Rita no país das pretensas maravilhas…

Devo ser das poucas a questionar tudo mas aprendi que devemos pensar pela nossa cabeça e fazê-lo com todos os dados possíveis. Este é o desafio que deixo.

No matter what anybody tells you, words and ideas can change the world”, Keating – The Dead Poets Society

No início da designada silly season, sendo que sou das que considera que corremos o risco de vivermos eternamente nesta, anseio por banhos de mar enquanto me deparo ainda com múltiplos despedimentos, violações do segredo de justiça, nomeações sucessivas entre familiares e mortes inexplicadas com carros ministeriais a alta velocidade. Já nada disto espanta o cidadão, servindo apenas de mote para umas piadas.

Contudo, quando a poeira assenta, a sensação que fica é a da total impunidade dos que, tendo prometido cumprir as funções para que foram eleitos, apenas as usam para se governarem a si mesmos.

No país de Costa, estamos a vencer a batalha da Covid, nem que mais não seja à custa da bazuca de milhões, enquanto as empresas que estão sob a égide de Pedro Nuno Santos se aproximam perigosamente da insolvência, com a quebra de postos de trabalho. Há quem aplauda sem saber nada sobre o assunto e demonstrando apenas uma inveja quase mórbida pelos ordenados que gostava de ganhar. Para os demais, permanece a total indiferença, desde que não lhes toque a eles. Entretanto, morreu um trabalhador em contornos inexplicados e também ninguém se responsabiliza.

No país que temos passar de bestial a besta pode ocorrer numa fracção de segundos, sem que, sequer, se tenha a certeza dos factos imputados. A justiça deixou de ser feita em tribunais para nos ser servida em debates ao jantar, funcionando cada um de nós como júris de um julgamento popular face à versão que alguém escolhe para nos apresentar.

Nos dias que correm, não distinguimos a ficção da realidade e ninguém parece querer saber realmente de nada, excepto se puder transformar qualquer acontecimento numa espécie de telenovela da vida real ou em mais um cromo para o anedotário nacional.

A questão deixou de ser se acreditamos em contos de fadas mas, antes, se estamos disponíveis para fingir que vivemos numa realidade alternativa, pelo menos até ao dia em que toque a um de nós, altura em que a revolta toma conta de nós e passamos a exigir a justiça que nunca reclamámos para os outros.

Pela minha parte, entre sonhos de felicidade impossível e a verdade escolherei sempre a última porque os primeiros tendem a esbater-se.

Mesmo com o mar à vista e o sol a aquecer-nos a alma, vivemos numa crise profundíssima de valores, sem que se perspective qualquer alteração à forma como perspectivamos as coisas, apenas porque nos é mais fácil acreditar na viagem de sonho, ainda que o barco esteja manifestamente a afundar.

Devo ser das poucas a questionar tudo mas aprendi que devemos pensar pela nossa cabeça e fazê-lo com todos os dados possíveis. Até lá prefiro não embarcar em roteiros previamente definidos porque as melhores surpresas são aquelas que descobrimos nos nossos próprios trilhos.

Este é o desafio que deixo, não desconhecendo que a maré não é favorável aos que ousam fazer o seu caminho sozinhos, ainda que atentos à sorte dos demais.

A autora escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

A raiz do medo

Se os ditos negacionistas pretendem ser respeitados, têm que começar por dar idêntico tratamento aos outros em vez de seguirem os passos de um aparente guru espiritual, que ora vestindo a toga, ora a beca, se permite considerar acima de outros cidadãos.

Como será o amanhã no mundo do trabalho? Responda quem puder…

A pandemia veio acelerar a mais que certa transformação digital, mas trazer agridoce incerteza ao mundo em geral, e ao trabalho em particular. A par das perdas, veio abrir oportunidades.

Lisboa, a Capital

Compete às autoridades municipais de Lisboa zelar pela segurança dos seus munícipes e exigir a correta manutenção da ordem pública. Em plena campanha eleitoral é, no mínimo, estranho que o tema não seja um dos principais a debater.
Comentários