Rio Tejo ganha cinco vigilantes da natureza para detetar crimes ambientais

Os vigilantes vão possuir “um vasto número de equipamentos de monitorização e análise” para monitorizar, fiscalizar e vigiar o rio Tejo.

O rio Tejo vai ganhar cinco vigilantes da natureza com o objetivo de combaterem crimes ambientais. A criação desta equipa de vigilantes surgiu no âmbito do Plano de Ação Tejo Limpo.

“A contratação dos novos vigilantes da natureza constitui mais um passo importante na implementação do Plano de Ação Tejo Limpo, que tem como objetivo restabelecer a qualidade de água no rio Tejo”, segundo um comunicado do Ministério do Ambiente divulgado esta terça-feira, 3 de setembro.

Os vigilantes foram contratados para desempenhar funções de monitorização, fiscalização e vigilância do ambiente e recursos naturais, nomeadamente o domínio hídrico. Os vigilantes da Natureza vão ainda desenvolver ações de formação e sensibilização para os utilizadores do rio Tejo.

Estes profissionais vão possuir “um vasto número de equipamentos de monitorização e análise”, sendo que uns vão ser instalados no Tejo e outros serão portáteis. Os novos equipamentos, juntamente com os existentes, vão permitir abarcar o curso principal do Tejo e os afluentes.

Os meios tecnológicos como tablets, smartphones e hotspots vão permitir aos vigilantes o registo, comunicação e reporte do seu trabalho diário, em tempo real, à Plataforma Eletrónica Única de gestão do rio Tejo.

Recomendadas

A bem da saúde e do ambiente. Seguradora passa a pagar aos colaboradores para irem de bicicleta para o trabalho

Esta iniciativa, pioneira em Portugal, e que é lançada no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade, segue o exemplo dos vizinhos espanhóis da Liberty Seguros. Empresa vai pagar 37 cêntimos de euro por quilómetro a quem for a pedalar para o trabalho.

Investidores, académicos e startups de impacto reúnem-se em Lisboa por um futuro mais sustentável

A capital portuguesa recebe entre 23 e 25 de abril de 2020 o evento “Planetiers World Gathering”, que pretende ser uma mostra de soluções sustentáveis em várias indústrias.

Ministro do Ambiente: “Temos de repensar a ciência económica quando a queremos em prol do bem estar”

Na apresentação do “Planetiers World Gathering”, João Pedro Matos Fernandes defendeu que os processos para atingir a metas de desenvolvimento sustentável da ONU têm que ter componentes de negócio.
Comentários