o aumento de mais um escalão neste imposto aumentando a progressividade do mesmo, bem como o aumento dos chamados valores do mínimo de existência e dedução especifica, permitindo cumprir o objetivo de redução da tributação dos rendimentos mais baixos, intermédios”.
Comentários