Rui Moreira: “TAP está a tentar impor um confinamento ao Porto e ao norte”

“O Porto, Trás-os-Montes, o Douro e o Minho, e a parte norte da região centro, também fazem parte de Portugal”, destacou Rui Moreira, exigindo que a TAP trate o Porto e a região norte com igualdade face a Lisboa na retoma dos voos.

O autarca do Porto veio hoje a público criticar o plano anunciado ontem pela TAP para a retoma de parte dos seus voos durante o mês de junho.

“Não tentemos por um momento ocultar a realidade. A realidade é simples: A TAP está a tentar impor um confinamento ao Porto e ao norte”, disse hoje Rui Moreira em conferência de imprensa.

A TAP anunciou na segunda-feira que as ligações entre o Porto e Lisboa vão aumentar para três por dia em julho, sendo repostas as “ligações diretas do Porto aos principais mercados de destino e origem de passageiros da TAP desde o aeroporto Francisco Sá Carneiro”, anunciou ontem a companhia, incluindo voos para Paris, Luxemburgo e dois semanais para a Madeira.

“Na senda daquilo que tem sido a sua história, a TAP nunca perdeu o vínculo de ser uma empresa de caracter colonial e a sua estrutura nunca pensou de outra maneira”, acrescentou.

Dando o exemplo de 2016, “numa altura em que a TAP dizia que não reforçava os voos [para o Porto] porque não havia mercado, apareceram nove operadores”, incluindo a rota da United para Nova Iorque, o reforço da Turkish Airlines, e a entrada da Emirates.

Então, a TAP de uma “forma oportunista”, e num momento em que o aeroporto do Porto crescia, “a TAP voltou”. “Agora, numa altura em que o país mais precisa a TAP abandona o país. Porque estar só em Lisboa representar abandonar o país. Abandona Faro, Funchal, os Açores e o norte”, segundo o autarca numa conferência de imprensa na câmara da Maia.

“Tudo seria mais ou menos aceitável se a TAP fosse um operador privado. Mas sucede que a TAP não é carne nem peixe. É uma empresa privada quando tem de tomar decisões, e é uma empresa publica quando quer que os portugueses paguem os seus vícios, criados na operação ruinosa no brasil que levou a TAP à situação atual”, acusou Rui Moreira.

O autarca da cidade invicta questionou o Governo: “Vamos entrar na TAP, todos os portugueses, para que? A ajuda de Estado não é para resolver o problema da pandemia, mas para resolver os problemas”.

 

TAP retoma voos para Maputo, Luanda e Nova Iorque em Junho

“Ou é uma empresa privada que não serve o país, ou é uma empresa participada pelo Governo que tem que ser tomada com um ativo estratégico nacional. Se querem uma companhia de carater regional, incorporem a TAP na Carris. Não façam de nós tolos”, afirmou.

Rui Moreira destacou o contributo da região norte para a produtividade do país durante a pandemia. “Esta região foi a que mais contribuiu para o crescimento da produtividade nacional onde as empresas continuaram a trabalhar”.

“Se o Governo entender apoiar a TAP, exigir que a TAP retome a mesma percentagem entre Lisboa, Porto, Faro, Madeira e Açores”, defendeu.

“A TAP não pode ser tratada como uma entidade diferente. O Porto, Trás-os-Montes, o Douro e o Minho, e a parte norte da região centro, também fazem parte do publico e do Portugal”, concluiu Rui Moreira.

Ler mais
Recomendadas

PremiumISQ vai investir mais de um milhão de euros no fabrico aditivo (3D)

Pedro Matias, presidente da empresa, anuncia que vai ser criado um Laboratório de Manufatura Aditiva, que será único em Portugal.

Salas de cinema registam quebras na ordem dos 96% em julho

Segundo os dados do Instituto do Cinema e do Audiovisual, as salas de cinema nacionais receberam no último mês cerca de 78 mil espectadores, o que traduz uma quebra de 95,6% comparativamente à audiência em 2019,

PremiumRisco de continuidade do negócio é o mais relevante para as empresas

Um estudo da MDS revela que a possibilidade de recuperação em ‘V’ é, do lado das empresas, uma miragem: um a três anos é o tempo mínimo esperado de regresso à atividade pré-pandemia.
Comentários