PremiumRitmo da transição leva a dança de cadeiras na Galp

A meio do segundo mandato, Carlos Gomes da Silva vai ser substituído por Andy Brown na liderança da Galp, que traz 35 anos de experiência na Shell.

Surpresa, foi a palavra principal aplicada pelos analistas para descrever o anúncio da Galp Energia esta terça-feira: o CEO, Carlos Gomes da Silva, vai renunciar e ser substituído pelo britânico Andy Brown, a 19 de fevereiro.

A meio do segundo mandato, a era de Gomes da Silva à frente da empresa durou seis anos, um período mais curto do que o normal na liderança de petrolíferas.

“Na nossa análise de 100 anos de CEOs nas majors petrolíferas, a duração média é de nove anos. Prestes a fazer seis anos no cargo, a saída de Gomes da Silva veio cedo e apanhou-nos a nós e ao mercado de surpresa”, afirmou Oswald Clint, analista do Bernstein.

“As partidas prematuras, na maioria dos casos, devem-se a dois tipos de motivos – razões pessoais ou desentendimentos internos”, explicou Clint. “No caso da Galp pensamos que foi o segundo motivo”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas
catarina_martins_oe_2020

Covid-19: Catarina Martins faz um apelo a Costa para que estenda já as moratórias

“Deixo aqui hoje este apelo a António Costa: não espere que seja tarde demais, não espere pelo início dos despejos e das falências. As moratórias têm de ser estendidas já”, num comício maioritariamente virtual que assinalou o encerramento da conferência autárquica online e os 22 anos do BE, que comemora no domingo a sua fundação.

TAP. Ratificação dos acordos com pilotos e tripulantes era “passo crucial”, diz o Governo

“Porque estes acordos representam um compromisso muito firme de todos com o futuro da companhia, dão ainda mais credibilidade ao plano de reestruturação que o Estado português continuará a negociar com a Comissão Europeia ao longo das próximas semanas”, sublinhou o Ministério das Infraestruras e da Habitação.

Serviços postais caem 12,4% mas tráfego de encomendas dispara 20% em 2020

Tráfego total dos serviços postais caiu 12,4% em 2020, uma quebra que “está associada aos efeitos da pandemia da Covid-19” e que foi “mais expressiva” do que o recuo verificado em 2019 (-6,7%). A pandemia terá tido “um impacto direto, negativo, de 9,8% no tráfego postal total”.
Comentários