Rio Tejo ganha cinco vigilantes da natureza para detetar crimes ambientais

Os vigilantes vão possuir “um vasto número de equipamentos de monitorização e análise” para monitorizar, fiscalizar e vigiar o rio Tejo.

O rio Tejo vai ganhar cinco vigilantes da natureza com o objetivo de combaterem crimes ambientais. A criação desta equipa de vigilantes surgiu no âmbito do Plano de Ação Tejo Limpo.

“A contratação dos novos vigilantes da natureza constitui mais um passo importante na implementação do Plano de Ação Tejo Limpo, que tem como objetivo restabelecer a qualidade de água no rio Tejo”, segundo um comunicado do Ministério do Ambiente divulgado esta terça-feira, 3 de setembro.

Os vigilantes foram contratados para desempenhar funções de monitorização, fiscalização e vigilância do ambiente e recursos naturais, nomeadamente o domínio hídrico. Os vigilantes da Natureza vão ainda desenvolver ações de formação e sensibilização para os utilizadores do rio Tejo.

Estes profissionais vão possuir “um vasto número de equipamentos de monitorização e análise”, sendo que uns vão ser instalados no Tejo e outros serão portáteis. Os novos equipamentos, juntamente com os existentes, vão permitir abarcar o curso principal do Tejo e os afluentes.

Os meios tecnológicos como tablets, smartphones e hotspots vão permitir aos vigilantes o registo, comunicação e reporte do seu trabalho diário, em tempo real, à Plataforma Eletrónica Única de gestão do rio Tejo.

Recomendadas

Goldman lança fundo de ações de impacto ambiental global

O portfólio concentrar-se-á nas empresas que a equipe da sociedade gestora de ativos acredita que podem apoiar uma maior sustentabilidade ambiental e estão bem posicionadas para beneficiar da procura a longo prazo. Isto inclui empresas alinhadas e que seguem cinco temas ambientais principais: Energia limpa; eficiência de recursos; consumo e produção sustentáveis; economia circular e sustentabilidade da água.

Isabel dos Santos e Sonangol recebem em 2019 maiores dividendos da Galp dos últimos 12 anos

Os resultados da Galp em 2019 são divulgados na madrugada de 18 de fevereiro, antecipando a realização em Londres, amanhã, terça-feira, de um “Capital Market Day” da Galp. Os accionistas da petrolífera vão receber o maior dividendo de sempre.

Economia mundial será afetada em 436 mil milhões de euros pelas alterações climáticas

Segundo um estudo do World Wildlife Fund, as alterações climáticas vão penalizar em 436 mil milhões de euros a economia mundial até 2050. As economias dos Estados Unidos, do Reino Unido e do Japão serão as mais afetadas.
Comentários