Riscos internos podem levar a corte de ‘rating’ de Portugal

Cristina Casalinho, presidente do IGCP, alertou esta manhã no Parlamento que há riscos internos sobre a dívida pública que, a materializarem-se, e se levarem à descida do ‘rating’, tiram o país dos principais índices de dívida soberana.

A perceção dos mercados financeiros sobre a dívida da República comporta alguns riscos que, se se materializarem, retiram Portugal dos principais índices de obrigações de dívida soberana, o que “afunila” a base de investidores e terá repercussões no custo do financiamento externo.

Cristina Casalinho, presidente da Agência de Gestão de Tesouraria e da Dívida Pública — IGCP, disse esta manhã, na Comissão de Orçamento e Finanças que uma alteração ou antecipação do programa de compra de ativos lançado pelo Banco Central Europeu (BCE) para estabilizar os mercados poderá levar a um “ligeiro aumento” das taxas de juro. Este é um risco externo que, a materializar-se, terá impacto na gestão da dívida. E, além deste, existem riscos internos.

Questionada sobre quais seriam esses riscos, a presidente do IGCP disse que “são aqueles que as próprias instituições de rating também identificam” e que surgem de várias frentes: atividade económica, recuperação da economia e disciplina orçamental do Estado sobre as contas públicas.

Cristina Casalinho identificou, um a um, os principais riscos internos: “desapontamento relativamente à evolução da atividade económica em Portugal, o PIB não crescer conforme ao que estava projetado, a recuperação não ser de forma sustentada e abrangente, haver alguma inversão de tendência em relação ao défice tirando o ano extraordinário que foi 2020, portanto, retomar a lógica de disciplina fiscal que tem vindo a presidir as decisões de nível orçamental”.

A materializarem-se, “e se baixarmos de nível de rating”, voltamos a sair dos principais índices de obrigações de dívida soberana, e significa que a nossa base de investidores fica muito mais afunilada e reflete-se em custos relativos acrescidos”, alertou a presidente do IGCP.

Relacionadas

Cristina Casalinho: “Permanece percepção de risco sobre a dívida portuguesa”

Apesar do programa de compras lançado pelo Banco Central Europeu em março, que estabilizou o mercado, os investidores continuam a olhar para dívida da República com algum risco, disse a presidente do IGCP. Covid-19 impediu execução de troca de empréstimos para alongar maturidades.

Christine Lagarde admite estratégia de “maquilhagem” com um horizonte de política monetária mais curto no BCE

A presidente do Banco Central Europeu admite mudar a estratégia do organismo para alinhá-la com a da Reserva Federal dos Estados Unidos, incluindo um compromisso de deixar a inflação subir depois de ter estado baixa por muito tempo.
Recomendadas

Administradores e entidades relacionadas vendem participações na Sonae Capital

A empresa comunicou esta sexta-feira a venda de várias participações de administradores e entidades relacionadas com estes, no âmbito da oferta lançada pela Efanor, no dia 28 de outubro, por 0,77 euros por ação.

Wall Street fecha em baixa penalizada pela tecnologia

O índice Nasdaq caiu mais de 2% na última sessão da semana. O Facebook tombou 6% depois de apresentar números de utilizadores na América abaixo do esperado.

Flexdeal lança OPA sobre 19% da Raize

A Flexdeal lançou uma OPA sobre 19% do capital da Raize oferecendo 0,90 euros por ação o que perfaz um investimento total de 855 mil euros na operação.
Comentários