Rui Pinto acusa presidente do Benfica de alegada corrupção no Brasil

Em colaboração com o Ministério Público, o hacker acusou Luís Filipe Vieira de alegada corrupção para viabilizar a construção de um complexo hoteleiro no Brasil, em Recife, numa parceria com uma empresa visada na operação Lava Jato, segundo o Observador.

hacker português Rui Pinto acusou o presidente do SL Benfica, Luís Filipe Vieira, de estar envolvido num caso de alegada corrupção no Brasil, avança o “Observador” esta quarta-feira, 9 de setembro. De acordo com a publicação, em causa está a sua empresa, a Promovalor, e uma parceria com a brasileira Odebrecht, uma peça central na operação Lava Jato.

A divulgação sobre os atos de Luís Filipe Vieira e a Promovalor fazem parte da colaboração do hacker com o Ministério Público, podendo levar a uma nova investigação contra o presidente do clube das águias. A publicação aponta que estão em causa alegados subornos para viabilizar a construção de um hotel situado no litoral do Recife.

O projeto em causa é o complexo turístico Reserva do Paiva, inaugurado em novembro de 2014, e que terá levado a um investimento superior a 200 milhões de euros, enquanto só o hotel teve um investimento superior a 45 milhões de euros. Ao “Observador”, Luís Filipe Vieira afirmou que não comenta “declarações e investigações que desconheço, sobretudo declarações vindas de alguém que já nos habituou a manipular informação, que dispara em todas as direções e que falseia repetidamente a realidade”.

Recomendadas

Tribunal da Concorrência declara prescrição de coimas do BdP a ex-administrador do Montepio

Tribunal da Concorrência declarou a prescrição das contraordenações imputadas pelo supervisor ao ex-administrador do Montepio Rui Amaral, num processo que já teve sentença anulada pelo Tribunal da Relação e que tem novo início agendado para a semana.

Tribunal de Justiça da UE confirma que BCE pode manter documentos confidenciais sobre o BES

No acórdão, o Tribunal de Justiça nega provimento ao recurso da sociedade luxemburguesa Espírito Santo Financial Group (uma das entidades através da qual o GES assegurava o controlo do BES) que pedia a anulação da decisão do BCE de 31 de agosto de 2016, que recusou parcialmente o acesso a certos documentos relativos a decisões sobre o BES tomadas em reuniões do supervisor.

Google responde a acusação de monopólio: “Profundamente imperfeita”

Kent Walker, executivo da tecnológica, afirma que as empresas poderiam ter outros motores de busca, mas os utilizadores mostraram “repetidamente” uma preferência pelas ferramentas de pesquisa da Google.
Comentários